prybiczmaria@gmail.comFollow by Email tyle>.ig-b- { display: inline-block; } .ig-b- img { visibilit

terça-feira, 30 de junho de 2009

"CAPITAL ABERTO"

RESULTADO DA IPO VISANET BRASIL

- Como era de se esperar, o primeiro dia de negociação da VisaNet Brasil foi bastante turbulento, como em qualquer outra IPO, uma vez que não há histórico de preços e com isto o mercado não consegue precificar com segurança o ativo.
Ao final do dia, foram movimentados aproximadamente 2,9 bilhões (em 70.144 negociações) e a VNET3 fechou com valorização de 11,8% em R$ 16,77 (chegando a máxima de R$ 17,35).
A data de liquidação para quem participou das reservas cairá no dia primeiro de julho.
- Não vemos outro meio de estimular a Economia, senão através da produção!

Referência: ADVFN Newslleter
Ctba, 30/jun/09
Prof.ª Maria M. Prybicz

segunda-feira, 29 de junho de 2009

"CAPITAL ABERTO"

INVESTIMENTOS EM AÇÕES

Segundo pesquisa, cresce em mais de 700% o número de mulheres que investem na bolsa nos últimos sete anos...

Referência: ADVFN Newslleter
Ctba, 29/jun/09
Prof.ª Maria M. Prybicz

terça-feira, 23 de junho de 2009

"BRASIL PROFISSIONALIZADO"

“PROFESSOR É HERÓI”

- Enfrentando todos os problemas sociais e psicológicos relativos às pessoas (alunos), os Professores podem ser considerados heróis, devida a carga emocional pessoal o dos demais quando exerce sua profissão! Não é somente o conteúdo que está em jogo e sim uma personalidade que está sendo formada no dia-a-dia, como se fosse um produto a ser bem melhor acabado para ser colocado no “mercado profissional” com um “selo de qualidade” que vá suprir as lacunas que hora se apresentam!
Investimentos nas escolas e nos profissionais docentes deixam a desejar já há muitas décadas! Tanto na área pessoal como na área física estrutural e técnica de cada unidade escolar do nosso Estado e também do País!
- Não se pode querer ser um “Estado Profissionalizado” com péssimas condições de trabalho e ensino – não basta só querer, tem-se que tomar atitudes concretas com “projetos revolucionários educacionais” e investimentos na infra-estrutura técnica dos colégios e/ou escolas, ou seja, em todos os níveis educacionais existem carências efetivas de investimentos! Os mestres não podem suportar por mais tempo todos os problemas surgidos como se fossem culpados - uma das profissões mais antigas e mais importantes, tendo em vista que as demais, em sua maioria, dependem dela.
- Platão, na República já alertava da importância do papel do professor na formação do cidadão!

Exemplo de Projeto no Rio Grande do Sul que beneficia os professores:

O projeto Computador Portátil para Professores foi elaborado em continuidade ao projeto Cidadão Conectado – Computador para Todos, sendo também parte integrante das demais iniciativas de qualificação da educação brasileira. O projeto é resultado da articulação entre o setor privado - indústria de computadores e bancos - e o setor público, por intermédio da Presidência da República, Ministério da Educação - MEC, da Ciência e Tecnologia – MCT, e da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos - ECT, destinado aos professores em atividade do ensino básico, profissional e superior das instituições credenciadas junto ao MEC. O objetivo central do Programa é facilitar aos professores a aquisição de computadores portáteis.
Referência: Site da Presidência da República.
Ctba, 23/jun/09
Prof.ª Maria M. Prybicz


domingo, 21 de junho de 2009

"ECONOMIA INTERNACIONAL"

BRICS SE RECUPERAM ANTES DE PAÍSES RICOS, DIZ 'ECONOMIST'

