prybiczmaria@gmail.comFollow by Email tyle>.ig-b- { display: inline-block; } .ig-b- img { visibilit

domingo, 28 de novembro de 2010

“ECONOMIA PARANAENSE EM FOCO”

O PARANÁ VAI À BOLSA

- Então é assim, quando uma simples “Economista” fala a um empresário que seria recomendável abrir o capital da empresa, este mesmo empresário não dá ouvido ou julga-a simplória demais para fazer tal colocação (aconteceu em 2007 para 2008) – consulta os americanos, formados em Harvard e não na UFPR, pagam uma nota preta para que eles falem a mesma coisa, ou seja, não dão valor para os formados aqui! (Mª M.Prybicz).    
Oferta de ações voltou a ser encarada como fonte de recursos. Doze empresas do estado planejam entrar na Bovespa até 2015
Empresas que têm urgência em crescer voltaram a ver na oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) uma alternativa viável para arrecadar recursos. Nos próximos três anos, sete empresas paranaenses pretendem abrir capital com o lançamento de ações na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). E outras cinco estudam fazer o mesmo em até cinco anos, embora apontem a necessidade de mais informações para a tomada de decisão definitiva.
Os dados fazem parte da pesquisa “O Processo de Construção de Valor para sua Empresa”, resultado de uma parceria entre a Câmara Americana de Comércio (Amcham-Brasil), juntamente com a consultoria Ernst & Young Terco e a BM&FBovespa. O levantamento ouviu 106 organizações brasileiras de diversos setores, das quais 16 paranaenses, com faturamento entre R$ 101 mi- lhões a R$ 400 milhões. O objetivo era conhecer o grau de preparação das empresas para acessar o mercado de capitais e investidores diversos.
“Os níveis de crescimento que os empresários projetam para os próximos anos são de ritmo chinês. Com isso, as empresas estão mais abertas na busca de fontes de financiamento para fazer frente a essa necessidade de capital”, avalia o sócio líder da área de IPO da Ernst & Young Terco, Paulo Sérgio Dortas. Para ele, esse movimento tende a trazer um maior nível de maturidade para a economia paranaense. “Existem empresas catalisadoras da economia do estado que poderiam desaparecer. Com a abertura de capital essas empresas ficam mais fortes para investir no crescimento.”
Atualmente, os grandes investimentos dos conglomerados são financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ou através de seus agentes financeiros.
“A vantagem desta modalidade é a taxa de juros de 5,5% ano. É um recurso baratíssimo, se comparado com outras modalidades de empréstimo”, explica o diretor financeiro do grupo Hübner, Edson Mileke. O problema, diz ele, é que esse processo é lento e burocrático. “A liberação de recurso para a compra de um equipamento no valor de R$ 1 milhão pode levar cerca de 60 dias, depois de tudo autorizado. Dependendo do projeto, o processo pode se arrastar por seis meses.”
- Há dois anos, a rede paranaense de estacionamentos Estapar planejava abrir capital em 2010, mas os planos foram abortados em função do estouro da crise econômica. Para financiar a expansão, a empresa optou por uma operação com o banco de investimentos BTG Pactual, que comprou 50% do controle da Estapar por meio de um fundo de private equity.
“Essa associação, além de ter colocado a Estapar num patamar de sofisticação financeira, preparou a empresa para crescer em um ritmo ‘alucinante’. Hoje não faltam recursos”, diz o presidente do conselho da Estapar, Hélio Cer queira Junior. Segundo ele, a empresa fechará 2010 com investimentos de R$ 220 milhões na aquisição de imóveis e de outras empresas – neste ano, a Estapar assumiu o controle de cinco companhias do setor.
Segundo Cerqueira Junior, a empresa continua se estruturando para abrir capital, movimento que deve se concretizar nos próximos três anos. “Em algum mo mento vamos ao mercado. Não tem como não fazer isso”, afirma.
- Os investidores buscam empresas em setores com grande potencial de crescimento, com destaque para as áreas de laboratórios farmacêuticos, prestação de serviços – na esteira da Copa de 2014 e das Olimpíadas de 2016 – e operações que envolvam a exploração do pré-sal.
Curitiba apresenta o segundo maior porcentual de respostas em relação à necessidade de mais informações para a abertura de capital (50%), atrás apenas de Goiânia (55%). Para Dortas, isso revela um nível de maturidade menor dos empresários paranaenses em relação a outras praças. “Talvez o empresário ainda fique olhando para o próprio umbigo e não se interesse no que está acontecendo a sua volta. Agora, com a necessidade de crescimento, as empresas estão mais abertas e dispostas”, avalia.
Das 16 empresas paranaenses consultadas pela pesquisa, mais da metade cresceram acima de 10% ao ano nos últimos cinco anos, sendo que 20% delas tiveram expansão entre 25% e 50%.
Em relação ao futuro, essas empresas, consideradas de “alto impacto”, estão otimistas. A grande maioria (81%) projeta incrementar sua receita bruta em mais de 10% ao ano nos próximos cinco anos, 13% estimam avançar entre 25% e 50% e 6% esperam crescimento superior a 50%. As 19% restantes dizem que a taxa de expansão ficará entre 5% e 10% ao ano.
Fonte: GP on line
Ctba, 28/Nov/2010
Maria M.Prybicz

