prybiczmaria@gmail.comFollow by Email tyle>.ig-b- { display: inline-block; } .ig-b- img { visibilit

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

"ECONOMIA E A EDUCAÇÃO EMPREEENDORA"

- Sempre defendi que a solução brasileira para todos os problemas, está principalmente na educação, seja ela de qualquer forma: alfabetizadora, básica, profissional e/ou empreendedora. Não se admite mais gerar renda sem lastro! As coisas não caem como chuva no molhado. Esperamos a devida compreensão dos dirigentes deste país para o setor, educacional – profissional – produtor, com os respectivos apoios e investimentos! (Prof.ª Mª. M. Prybicz).

EDUCAR PARA EMPREENDER MAIS
- Na manhã desta quinta-feira, a Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ) viveu um momento único de reflexão e exposição durante a conferência O Brasil e o desafio da educação para o empreendedorismo, que contou com grandes nomes do mercado empresarial do país e de especialistas educacionais de renome internacional. O evento foi realizado pelo Centro de Integração Empresa e Escola (CIEE) em parceria com o Jornal do Brasil e a Casa Brasil.
- A abertura da conferência contou com o presidente do CIEE-RJ e membro da Academia Brasileira de Lestras, Arnaldo Niskier; o diretor do Conselho Editorial do JB, Marcos Troyjo; o presidente da ACRJ e da Light, José Luiz Alquéres; e o superintendente do Sebrae/RJ, Sergio Malta. José Luiz Alquéres fez questão de declarar a honra da ACRJ em sediar o seminário, lembrando umas das primeiras funções da casa fundada por decreto de D. João VI: 'Casa do Empresário', assim como diz o letreiro que está na fachada do prédio histórico.
– Na época, entendia-se que era necessário formar novos técnicos de comércio, empreendedores, para melhorar as relações com a metrópole após a abertura dos portos, em 1808 – explicou Alquéres, que constatou a importância de mudar a mentalidade sobre o empresário através da educação e das variantes do mercado.
– Temos que educar e formar para o mercado. Criar uma concepção de adaptação constante a mudanças. Isso, eu verifico há 21 anos, desde que ocupo a presidência de grandes empresas, e já presenciei muitas tensões e constantes modificações.
– O presidente citou quatro importantes empreendimentos brasileiros e todos têm alguma ligação com o Rio. Dentre eles está a Olimpíada de 2016, a Copa do Mundo de 2014 e as obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Isso faz com que uma antiga música tenha cada vez mais sentido quando diz “O Rio de Janeiro reúne o que há de melhor e de pior no Brasil'”(canção famosa na voz da carioca Fernanda Abreu). Por isso, precisamos maximizar o que há de melhor e combater o que há de pior, que hoje é a violência e as desigualdades sociais – salientou Malta.
- O superintendente do Sebrae/RJ também mostrou que as estatísticas estão a favor do país, já que o Brasil é um dos maiores empreendedores do mundo, com cerca de 20 milhões de empreendedores para uma população economicamente ativa de 130 milhões de pessoas.
Educação para crescer e prosperar
- Durante a abertura do evento, Arnaldo Niskier baseou-se na filosofia e na figura do ex-presidente Juscelino Kubitschek e seu plano de desenvolvimento econômico e de estabilidade política, primeiro nome que lhe veio à cabeça ao pensar no tema do empreendedorismo.
– Me pergunto se hoje JK seria chamado de empreendedor, e acredito que sim. Ele criou Brasília, abriu a economia do país para as grandes montadoras, entre outros feitos. Era um homem ousado e que estava sempre em busca de crescimento.
O “imortal” da ABL também lembrou que hoje a situação é diferente e que vários indicadores estão indo de encontro à ideia de que a educação é a chave de tudo, como o número de 14 milhões de analfabetos acima dos 15 anos; apenas 14% dos jovens estarem cursando nível superior; termos uma grande taxa de analfabetismo funcional; e o crescimento da expectativa média de vida do brasileiro, mesmo se houver projetos expressivos de atendimento a idosos por parte do governo.
– Precisamos buscar saídas. E o empreendedorismo é uma solução inteligente, e para isso é necessária educação continuada pois a aprendizagem não é para toda a vida, e sim, por toda a vida, já que mesmo depois de sairmos da escola continuamos aprendendo – concluiu Niskier.
Fonte: Jornal do Brasil “On Line”
Ctba, 23/out/09
Eeconomista e Professora Mª M. Prybicz.









Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
Economista/Professora/Escritora de Blog e outros; Disciplina: Gestão de Negócios; - Autonomia em Consultorias em Geral.