- Os grandes países emergentes, mais precisamente os Brics (Brasil, Rússia, Índia e China), já demontram sinais de recuperação econômica, enquanto os países ricos permanecem em recessão, afirma uma reportagem publicada na revista britânica Economist, que chega às bancas nesta sexta-feira.
A reportagem analisa a cúpula dos Brics, realizada no início da semana em Ecaterimburgo, na Rússia. Para a revista, o evento reflete a crescente autoconfiança desses países.
"Os maiores mercados emergentes estão se recuperando rapidamente e começando a acreditar que a recessão pode marcar mais um momento da mudança global que vê o Ocidente perdendo poder econômico", diz o texto.
A revista lembra que a China e a Índia tiveram desempenho econômico melhor do que o esperado no primeiro trimestre. No Brasil, apesar da pequena queda no período, o crescimento é maior do que a média da América Latina "e a maioria dos economistas acredita que o crescimento vai retornar aos níveis de antes da crise já no ano que vem", diz a Economist.
A Rússia, cuja economia encolheu 9,5% no primeiro trimestre derrubada pela queda no preço do petróleo, seria a única exceção do grupo.
DescolamentoPara a Economist, a teoria do "descolamento" - segundo a qual, por crescer a um ritmo diferente, os países emergentes estariam mais protegidos da crise financeira global que as grandes economias - pode, afinal, ter sentido.
"Quando este estudo (que explicava o descolamento) veio à tona em meados de 2008, a queda na economia mundial pareceu torná-lo instantaneamente obsoleto. Mas a enormidade do desaquecimento pode, temporariamente, ter escondido tendências mais profundas que agora voltam a se mostrar, passado o choque inicial", afirma a análise.
"Quase 60% de todo o crescimento econômico mundial entre 2000 e 2008 ocorreu nos países em desenvolvimento; metade só nos países do Bric", afirma a Economist.
Se o padrão de crescimento se confirmar, diz a reportagem, é uma boa notícia, pois significaria que quase metade da economia mundial estaria se recuperando. Os benefícios da recuperação dos Brics também seriam sentidos por outros países em desenvolvimento.
Mas, diz a revista, a recuperação da China, Índia e Brasil não pode compensar o estado medonho do resto da economia mundial. "Enquanto os três gigantes se recuperam, os países em desenvolvimento, como um todo, são vistos em recessão. Os gigantes parecem estar se descolando não apenas do Ocidente, mas também de seus irmãos emergentes menores."
A explicação, segundo a Economist, é que os países do grupo dependem menos das exportações do que outros emergentes. No caso brasileiro, as exportações correspondem a menos de 15% do PIB.
"Os Brics foram cautelosos em liberar seus sistemas financeiros, então, foram menos afetados pelo ataque cardíaco financeiro ocidental do que a Europa do Leste, por exemplo. E suas recuperações foram impulsionadas pelos governos, que relaxaram dramaticamente sua política monetária e aumentaram os gastos estatais."
Outra explicação para o sucesso dos BRICs em meio aos emergentes seria seu tamanho, já que esses países podem recorrer ao seu mercado doméstico na falta de um mercado estrangeiro.
Inchaço do setor público
- Um grande desafio, segundo o texto, seria garantir que os planos de estímulo dos governos se espalhem por todos os setores.
Se os Brics não puderem usar as exportações para escapar da recessão, a expansão do governo é a principal alternativa para a queda, atualmente enfrentada por outros grandes exportadores, diz a revista.
"A experiência no Ocidente foi de que o setor público se expandiu incansavelmente até chegar a 40% a 50% do PIB."
Mas, para os autores, esse tema ainda é um ponto de interrogação. "Não está claro até que ponto, a longo prazo, os Brics serão afetados pela aumento do governo e de empresas estatais. Mas este aumento provavelmente é inevitável."
Fonte: BBC Brasil
Ctba, 20/jun/09
Prof.ª Maria M. Prybicz

"ESPECULAÇÃO NO MERCADO BRASILEIRO"

Mercado Financeiro

Bovespa fecha com a 1ª alta em cinco sessões

- Notícias positivas envolvendo empresas domésticas abriram o apetite por compras seletivas no mercado acionário brasileiro, o que, num dia de giro tímido de negócios, foi suficiente para levantar a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) pela primeira vez em cinco sessões. O Ibovespa, principal índice do mercado, subiu 0,92%, para 51.373 pontos. O volume financeiro da sessão foi de R$ 3,78 bilhões.
Um dos destaques foi Eletrobrás, depois de o presidente da companhia José Antonio Muniz, ter afirmado que a elétrica deve pagar neste ano aos acionistas dividendos retidos nas décadas de 1970 e 1980.
- As ações ordinárias da Eletrobrás, que chegaram a cair quase 2% pela manhã, fecharam em alta de 6,4%, a R$ 28,99. Na máxima, os papéis da estatal - que serão os beneficados da distribuição de dividendos retidos - chegaram a apresentar valorização de 10%.
Para o analista de investimentos Marcelo Lima, da Spinelli Corretora, o investidor "está fazendo um ajuste fino, vendo oportunidades de compra, embora com muito mais cautela".
- Uma das eleitas foi a ação preferencial da Petrobras, que ganhou 0,6%, para R$ 31,95, mesmo em dia de queda do petróleo e depois de a companhia ter tido sua nota de crédito reduzida pela Moody's.
O investidor preferiu olhar para o aviso da empresa de que sua produção doméstica de petróleo cresceu 0,7% em maio ante abril.
Para a analista Paula Kovarsky, da Itaú Corretora, o dado mostra que a petrolífera está conseguindo entregar o forte crescimento prometido ao mercado para este ano.
Companhias aéreas figuraram no topo do índice, depois de o presidente da TAM, David Barioni, ter dito na véspera que já enxerga recuperação do setor aéreo. Gol, a melhor do Ibovespa, subiu 6,7%, a R$ 11,25. TAM ganhou 4,2%, para R$ 20.
Em Wall Street, aconteceu o vencimento quádruplo, dia de exercício dos contratos de índices futuros de ações, de índices de opções de ações, de opções de ações e de futuros de ações. No final, o índice Dow Jones caiu 0,19%, enquanto o S&P 500 avançou 0,31%.
Panorama Segundo profissionais do mercado, depois da escalada de 40% do Ibovespa no ano, os investidores entraram numa fase de ajuste nos preços das ações, esperando para ver se os dados macroeconômicos confirmarão a expectativa de retomada da economia global.
Há um mês, o Ibovespa não sai da faixa entre 50 mil e 54 mil pontos. E o investidor estrangeiro, que havia trazido cerca de R$ 12 bilhões para a Bovespa entre fevereiro e maio, nos primeiros 16 dias de junho sacou R$ 886 milhões do mercado acionários doméstico.
"Daqui para a frente, vai ser necessário algo mais consistente para permitir que o mercado continue subindo", disse Marcelo Lima, da Spinelli.
- Como sempre o Mercado Brasileiro atrai especulação financeira, certamente ocasionado pela ainda altíssima taxa de juros, coexistindo com outros fatores de atração do Capital Especulativo!
Referência: Ibovespa
Ctba, 20/jun /09
Prof.ª Maria M. prybicz