Eddie vedder - Society [ legendado subtitles into the wild ]

Eddie Vedder - The Times They Are A Changing legendado

Emmerson Nogueira (Canta Bob Dylan) Tradução.avi

Uma das representações simbólicas da República no fim do século XIX, para celebrar o novo regimeA República, óleo sobre tela, Manoel Lopes Rodrigues, 1896.
- Depois de proclamada a República, provocou a frase de um dos seus mais antigos defensores, Saldanha Marinho: “Essa não é a República dos meus sonhos”. 
- Por trás da mudança pela qual se empenharam os mais idealistas, agitavam-se os mesmos velhos interesses do grande capital fundiário e exportador de café. Era a economia que ditava a mudança. E os ideais de civis e militares foram o combustível para que o movimento deslanchasse em 15 de novembro de 1889. 

Outro ideal quase sempre associado ao sonho republicano, a federação, também se realizou com a proclamação da República. No entanto, um de seus maiores defensores, Rui Barbosa, poderia imitar Saldanha Marinho, dizendo:
 “Este não é federalismo dos meus sonhos”. Pois o sistema que, rompendo a tradição centralista da monarquia, deveria ser fator de progresso para as províncias, propiciou o abandono das regiões pobres do país ao poder discrionário de coronéis.
Fonte: Blog "História Viva"
Ctba, 28/nov/10
Maria M.Prybicz

Blowin' In The Wind (legendado) Soprando no Vento

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

"A NOSSA ECONOMIA" - CONSOLIDA-SE...

“PROGNÓSTICOS ECONÔMICOS”
 - Para que isto acima seja efetivamente concretizado, elencamos os seguintes passos. É interessante destrinchar os componentes da função demanda:
- Acompanha, embora não linearmente, a flutuação de renda dos consumidores, cujos parâmetros são diretamente afetados por quatro fatores:
* saturação crescente do mercado e reciclagem de produtos;
* queda crescente de massa salarial;
* produtos e serviços com preços tendendo a zero;
* concentração de riqueza na população.
- A demanda de investimentos, já que, o lucro é uma prerrogativa essencial, é uma variável extremamente imprecisa, depende da diferença entre o faturamento e custo e amortização de investimento, dependendo da confiança do investidor, por isso, as políticas públicas são importantes no sentido demonstrar tranqüilidade e equilíbrio ao investidor no futuro.
- Como a demanda governamental depende da arrecadação, do orçamento e da dívida pública. E que em hipótese nenhuma podem ocorrer carências em energia, transportes, telecomunicações, educação e desenvolvimento científico-tecnológico, devendo as carências ser cobertas impreterivelmente por investimentos governamentais.
- A demanda de exportação, dependendo de política cambial condizente adotada e da capacidade inovadora da nação. O preço das commodities deve ser analisado, por que mantida a tendência atual, é que será cada vez mais baixo.
- A inovação da tecnologia e os programas de renda mínima são os caminhos mais corretos e viáveis para a melhor estabilização economicamente ativa.
- A taxa de juro exponencial financiada através da tributação excessiva, exercendo uma elástica retirada de renda do mercado, enfraquecendo o próprio projeto que desenvolve o entusiástico comportamento dos indivíduos na busca de novidades científicas e do desenvolvimento da tecnologia e/ou inovação, difundindo-se para o resto do planeta através do Animus Novandi, estreitando o relacionamento entre pessoas.
Ctba, 26/Nov/10
Maria M.Prybicz 

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

"INFOECONOMIA"

LEI DA REALIMENTAÇÃO POSITIVA
 - As associações sinérgicas aumentam as possibilidades de sucesso pela agregação de valores à rede. A realimentação positiva surge naturalmente num ambiente cultural científico-tecnológico resultante de intensa interação social.
* A maior participação de membros numa rede induz seu crescimento exponencial.
* A realimentação positiva também resulta em crescimento exponencial.
* Em ambientes culturais tecnológicos-científicos, o crescimento torna-se sistêmico, não se            restringindo a uma única empresa.
* Os repositórios de cultura tecnológico-científicos são fundamentais na infoeconomia.
* A dinâmica inovadora de um ambiente cultural científico-tecnológico se expande à medida que o próprio ambiente se expande.
* Bênçãos e maldições resultam da fixação de normas e padrões. Prêmios aos madrugadores e castigos aos retardatários.
* Na infoera, os ambientes científico-tecnológicos terão abrangência Internacional e assim, natureza distribuída. Porem é indispensável à existência de repositórios tecnológicos locais que garantam o acervo cultural nacional.
* Repositórios virtuais, Telecomunidade e partilhamento de recursos humanos.
“A tradição cultural de um povo só se consolidará se associada em alto grau à elevada cultura científico-tecnológico, moldando, a partir dessa união, as Tecnologias da Informação.”
- À medida que se consolide um ambiente cultural tecnológico-científico, o desenvolvimento científico-tecnológico passa a se beneficiar de uma sinergia intrínseca ao meio social, em que a cultura tradicional se fundirá com o novo status científico-tecnológico.     
Fonte: Zuffo, João Antonio-A Sociedade e a Economia do Novo Milênio – Ed. Manole 2004.
Ctba, 25/Nov/10
Maria M. Prybicz

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

sábado, 20 de novembro de 2010

"ECONOMIA PETROLÍFERA"


“E O PETRÓLEO JORROU EM DUBAI!”
 - Fruto do voluntarismo dos xeques da dinastia Al Maktoum, no poder desde o século XIX, Dubai esbanja torres envidraçadas, praias e ilhas artificiais, resorts e shoppings gigantescos, com badaladas marcas internacionais.
  Tudo induz ao consumo de luxo, passando a ideia de que os desejos mais extremos serão saciados, num turbilhão hedonista levado às últimas consequências.
- Mas se engana quem confunde tal frenesi com modernidade. Ali impera uma monarquia ditatorial, fincada numa leitura estreita do islamismo, que desrespeita os direitos humanos, ignora a liberdade de expressão, oprime a mulher, proíbe relações sexuais fora do casamento e mantém a população sob estrito controle.
- Nesse contexto, não é difícil imaginar os bastidores de lavagem de dólares, prostituição, contrabando de armas, pedras e outros males a sustentar a voracidade do consumismo emergente. 
Fonte: GP on line
Ctba, 20/Nov/10
Maria M.Prybicz

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

"ECONOMIA DA ABSOLESCÊNCIA".


"EM DEFESA DO ENSINO TÉCNICO, NA ECONOMIA DA 
ABSOLESCÊNCIA"
                                
  - Considerando que o investimento tem sido alto com relação ao “Ensino Técnico”, abrangendo várias profissões, principalmente na área dos docentes, teremos que reconhecer que o que é ministrado nas aulas é compatível com o ensinado no 1º ano e/ou período das faculdades em geral e com isso acelerando o aprendizado emergente em mais ou menos três a quatro anos da vida escolar dos nossos alunos, portanto é um grande ganho para a nossa sociedade no novo milênio. O ensinamento está sendo feito para o mercado e do mercado vice-versa, em todas as áreas produtivas! O elevado investimento em ciência e tecnologia, naturalmente é transmitido para o discentes.
   Como a absolescência de produtos por modismos e desatualizações é ainda intensamente utilizada por fabricantes em muitas áreas, destacando-se, verbi gratia, ou seja graças ao exemplo, a própria indústria automobilística. Neste tipo de política mercadológica, vende-se ao consumidor a idéia da necessidade de aquisição de um novo bem, diante do fato de o bem por ele possuído ou estar fora de moda, desatualizado e até mesmo consumindo combustível e/ou enrgia em excesso. Incentivando-se, desta forma, demasiadamente, o consumo, provocando aposentadoria precoce de milhões e milhões de produtos e/ou serviços ainda em condições operacionais, porem rejeitados pelos consumidores.
- A reciclagem se faz necessária muito antes de sua vida útil completa, que se caso não se faça, provocará, pelo seu grande número, poluição ambiental e desastres ecologicamente falando. 
   Por outro lado a absolescência tem suas vantagens comerciais:
1. Não necessita de restrições artificiais de mercado;
2. Vende a idéia de qualidade, de status social e de estilismo;
3. Sobrevive em ambientes de alta competitividade;
4. Desenvolve no consumidor uma devoção intensa à linha de produtos.
- Ocorrendo a absolescência tecnológica em função da rápida evolução da tecnologia aplicada nos produtos e invenções dos nossos pesquisadores atentos à modernidade dos variados campos da atividade humana. Ocorrendo uma saga de uma absolescência anunciada, e o industrial compenetrado, consegue visualizar este gancho, podendo chegar ao que o consumidor almeja para sua satisfação, o que é extremamente saudável e salutar para o próprio e para a economia.
Fonte: Zuffo, João Antonio, “A Sociedade e a Economia no Novo Milênio” Ed.Manole 2004.
Ctba, 19/Nov/10
Maria M.Prybicz

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

“ECONOMIA AERONÁUTICA”