sexta-feira, 19 de junho de 2009

"AINDA A CRISE"

ONU: CRISE DEVE LEVAR NÚMERO DE DESNUTRIDOS A MAIS DE 1 BILHÃO EM 2009
Agência AFP
ROMA - A barreira de 1 bilhão de pessoas que sofrem desnutrição será superada em 2009 em consequência da crise econômica mundial, anunciou nesta sexta-feira a FAO (Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação). - Pela primeira vez na história da humanidade, mais de 1 bilhão de pessoas, concretamente 1,02 bilhão, sofrerão de desnutrição em todo o mundo - adverte a FAO em um relatório sobre a segurança alimentar mundial.
O número de subnutridos no mundo passou de 825 milhões, no período de 1995 a 1997, a 873 milhões entre 2004 e 2006. Em 2008, o número caiu de 963 milhões a 915 milhões por uma melhor distribuição dos alimentos, mas a tendência se reverteu com o agravamento da crise econômica e financeira do fim do ano.
Segundo a entidade, a redução da renda pela crise e os elevados preços dos alimentos foram devastadores para as populações mais vulneráveis.
- A atual desaceleração da economia mundial, que segue a crise dos alimentos e dos combustíveis e coincide em parte com ela, está no centro do crescimento da fome no mundo - indica a agência da ONU.
A crise econômica e suas repercussões, em particular na África, o continente mais afetado, estão na agenda da reunião. Na América Latina e Caribe, a única região que registrou sinais de melhora nos últimos anos, também foi comprovado um aumento (12,8%) do número de desnutridos.
Até nos países desenvolvidos, a desnutrição se transformou em uma preocupação cada vez maior. O relatório completo sobre a insegurança alimentar no mundo será apresentado oficialmente em outubro.
- Certamente o Brasil não ficará de fora dos acontecimentos, relativos à desnutrição alimentar de sua população mais vulnerável!

Referência: ONU
Ctba, 19/jun/09
Porf. ª Maria M. Prybicz


quinta-feira, 18 de junho de 2009

"ECONOMIA SUSTENTÁVEL"

CRIAÇÃO DE EMPREGOS PELA VALE

- Vale construirá uma nova siderúrgica no Ceará que irá gerar cerca de 15 mil empregos durante a construção e outros 4 mil postos de trabalho após início das atividades...
- Finalmente a Vale está fazendo investimentos no Brasil. É disto que precisamos que olhemos para o interior brasileiro, cuja necessidade se faz premente - e que outras empresas nacionais sigam esse exemplo. - Quando fazemos investimentos com objetivos de empregarmos mais e mais pessoas, incentivando a criação e incorporação de valor agregado no bem produzido, automaticamente necessitaremos de mais mão-de-obra. Portanto, criaremos cada vez mais empregos. Não poderemos viver por mais muitas décadas, como exportador de somente commodities. As commodities são importantes, mas está na hora de criarmos ocupação e renda para a nossa população, não se admite mais, tais desmandos nas políticas econômicas diante do modelo atual!

Referência: ADVFN Newsletter
Ctba, 18/jun/09
Porf.ª Maria M. Prybicz

quarta-feira, 17 de junho de 2009

"ECONOMIA SUSTENTÁVEL"

INOVAÇÃO

- Inovação tecnológica terá linha de crédito com juro de 1% ao ano. Cartão BNDES para Inovação financiará projetos de empresas com prazo de até quatro anos para pagar. Negócios terão apoio de centros tecnológicos do Sistema S da indústria, como o Senai.
- Pequenas e médias empresas também podem beneficiar-se através dessa política econômica, com relação aos juros baixos!
Referência: Protec
Ctba, 17/jun/09
Porf.ª Maria M. prybicz

terça-feira, 16 de junho de 2009

"ECONOMIA NO BRIC"

BLOCO DO BRIC ESTUDA ALTERNATIVA AO DÓLAR

- Hoje (16/06), os governos do Brasil, Rússia, Índia e China, conhecidos sobre o termo BRIC, estarão em uma reunião inédita onde o principal tema será a procura de uma alternativa ao dólar para as reservas internas. Pressionado pela China, país na qual foi severamente impactado pela desvalorização do dólar por possuir enormes quantias de reserva em moeda norte-americana, o grupo estuda possíveis caminhos a serem tomados que amenizarão situações como esta. Uma das alternativas será a utilização de uma moeda "sintética" conhecida por Direitos Especiais de Saque e que tem em sua composição quatro moedas: dólar, euro, iene e libra.
- Podemos adotar essa experiência também a nível de Mercosul!