AVIAÇÃO

EMBRAER FAZ ACORDO DE FINANCIAMENTO COM CHINESA AVIC

- Melhor tacada do ano!
- Segundo a fabricante brasileira, a Avic Leasing lidera o mercado chinês de financiamento, com ativos de leasing de mais de 1,2 bilhões de dólares e frota de 62 aeronaves.
A Embraer anunciou nesta quarta-feira que assinou um acordo de financiamento com a chinesa Avic International Leasing para financiamento e leasing de aeronaves. O acordo pode atingir 1,5 bilhões de dólares nos próximos cinco anos, segundo a companhia.
"O acordo visa criar oportunidades de financiamento para a venda de aeronaves da Embraer na China e no mercado internacional, tendo foco no desenvolvimento dos mercados regional e de aviação executiva na China", afirma a Embraer em comunicado.
Segundo a fabricante brasileira, a Avic Leasing lidera o mercado chinês de financiamento, com ativos de leasing de mais de 1,2 bilhões de dólares e frota de 62 aeronaves.
Na terça-feira, a Embraer divulgou que espera que a demanda chinesa por jatos regionais alcance 950 unidades nos próximos 20 anos, com demanda maior por modelos com capacidade para 91 a 120 passageiros.
A companhia brasileira entregou 77 do total de 105 pedidos firmes para a China, tornando-se uma grande fornecedora de aviões de até 120 lugares no país.
Fonte: GP on line
Ctba, 17/Nov/10
Maria M.Prybicz


“ECONOMIA PETROLÍFERA”

PETROBRAS - 2º MAIOR PATRIMÔNIO DA AMÉRICA LATINA E EUA! 

- Consultoria divulgou lista de empresas de capital aberto. Patrimônio da companhia era de US$ 175,517 bilhões em setembro. - A Petrobras é a segunda maior empresa de capital aberto em patrimônio líquido da América Latina e Estados Unidos, segundo um levantamento divulgado nesta quarta-feira (17) pela consultoria Economatica.
  A companhia atingiu o segundo lugar da lista em setembro deste ano, com patrimônio líquido de US$ 175,517 bilhões. Em junho, a empresa aparecia em décimo, com US$ 98,237. O crescimento registrado no trimestre ocorreu basicamente pela emissão das ações do pré-sal, de acordo com a consultoria.
  No topo da lista das 30 maiores por patrimônio líquido está o Bank of America, com US$ 230,495 bilhões. Outras três empresas brasileiras também aparecem no ranking: Vale (15ª, com US$ 67,422 bilhões), Eletrobrás (24ª, com US$ 46,609 bilhões) e o Banco Santander Brasil (30ª, US$ 38,897).
 O patrimônio líquido representa os valores que os sócios ou acionistas têm na empresa em um determinado momento. Para o cálculo, a Economatica utilizou os números apresentados à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) ou equivalente em cada país.
Fonte: GP on line
Ctba, 17/Nov/10
Maria M.Prybicz

terça-feira, 16 de novembro de 2010

"A NOSSA ECONOMIA"

“ECONOMIA PETROLÍFERA”
- A Petrobras quer se tornar a maior produtora mundial de petróleo de capital aberto até 2015, segundo afirma o diretor financeiro da companhia em uma entrevista publicada pelo diário britânico The Guardian nesta terça-feira (16).

- Segundo Almir Guilherme Barbassa, a companhia pretende mais do que dobrar sua produção na próxima década, para 5,4 milhões de barris de petróleo e gás por dia.

Na reportagem de página inteira, intitulada “Petroleiros do Brasil destinados a dominar”, o jornal observa que a série de descobertas de reservas de petróleo na camada pré-sal “transformaram a sorte da companhia e catapultaram o Brasil em um dos líderes em energia e um dos motores econômicos mundiais”.
Segundo afirma Barbassa ao jornal, a Petrobras será uma das maiores beneficiárias da legislação brasileira que dá à empresa uma parcela mínima de 30% sobre cada nova reserva descoberta, além do controle sobre os novos projetos.
O Guardian observa que isso significa que as grandes petroleiras privadas mundiais, como BP, Shell e ExxonMobil, “terão que ficar em segundo plano atrás da Petrobras pelo acesso às vastas reservas brasileiras”.
Ascensão meteórica
- A reportagem comenta que grandes descobertas de petróleo em águas profundas nos últimos anos estão por trás da “ascensão meteórica” da Petrobras, elevando as reservas comprovadas pela companhia de 11,5 bilhões de barris em 2006 para 30 bilhões de barris.
- Com a continuidade da exploração da camada pré-sal, o jornal observa, essas reservas podem atingir entre 50 bilhões e 100 bilhões de barris, no mesmo nível que as reservas da Rússia e do Kuwait.
O jornal relata que, em setembro, a Petrobras levantou US$ 70 bilhões na maior oferta pública de ações do mundo, deixando o governo brasileiro com uma participação de 55% na companhia.
- A reportagem observa que há obstáculos para que a empresa atinja seus objetivos, como as dificuldades técnicas para a exploração das reservas na camada pré-sal.
A empresa pretende investir US$ 224 bilhões nos próximos cinco anos para desenvolver as novas descobertas. O jornal relata que, segundo a Agência Internacional de Energia, somente neste ano os gastos da Petrobras devem ficar em US$ 44,8 bilhões, o maior valor entre todas as empresas de capital aberto do mundo.
Fonte: BBC Brasil

Ctba, 16/Nov/10
Maria M.Prybicz

sábado, 13 de novembro de 2010

"ECONOMIA PETROLÍFERA E SUCROALCOOLEIRAS"

PETROBRAS E SUCROALCOOLEIRAS UNIDAS PARA TRANSPORTE DE ETANOL

- Petrobras, Camargo Correa Óleo e Gás S.A., Copersucar, Cosan, Odebrecht Transport Participações S.A. e Uniduto Logística formaram uma associação para estabelecer um sistema integrado de distribuição de etanol, que pode incluir um alcoolduto conjunto. 
Segundo um Termo de Compromisso divulgado pela Petrobras, todas as empresas serão associadas para o desenvolvimento, construção e operação de um sistema logístico multimodal para transporte e armazenagem de etanol.
O acordo é resultado de estudos preliminares conjuntos da PMCC Soluções Logísticas de Etanol S.A, da qual são acionistas a Petrobras e Camargo Correa, a Uniduto, cujos acionistas são empresas sucroalcooleiras, e a Odebrecht.
A associação visa a "implementação de um único projeto de transporte e armazenagem de etanol", segundo comunicado da Petrobras, que, no entanto, não utiliza a palavra alcoolduto.
Entretanto, a Petrobras, por meio da PMCC, a Uniduto e a Odebrecht, por meio de sua controlada ETH, têm projetos distintos de um alcoolduto, que ligaria as novas fronteiras agrícolas da cana, no Centro-Oeste do Brasil, aos portos exportadores.
As empresas vinham negociando uma associação para o projeto há algum tempo. O sistema deverá reduzir os custos para as exportações do biocombustível, estimulando as vendas externas. Com a associação, os projetos poderiam ser unificados em um só. Um comunicado da noite de sexta-feira da Petrobras não dá detalhes, embora fale em associação para a distribuição de etanol. O projeto do alcoolduto das empresas envolve vários bilhões de reais.
O da Uniduto, por exemplo, demandaria 2,9 bilhões de reais, contando com financiamentos do BNDES.
O capital social da companhia será inicialmente de 100 milhões de reais, composto exclusivamente por ações ordinárias, nominativas e sem valor nominal, as quais se dividirão da seguinte forma: Copersucar (20 por cento de participação); Cosan (20 por cento); OTP (20 por cento); Petrobras (20 por cento); Camargo Corrêa (10 por cento); e Uniduto (10 por cento).
"As partes estudarão o modelo societário e fiscal mais adequado e definirão em 60 dias a forma mais eficiente de associação, garantindo a continuidade dos projetos que estão sendo conduzidos pela PMCC", afirmou a Petrobras. "A associação será efetuada através de uma nova sociedade ou através da PMCC com a incorporação dos novos sócios."
(Por Roberto Samora)
Fonte: Notícias Yahoo
Ctba, 13/nov/10
Maria M. Prybicz


sexta-feira, 12 de novembro de 2010

"ECONOMIA NACIONAL" - ASSUNTO PREDILETO.

Uma frase com 2064 anos...
:


Fonte:Diversas
Ctba, 12/nov/10
Maria M. Prybicz

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

"ECONOMIA E DEMOGRAFIA BRASILEIRA"

UMA TRANSFORMAÇÃO SILENCIOSA NA ECONOMIA

- 2034 será o ano determinantemente chave para Economia!

- O tema da reportagem de capa é a demografia – e as inúmeras oportunidades de negócios que surgem com a mudança do perfil da população brasileira, que passa por um inédito processo de amadurecimento em massa.
O título, “20 anos para ficar rico”, resume o momento do país. Graças ao aumento da idade média da população, hoje dois terços dos brasileiros estão na idade considerada mais produtiva (entre 15 e 64 anos). É uma situação extremamente favorável à economia, e pode ajudar o Brasil a resolver muitos problemas.
A má notícia é que essa janela de oportunidades tem data para acabar: 2034. Daí em diante, entraremos numa fase em que irá diminuir a proporção da população ativa, e será cada vez maior a de brasileiros idosos. Portanto, é preciso correr.
Os especialistas chamam a transição de “bônus demográfico” – um fenômeno que já ajudou no desenvolvimento de diversos países e deve causar uma transformação silenciosa no Brasil nos próximos anos.
De acordo com estudo realizado por Bernardo Queiroz e Cássio Turra, ambos PhDs em demografia econômica e professores da Universidade Federal de Minas Gerais, o Brasil pode crescer até 2,5% ao ano exclusivamente pelo bônus.
- Mas fica o alerta: o crescimento está atrelado a investimentos em educação e formação de mão-de-obra qualificada. Se isso for feito, o bônus será a base para o país crescer fortetemente sólido e com muito mais vigor.  
Fonte: Portal da Revista Exame
Ctba, 11/Nov/10
Maria M. Prybicz