Referência: ADVFN Newsletter
Prof.ª Maria M. Prybicz

segunda-feira, 15 de junho de 2009

"ECONOMIA"

COMO CONCLUIU O G8

- Ao longo do fim desta semana, os sete países mais ricos do mundo e a Rússia, reunidos sob a formação do G8, chegaram a algumas conclusões sobre a atual crise financeira que assola a economia de todos os países. O grupo relatou que há sinais de estabilização na economia dos países que formam o G8, incluindo uma perceptível melhora nos mercados acionários e na confiança do consumidor. Apesar dos comentários inicialmente otimistas, o grupo reforça que há uma grande diferença entre estabilização e recuperação, estágio na qual ainda há inúmeras incertezas de quando será atingido.
- Efetivamente deverá levar mais algum tempo para a nossa Economia recuperar-se! É como um doente que acabou sair da UTI, e se encontra tomando remédios com doses homeopáticas, parenteralmente falando.

Referência: ADVFN Newsletter
Prof.ª Maria M. Prybicz

"ECONOMIA NA AMÉRICA LATINA"

EMPREGOS

- Segundo a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT), a crise econômica mundial fez com que 1 milhão de postos de trabalho fossem cortados na América Latina...
- Veremos as consequências sociais desses acontecimentos nos próximos meses ou anos!

Fonte: ADVFN Newsletter
Prof.ª Maria M. Prybicz

sábado, 13 de junho de 2009

"CICLOS ECONÔMICOS"

CICLOS ECONÕMICOS E CRISES FINANCEIRA E/OU
REVOLUÇÕES ECONÔMICAS E SOCIAIS!

- Nos deparamos com Ciclos Econômicos a cada período de tempo indefinidamente. Os prazos para começarem e terminarem nunca se é previsível, consequentemente a surpresa é sempre inevitável.
- Não temos ainda, um Brasil Profissionalizado, a ponto de conseguir que profissionais possam identificar onde estão as falhas do mercado e onde estariam os meios utilizáveis, para evitarem-se tamanhos furos ou rombos nas economias nacionais e/ou internacionais.
Tudo está interligado: Condições econômicas dos povos; Direitos trabalhistas humanitários; Flexibilizações educacionais cooperadas; Administração financeiras compartilhadas e/ou cooperadas; Tradições educacionais e/ou culturais, ambientais, etc...
Se tivéssemos o profissional, como se vê, nos EUA ou na Comunidade Européia, onde quando se faz contratos, os mesmos são respeitados mesmo que, a duração dos mesmos ultrapassem anos e/ou a gestão dos dirigentes e/ou governantes!
- Nessa parte o nosso país falha! Não cumpre os prazos, as cláusulas, direitos, etc...
Quando conseguirmos na “Educação do Futuro” preparar os profissionais para atuarem nas áreas com o profissionalismo condizente com as funções exercidas, estaremos por conseguir o maior êxito de sucesso efetivo, que as Crises e/ou Ciclos Econômicos de baixa ou de alta proporciona aos seres humanos.
Fonte: OIT – Organização Internacional do Trabalho.
Ctba, 13/jun/09
Prof.ª Maria Madalena Prybicz

sexta-feira, 12 de junho de 2009

"ECONOMIA ESTOCÁSTICA"

ESTOCÁSTICO / DEFINIÇÃO

- (1) Aquilo que envolve um componente aleatório, o mesmo que probabilístico.
- (2) Tipo de ferramenta de análise gráfica desenvolvida por George Lane utilizada para interpretar as variações anteriores do preço de determinado ativo.
O Estocástico é uma ferramenta osciladora utilizada para:
(1) determinar zonas de hiper-valorização (super-comprado ou sobre-comprado) e de hipo-valorização (super-vendido ou sobre-vendido) dos preços de determinado ativo;
(2) determinar zonas de suporte e de resistência dos preços de determinado ativo; e
(3) determinar divergências importantes da variação de preço de determinado ativo que balizarão as decisões do investidor. Esta ferramenta rastreia a relação entre o preço de fechamento de um ativo e os valores máximos e mínimos negociados. Desta forma, se os preços de fechamento se aproximarem dos valores máximos de negociação do ativo, estarão situando-se em uma zona de hiper-valorização (super-comprado ou sobre-comprado), enquanto que, se os preços de fechamento se aproximarem dos valores mínimos de negociação do ativo, estarão situando-se em uma zona de hipo-valorização (super-vendido ou sobre-vendido). O estocástico pode ser utilizado de forma lenta ou rápida. A forma rápida tem a desvantagem de ser muito sensível e de fornecer muitos falsos sinais.
- O estocástico é um tipo de oscilador de momento muito utilizado na análise técnica, principalmente para análises de curto prazo. Primeiramente introduzido por George Lane por volta de 1950 tem como principal objetivo comparar o preço de fechamento de uma commodity com seu preço durante um certo período de tempo.
- Em Estatística chamamos apenas, “probabilidade” de alta ou baixa nos preços, ou seja a, “volatividade” o número "volatilidade" associado ao preço de uma mercadoria é a variação de preço referente a um desvio padrão, expresso em porcentagem, ao fim de um período de tempo.
Fonte: ADVFN Newsletter
Ctba, 12/jun/09
Prof.ª Maria M. Prybicz