“ECONOMIA FINANCEIRA”

“DIREITOS HUMANOS NAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS”
 - Nas instituições financeiras – àquelas com presença global, tem que levar em conta aspectos sociais gerais e regionais que antes passava longe de seus interesses de negócios. As grandes organizações já perceberam que os resultados econômicos dependem não somente de seus clientes, mas também de suas relações com seus públicos internos e prestadores de serviços, fornecedores e as realidades sociais dos países e regiões onde diretamente operam ou que sejam por suas atividades afetadas – desde cidades com grande contingente e/ou comunidades rurais ou indígenas.
   Os entrelaçamentos dos negócios com a sociedade é bastante complexo, passando pelo respeito à diversidade cultural e pelo comprometimento com as necessidades de todos os povos, compreendendo neste último fator o relacionamento das instituições financeiras com setores inteiros de atividades. As políticas de responsabilidade social vêm crescendo exponencialmente em importância e considerações nas organizações sintonizadas com estes novos paradigmas relacionais, exigindo cada vez mais a dedicação inexorável e ganhando um espaço nas estratégias das empresas e/ou instituições, o que, certamente, em décadas passadas, era inimaginável.
- Políticas humanitárias já elaboradas e implantadas por corporações, refletiram rapidamente em mudanças capazes de alterar realidades sociais complexas, portanto uma mentalidade voltada à promoção social dos direitos humanos instala-se ao longo de todos esses anos entre instituições financeiras, com tendência irreversível à qual todas sem exceção deverão se submeter e adequar.
  As grandes instituições financeiras internacionais dão exemplos claros e evidentes, para servir de inspiração e modelo para as outras. As adesões a princípios fundamentais, como Declaração Universal de Direitos Humanos da ONU, e as convenções e tratados da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Expressamente as instituições salientam que todos estes princípios estarão presentes em suas relações com empregados, fornecedores, clientes, agregados e nações onde operam.
Fonte: Mattarozzi, Victorio; Trunkl, Cássio – “Sustentabilidade no Setor Financeiro”
Ctba, 11/Nov/10
Maria M. Prybicz

We All Want to Be Young (leg)

"ECONOMIA" - ASSUNTO PREDILETO.

“EU, EMPRESÁRIA DE MIM MESMA”
- Então, no estágio em que me encontro, e não apenas pela idade, a administração de mim mesma requer qualificação de onde posso, devo, quero ou não quero participar, trabalhar e/ou frequentar.

Não tenho preconceito de espécie, qualidade, ambiente e regra nenhuma, somente devo, posso e quero agendar melhor as minhas aparições e frequencias.

Gosto de ambientes descontraídos, modernos, bem freqüentado (não sou elitista não) – o ambiente simples tem minha preferência - mas, é um direito verificar onde entrar e frequentar pela simples razão de estar direcionando os conteúdos transmitidos e absorvidos, no intuito de não desperdiçar preciosidades.

A Economia, colaboração, inovação, modernidade, evolução e avanços (científico, ficção ou não), fazem parte do meu vocabulário constante, nos quais me proponho!

Ctba, 11/Nov/10
Maria M. Prybicz

terça-feira, 9 de novembro de 2010

“ECONOMIA E MERCADOS”

 BOVESPA, O DÓLAR E AS BOLSAS MUNDIAIS NESTE DIA 8 DE NOVEMBRO
SÃO PAULO e RIO - O dólar comercial fechou a segunda-feira em valorização de 1,13%, a R$ 1,699. A divisa norte-americana ganha das principais moedas mundiais no dia. Já a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), que registrava desvalorização nos primeiros negócios do dia, passou a subir puxada por ações de Vale e Petrobras. Há pouco, o índice Ibovespa avançava 0,07%, aos 72.658 pontos. O giro financeiro é de R$ 4,6 bilhões.
- Para o economista Alfredo Barbutti, da BGC Liquidez, a alta do dólar está relacionada às incertezas de como as medidas anunciadas pelos EUA para aquecer a economia serão recebidas na reunião do G-20, em Seul, que discutirá temas relacionado à economia global.
- Em geral, os países europeus e os emergentes estão contra o que os EUA estão querendo fazer. Nesta segunda, as moedas como um todo estão revertendo o movimento da semana passada, quando subiram ante o dólar. O tipo de reação do G-20 ante o afrouxamento monetário dos EUA gera esta instabilidade - disse Barbutti.
De acordo com profissionais de mercado no exterior, a confirmação do pacote de ajuda do Federal Reserve à economia dos Estados Unidos, na semana passada, abriu espaço para um ajuste, com os investidores voltando às atenções aos problemas fiscais em países da zona do euro, como Irlanda e Portugal.
"O fim de incertezas nos Estados Unidos permite que os acontecimentos na Europa tenham uma importância maior do que tiveram nas últimas semanas", escreveu Marc Chandler, estrategista da Brown Brothers Harriman, em relatório.
No Brasil, o mercado aguarda para depois da reunião do G20, no próximo fim da semana, possíveis medidas contra valorização do real. No encontro, que ocorrerá quinta e sexta-feira, as autoridades das principais economias do mundo tentarão resolver os desequilíbrios econômicos e cambiais no mundo.
Fonte: O Globo – Economia
Ctba, 09/nov/10
Maria M.Prybicz


"ECONOMIA NO IBOVESPA" - AÇÕES...