quinta-feira, 11 de junho de 2009

"TAXA DE JUROS"

TAXA DE JUROS NO BRASIL

- As taxas de juros no Brasil ainda é altíssima.
Exemplo: para empréstimos pessoais a Caixa Econõmica está cobrando 0,85% ao mês, isto significa que no ano o mesmo fica em 10,2%, ou seja, é inconcebível para uma economia em recuperação e/ou retomada do crescimento como a nossa atualmente agravada com a "CRISE FINACEIRA INTERNACIONAL" , com índice no PIB abaixo do esperado!
Ctba, 11/jun/09
Prof.ª Maria Madalaena Prybicz

quarta-feira, 10 de junho de 2009

"PIB BRASILEIRO E OUTROS"

RECESSÃO TÉCNICA NO BRASIL PODERIA TER SIDO EVITADA?

- Apesar de superar a expectativa de muitos analistas que previam quedas de até 2,5% para o PIB do primeiro trimestre, muitas outras instituições relatam que a queda de 0,8% poderia ter sido ainda menor. A Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio), por exemplo, divulgou reclamações quanto à demora do Banco Central em readequar a taxa básica de juros, onde os cortes deveriam ter sido feitos há muito mais tempo e em uma intensidade maior. Analisando por outro ponto de vista, Guido Mantega, ministro da Fazenda relata que o atual PIB que estamos vendo é um "PIB velho" e que a economia está se recuperando. Luiz Inácio Lula da Silva, em discurso, relata que "ficou triste" com esta queda: "Eu fiquei triste porque a gente vinha num crescimento tão extraordinário, de 5%, 6%, estava em uma situação tão boa, e aí veio uma crise. Mas, ao mesmo tempo em que eu achei que é uma coisa ruim, o dado concreto é que o PIB decaiu mais do que eu queria, mas decaiu menos do que o que foi pronunciado nos últimos três meses por especialistas. Todo mundo dizia que ia ser uma catástrofe e não foi."
- Realmente foi solicitada logo no início do anúncio da “CRISE” uma redução na taxa de juros, para que se evitassem prejuízos não somente na área industrial/comercial, mas inclusive na área social do país!

NOTAS GERAIS

- PIB na Itália tombou 6% neste primeiro trimestre...
Alemanha marcou inflação zero em maio, representando o menor nível desde 1987...
Mais de três milhões de pessoas estão sendo afetadas pela greve no metrô de Londres...
Pane no serviço da Telefônica deixou milhares de consumidores sem telefone fixo ontem (09/06) das 9h00 às 11h30...
O Governo brasileiro está preparando estímulos econômicos para certos setores com intuito de garantir ao menos 1% de crescimento anual do PIB...
A elevação do CIDE (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) irá garantir uma arrecadação extra de R$ 1,5 bilhões até o final do ano...
O governo da Província argentina bloqueou as contas bancárias da Petrobras no país por suposta falta de pagamento de dívidas tributárias no valor de R$ 4,4 milhões...
Paulo Bernardo, ministro do Planejamento: "Estamos avançando e temos condição de acabar o mandato do presidente Lula com uma taxa real na faixa dos 4%, talvez até menos."...
Rubens Sardenberg, economista-chefe da FEBRABAN, acredita que o PIB brasileiro tenha batido no fundo do poço...
Caixa antecipa resultado sobre a nova SELIC e já reduziu seus juros...

Fonte: ADVFN Newsletter
Ctba, 10/jun/09
Prof.ª Maria M. Prybicz



terça-feira, 9 de junho de 2009

"ECONOMIA BRASILEIRA EM FOCO"

PIB CAI E BRASIL ENTRA EM RECESSÃO

Agora é oficial, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil caiu 0,8% neste primeiro trimestre, o suficiente para configurar uma Recessão Técnica (onde há uma queda seguida do indicador por dois trimestres consecutivos). A queda de 0,8%, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apesar de configurar o status de recessão, veio acima da expectativa do mercado e analistas, que estimavam quedas entre 1% e 2,5%.
- É hora de o mercado voltar a investir massiçamente!

Fonte: ADVFN Newsletter
Ctba, 09/jun/09
Maria M. prybicz

segunda-feira, 8 de junho de 2009

"ECONOMIA"

NOTÍCIAS ECONÔMICAS NACIONAIS

- A Camex (Câmara de Comércio Exterior) optou por taxar Imposto de Importação sobre sete tipos de aço que até então estavam isentos...

- Na semana passada o Banco Central realizou a maior compra de dólares em 12 meses na tentativa de segurar a queda da moeda nos mercados internos...

- A Nippon Steel, siderúrgica japonesa, enviou comunicado ao mercado informando que pretende comprar até 2,52 milhões de ações ordinárias da Usiminas em uma operação que poderá movimentar cerca de R$ 100 milhões...

- Em relatório publicado pela Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), o brasileiro necessitaria de um salário mínimo de R$ 2.045,06 em maio para conseguir arcar com as despesas básicas...

- Bradesco concluiu acerto para a compra do Banco Ibi S.A. em uma transação de R$ 1,4 bilhão...

- Usinas de álcool tiveram alta no faturamento, porém arrecadação do imposto diminuiu. Empresas do setor estão sendo investigadas...

Fonte: ADVFN Newsletter
Ctba, 08/06/09
Prof.ª Maria Madalena Prybicz

domingo, 7 de junho de 2009

"MOEDA CHINESA / RESERVA MUNDIAL"

RÚSSIA DIZ QUE O IUAN PODE SER MOEDA DE RESERVA EM UMA DÉCADA
- China e a Rússia expressaram preocupação sobre a volatilidade do dólar norte-americano e pediram conversas sobre maneiras de criar moedas de reservas rivais
O iuan poderia se tornar uma moeda de reserva mundial depois de passar a ser totalmente conversível, um processo que pode durar cerca de dez anos, afirmou neste sábado (6) o ministro das Finanças russo, Alexei Kudrin.
A China começou lentamente a usar sua força econômica para buscar um papel maior para o iuan, que ainda não é totalmente conversível.
"Eu acho que o caminho mais curto seria se a China liberalizasse sua economia e permitisse a conversibilidade do iuan," afirmou Kudrin, um aliado próximo ao primeiro-ministro, Vladimir Putin.
"Isso pode levar dez anos, mas depois disso, o iuan teria demanda e é o caminho mais curto para a criação de uma nova moeda de reserva mundial. Creio que a China precisa pensar sobre isso," disse Kudrin em um painel de discussão no Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo.
A China e a Rússia, primeira e terceira nações do mundo em quantidade de moeda de reserva, expressaram preocupação sobre a volatilidade do dólar norte-americano e pediram conversas sobre maneiras de criar moedas de reservas rivais. Os países desenvolvidos, entretanto, reagiram friamente à proposta.
O chefe econômico da União Europeia, Joaquin Almunia, que participou do mesmo painel que Kudrin, descartou as perspectivas de o dólar ser substituído de sua posição de liderança na economia mundial em breve.
"O dólar é obviamente a principal moeda na nossa economia global como moeda de reserva, e essa posição do dólar não será modificada no curto prazo por qualquer tipo de decisão política ou vontade política," afirmou. "Essas são decisões adotadas pelo mercado e creio que os mercados, nesses assuntos, evoluem gradualmente."
Moscou e Pequim investiram na ideia de usar o Direito Especial de Saque (SDR, sigla em inglês), a unidade monetária do Fundo Monetário Internacional (FMI), como uma maneira de reduzir a dependência no papel-moeda.
O vice-diretor de gerenciamento do FMI, John Lipsky, disse neste sábado que o SDR pode se transformar em moeda de reserva mundial no longo prazo.
"O SDR teria que se desligar e se tornar uma moeda por seus próprios méritos," afirmou Lipsky. "Podemos pensar que no longo prazo isso é uma boa ideia. No longo prazo, há muitos atrativos."
O Kremlin disse que líderes de Brasil, Rússia, Índia e China, conhecidos como Bric, podem discutir a ideia de uma moeda supranacional no encontro que terão na cidade russa de Yekaterinburg, em 16 de junho.
Uma autoridade brasileira afirmou à Reuters no mês passado que o encontro discutiria a dominância do dólar norte-americano, além de maneiras para remodelar o sistema comercial mundial e o desarmamento nuclear.
- No Mercosul, começa a existir a necessidade de uma moeda de reserva para o Cone Sul, América Latina e Caribe!
Fonte: Gazeta do Povo
Ctba, 07/jun/09
Prof.ª Maria M. Prybicz

sábado, 6 de junho de 2009


Para todos que acessam o meu Blog!
LICENCIATURA PLENA NA UEPG-PR
Ponta Grossa, 06/jun/09

sexta-feira, 5 de junho de 2009

"ECONOMIA E MERCADOS"