IBOVESPA: O MOMENTO MAIS ESPERADO DESDE A CRISE ESTÁ CHEGANDO
 - Para os investidores que acompanharam de perto a crise financeira mundial, um momento tão esperado está chegando. O índice Ibovespa tentará finalmente superar o topo histórico alcançado antes da crise ainda esta semana.
   Assim esperam os analistas que acreditam que o Ibovespa superará os 73.920 pontos deixados em 29 de maio de 2008, confirmando, pelo menos no aspecto prático e no universo da bolsa, que a crise ficou mesmo para trás.
   A pontuação máxima da bolsa atingida no final de maio de 2008 é uma baliza importante para os investidores. Superada essa marca, utilizando o jargão do mercado, o céu é o limite para a cotação das ações que compõem o índice.
   Alguns analistas ainda afirmam que o Ibovespa possui mais força agora do que antes da crise.
   Sua análise está baseada na forte depreciação das cotações da Petrobras, de grande peso na composição do Ibovespa, e que vem segurando como uma âncora o rompimento da máxima histórica do índice.
Fonte: ADVFN Newsletter
Ctba, 09/nov/10
MªM.Prybicz

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Norah Jones - She (Legendado)

"ECONOMIA PETROLÍFERA" AGORA COM DILMA...

PETROBRAS: AÇÕES SE PREPARAM PARA UMA NOVA SUBIDA

- Petrobras em novembro com Dilma Rousseff – A Presidenta!

- Não é nenhuma novidade aos investidores, até mesmo para os mais recentes na bolsa, que as ações da Petrobras sofreram bastante com o seu processo de capitalização.
  Em meio às dúvidas dos investidores, ampliada pela falta de análises de especialistas, a maioria envolvida no processo de capitalização e como conseqüência proibida de discursar sobre o assunto, as ações da empresa vem sofrendo desde julho deste ano, ficando para trás após as ações da Vale recuperar parte de suas perdas do início do ano. Os papéis da petrolífera sentiram a pressão de serem retiradas das carteiras de recomendação da maioria dos analistas do mercado nacional. 
- Entretanto a situação atual aparenta mostrar uma virada. Com a expressiva queda da cotação, os analistas começam a acreditar em uma barganha. Para eles passado esse período de definições e excesso de pessimismo, os investidores se concentrarão novamente nos fundamentos da companhia e no futuro promissor das extrações de petróleo da camada pré-sal.
Fonte: ADVFN Newsletter
Ctba, 08/out/10
Mª M. Prybicz

“ECONOMIA DAS COMMODITIES”

COMMODITIES? PRODUTOS EXTRATIVOS? TEREMOS MAIS?
- Quando falamos que temos de exportar mais produtos manufaturados – queremos dizer que é de bom senso incentivar a criação de empregos através da transformação dos produtos extrativistas, não trocando três carretas de soja por uma de um produto qualquer produzido na China e/outros... , ou seja, os valores pagos são elevados pelos produtos importados e com isso o emprego é criado em outros países dos quais fazemos as importações de manufaturamos com a devida agregação de valor no original.
(Mª M. Prybicz).
- A alta das commodities agrícolas e metálicas reflete a forte demanda mundial, especialmente da China, e também movimentos especulativos. Na semana passada, o Fed, o banco central americano, anunciou que vai despejar US$ 600 bilhões no mercado para reanimar a economia dos Estados Unidos.
A decisão empurrou o dólar para níveis ainda mais baixos. A fraqueza do dólar perante outras moedas deve acelerar a procura por commodities como alternativa de investimento e impulsionar mais os preços das matérias-primas produzidas pelo Brasil nos próximos meses, prevêem analistas.
De janeiro a setembro deste ano, as exportações de um grupo de 27 matérias-primas agrícolas e não agrícolas renderam ao País US$ 84,8 bilhões. São US$ 24 bilhões (R$ 40,3 bilhões) a mais em relação ao mesmo período de 2009. A receita adicional em dólares é quase o dobro do saldo total da balança comercial acumulado até setembro (US$ 12,7 bilhões) e bem maior que o superávit de US$ 14,6 bilhões registrado no ano até outubro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Fonte: GP On Line
Ctba, 08/out/10
Maria M. Prybicz

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

“NEGÓCIOS ECONÔMICOS” - AÇÕES DA EMBRAER...

REPUBLIC AIRWAY - EUA, COMPRA JATOS EMBRAER - PEDIDO PODE ATINGIR 48 AVIÕES
Os termos financeiros do contrato não foram divulgados:
A Embraer anunciou nesta quinta-feira contrato firme para venda de seis aviões à companhia aérea norte-americana Republic Airways. O acordo inclui ainda outras 18 aeronaves que deverão ser confirmadas até 15 de abril do ano que vem e mais 24 opções de compra.
Os termos financeiros do contrato não foram divulgados.
Em 21 de julho, durante a feira de aviação de Farnborough, na Inglaterra, a Embraer anunciou a assinatura de carta de intenções para venda de 24 aviões à Republic, em um negócio de 960 milhões de dólares a preços de tabela.
Segundo comunicado da fabricante brasileira de jatos nesta quinta-feira, os aviões modelo Embraer 190 --com 99 assentos-- e Embraer 195 --configurados para 116 passageiros-- serão operados pela Frontier Airlines, transportadora de baixo custo de Republic adquirida pelo grupo em 2009.
Fonte: GP On Line
Ctba, 05/out/10
Maria M. Prybicz


ECONOMIA - ÉPOCA DAS “VACAS GORDAS”

- O MOMENTO BRASILEIRO? YES...

IBOVESPA CRAVA MÁXIMA DESDE 2008 E BEIRA RECORDE

O giro financeiro do pregão foi de 7,87 bilhões de reais
A decisão do Federal Reserve de injetar mais dinheiro na economia conduziu a bolsa brasileira nesta quinta-feira para o maior nível desde maio de 2008, a poucos pontos do recorde histórico.
O Ibovespa, principal índice das ações brasileiras, teve alta de 1,52 por cento, a 72.995 pontos. É o maior patamar de fechamento desde 28 de maio de 2008, antes do agravamento da crise financeira global, e está próximo do recorde de fechamento de 73.516 pontos atingido no mesmo mês.
O giro financeiro do pregão foi de 7,87 bilhões de reais.
Na quarta-feira, o Federal Reserve anunciou a compra de 600 bilhões de dólares em títulos para aumentar a disponibilidade de crédito. A medida de estímulo à economia, aguardada há semanas, empurrou commodities, moedas emergentes e ações a níveis anteriores à quebra do Lehman Brothers, em 2008.
O índice Standard & Poor's 500, da bolsa de Nova York, subiu 1,93 por cento. O Dow Jones voltou ao nível anterior à quebra do Lehman Brotehrs. O índice Reuters-Jefferies de commodities saltou 2,4 por cento.
"O mercado local tem operado mais relacionado às commodities, que têm se valorizado à medida que o dólar desvaloriza", disse Leonardo Bardese, operador da BGC Liquidez, que ponderou também a importância dos dados sobre o mercado de trabalho dos Estados Unidos, previstos para sexta-feira.
O relatório será divulgado às 10h30 (horário de Brasília). É justamente a apática geração de emprego que induziu o Fed a lançar um novo pacote de estímulo.
Na opinião da SLW Corretora, o viés para o Ibovespa é de alta, mesmo com "momentos de volatilidade" provocados por alguns eventos ao longo do mês. "Nossa expectativa é que o Ibovespa siga em recuperação... testando os 80 mil pontos" até o final do ano, escreveu a equipe chefiada por Pedro Galdi.
Entre as ações do Ibovespa, os destaques positivos ficaram entre as empresas relacionadas a matérias-primas. As três que mais contribuíram para a subida do índice foram a mineradora Vale, com alta de 2,3 por cento da ação PN, a 49,35 reais, Petrobras PN, com ganho de 1,85 por cento, a 27,50 reais, e a siderúrgica Usiminas, com alta de 4,05 por cento das ações preferenciais, a 22,33 reais.
A operadora de cartões Cielo subiu 0,28, a 14,48 reais, após divulgar lucro de 488,1 milhões de reais no terceiro trimestre. A corretora Ativa considerou o resultado "neutro". "Apesar dos resultados positivo da Cielo, há questionamentos quanto à sustentabilidade da estratégia de manutenção de altas margens pela credenciadora, ao invés da disputa de preços com a sua concorrente, Redecard."
"Revisaremos em breve nossas estimativas para a empresa e, por ora, mantemos a recomendação neutra para CIEL3 (preço-alvo de 20,26 reais por ação, 'upside' de 40 por cento)."
Na ponta negativa, as ações da ALL caíram 3,89 por cento, a 15,81 reais, e os papéis da Marfrig tiveram baixa de 2,3 por cento, a 14,85 reais.
Fonte: GP On Line
Ctba, 05/out/10
Maria M. Prybicz

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Isto é Nordeste




- A parte bonita do Nordeste é claro!

Presidenta!

Quem sou eu

Minha foto
Economista/Professora/Escritora de Blog e outros; Disciplina: Gestão de Negócios; - Autonomia em Consultorias em Geral.