AS BOAS NOVAS DO MERCADO

- Se a crise de fato chegou ao fundo do poço ou não, isto é algo que, até então, não passam de meras especulações. Um detalhe, porém, é a volta das notícias positivas dos mercados e que estavam afastadas dos meios de comunicação por um bom tempo. Aos poucos elas estão nascendo num ritmo mais acelerado.
- Começando pela Wal-Mart e a sua contratação de 22.000 novos funcionários até o final deste ano.
- A General Motors, agora chamada como Nova GM, poderá já sair da concordata em dois meses. Não que um processo de concordata seja algo positivo, mas a estabilização de um negócio tão complexo em poucos meses é algo promissor.
- O volume negociado na Bovespa está reaquecendo e registrou em maio um volume de R$ 108,03 bilhões, uma alta de 11,15% em comparação com abril. A questão é: até que ponto as novas notícias boas do mercado irão sustentar as cotações num patamar elevado? Então, investidor, muita cautela e não deixe o mercado lhe surpreender, mantenha-se em alerta constante.
- Deveremos ser mais cautelosos com investimentos de risco!
-IBOV sobe 2,64% e fecha o dia aos 53.463 pontos, o movimento foi de R$ 4,587 Bi.
Entre os ativos de maior peso na carteira, Petrobras PN subiu 2,83%, para R$ 34,09; Vale PNA avançou 2,27%, a R$ 32,42; Itaú Unibanco PN ganhou 1,26%, para R$ 32,00; BM & FBovespa ON aumentou 6,80%, cotada a R$ 12,45; e Bradesco PN teve valorização de 1,66%, a R$ 29,96.
Bolsas de NY
- Em Wall Street, o dia também foi de recuperação. O Dow Jones subiu de 0,86%, aos 8.750 pontos. O S & P 500 teve acréscimo de 1,15%, para 942 pontos, e o Nasdaq teve alta de 1,32%, a 1.850 pontos.
Bolsas da Europa
- O principal índice de ações da Europa terminou com leve declínio nesta quinta-feira, com o avanço de farmacêuticas e petrolíferas contrabalançado pela fraqueza das ações de mineradoras. O Banco Central Europeu (BCE) deixou a taxa básica de juro da zona do euro inalterada em 1%, enquanto o Banco da Inglaterra manteve o patamar de 0,5%.
Petróleo
- Após dura baixa na véspera, os contratos de petróleo enfrentaram uma quinta-feira (4) de recuperação, puxada por projeção do banco Goldman Sachs, que afirmou que os preços do barril devem atingir US$ 85 dólares até o final do ano, aumentando sua previsão anterior de US$ 65 por barril. Sinais positivos da economia dos EUA, maior consumidor mundial do produto, também ajudaram nas altas.
- A cotação do barril do petróleo Brent, negociado no mercado de Londres, fechou a US$ 68,71 no pregão desta terça-feira, expressiva alta de 4,29% em relação ao último fechamento. O contrato com vencimento em julho, que apresenta maior liquidez no mercado de Nova York, encerrou a US$ 68,81 por barril, forte alta de 4,07% frente ao fechamento anterior.
Dólar
- Após o pregão de ajuste registrado na véspera, quando interrompeu uma seqüência de oito baixas, o dólar voltou a recuar frente ao real nesta quinta-feira (4). A moeda americana teve desvalorização de 1,07% e terminou cotada a R$ 1,943.
Fonte: ADVFN Newsletter
Ctba, 05/jun/09
Profª. Maria M. Prybicz



quinta-feira, 4 de junho de 2009

PIB DA ZONA DO EURO
- A economia da zona do euro retraiu-se em ritmo maior que o inicialmente esperado no primeiro trimestre sobre igual período do ano passado, em um resultado negativo recorde devido a quedas nos investimentos e nas vendas externas. O Produto Interno Bruto (PIB) caiu 4,8% ante o primeiro trimestre de 2008, pior queda da série histórica, ante leitura preliminar de recuo de 4,6%.
- O dado na comparação com o quarto trimestre foi confirmado em declínio de 2,5%.
- O gasto das famílias declinou 0,5% no primeiro trimestre sobre o quarto e 1,1% na comparação anual. O gasto das famílias mostrou, respectivamente, estabilidade e alta de 1,7%.
- A formação bruta de capital fixo, uma medida dos investimentos, declinou 4,2% trimestre a trimestre e despencou 10,4% sobre o ano passado.
- As exportações caíram 8,1% na comparação trimestral e recuaram 15,5% na anual.
- A maior economia da região, a Alemanha, liderou a performance negativa do primeiro trimestre. O PIB alemão caiu 3,8% sobre o quarto trimestre e 6,9% ante o primeiro trimestre de 2008.
- Na França, a segunda maior economia, a queda trimestral foi de 1,2% e na Itália, a terceira maior, foi de 2,4%.
- Na União Européia como um todo, o PIB declinou 2,4% na comparação trimestral e 4,5% na anual.
Petróleo
- A cotação do barril do petróleo Brent, negociado no mercado de Londres, fechou a US$ 65,80 no pregão desta quarta-feira, com baixa de 3,36% em relação ao último fechamento. Por sua vez, o contrato com vencimento em julho, que apresenta maior liquidez no mercado de Nova York, fechou cotado a US$ 66,12 por barril, configurando baixa de 3,54% frente ao fechamento anterior.
Dólar
- O dólar acompanhou o dia de pessimismo registrado no mercado internacional e teve uma forte elevação hoje, encerrando uma seqüência de oito baixas consecutivas. A moeda americana encerrou o dia com alta de 2,13%, cotada a R$ 1,964.
- É realmente todos foram atingidos pela Crise Financeira Internacional, está mais do que provado que as economias estão inteiramente interligadas globalmente!
Fonte: ADVFN Newsletter

Ctba, 04/jun/09
Profª Maria M. Prybicz

"ALÉM DAS FRONTEIRAS"

MERRILL LYNCH: SUSPEITA DE LAVAGEM DE DINHEIRO

- O banco Merrill Lynch está sendo investigado pela Polícia Federal brasileira por suspeitas de lavagem de dinheiro e operação sem autorização do Banco Central. As investigações estão sendo feitas mais especificamente no segmento Private Banking, responsável pela gestão de grandes fortunas. - Segundo as autoridades, o ponto inicial das investigações foi o caso da Sundown, em que os donos foram presos por lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e utilizavam o banco para fazer remessas ao exterior, operações na qual o banco não registrava.
- Será que isto acontece em razão da Crise Internacional?

Fonte: ADVFN Newsletter
Ctba, 04/jun/09
Profª Maria M. Prybicz

quarta-feira, 3 de junho de 2009

"ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO"

ECONOMIA
OIT DIZ QUE CRISE NO EMPREGO PODE DURAR ATÉ OITO ANOS
SÃO PAULO - O crescimento no desemprego em conseqüência da crise econômica vai durar entre seis e oito anos, caso providências não sejam tomadas, alertou nesta quarta-feira o diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Juan Somavía, durante a apresentação de um relatório.
- Os líderes políticos não deram atenção suficiente às consequências humanas e sociais da crise- disse Somavía, diante de quatro mil representantes de governos, trabalhadores e empregadores reunidos em Genebra entre esta quarta-feira e o próximo dia 19.
Somavía criticou os motivos que levaram à atual situação ao dizer que, nas últimas décadas, "a política econômica dominante não levou em conta, basicamente, os valores fundamentais da OIT. A capacidade do mercado em regular a economia foi supervalorizada e o papel do Estado foi desvalorizado".
Segundo ele, serão necessários 300 milhões de novos empregos no mundo para absorver o aumento da força de trabalho até 2015.
Entretanto, com uma contração prevista da economia mundial de 1,3% neste ano, "o desemprego deve continuar crescendo até o final de 2010 ou até 2011".
Somavía afirmou que a indignação de trabalhadores e inclusive de alguns empresários é "legítima" já que "a economia global perdeu o controle porque alguém dormiu ao volante, mas todos nós batemos".
- Daqui alguns anos veremos os resultados sociais da atual CRISE, e do desemprego na estrutura empregatícia da Economia Nacional e Internacional!
Fonte: Terra.
Ctba, 03/jun/09
Profª Maria Madalena Prybicz

terça-feira, 2 de junho de 2009

"ECONOMIA EM RISCO"

ÍNDICE DOW JONES SOFREU ALTERAÇÕES

- Investidor, imagine a Petrobras e a Vale sendo retiradas do índice Bovespa. É algo difícil de acreditar, certo? Pois é isto que irá acontecer no Dow Jones se correlacionarmos a importância dada pelo mercado com os dois ativos históricos da economia norte-americana. A partir da próxima segunda-feira (08/06), a General Motors (GM) e o Citigroup serão retirados da lista que compõe o Dow Jones. A lacuna deixada em aberto será preenchida pela Cisco Systems e pela seguradora Travelers.
- Todas empresas correm um certo risco!

Fonte: ADVFN Newsletter

Ctba, 02/jun/09
Maria M. Prybicz

segunda-feira, 1 de junho de 2009

"INVESTIMENTOS EM AÇÕES"

MELHOR INVESTIMENTO DE MAIO

- Emplacando o primeiro lugar pela terceira vez seguida, o Índice Bovespa se demonstrou o melhor investimento do mês de maio. Com uma significativa alta de 12,49% no mês, o Ibovespa ficou muito a frente do Ouro, com rentabilidade mensal de 1,04% e responsável pelo segundo lugar. Em terceiro encontramos o CDB com rentabilidade de 0,80%. O dólar sofreu uma grande queda em sua rentabilidade e fechou o mês com perdas de 9,67%.
- Efetivamente, os investimentos em empresas de capital aberto, (S/As), está sendo o mais rentável por hora!

Fonte: ADVFN Newsletter

Ctba, 01/jun/09
Maria M. Prybicz

Quem sou eu

Minha foto
Economista/Professora/Escritora de Blog e outros; Disciplina: Gestão de Negócios; - Autonomia em Consultorias em Geral.