prybiczmaria@gmail.comFollow by Email tyle>.ig-b- { display: inline-block; } .ig-b- img { visibilit

domingo, 31 de maio de 2009

"ECONOMIA INTERNACIONAL"

PIOR DA RECESSÃO VIRÁ EM SETEMBRO OU OUTUBRO, DIZ FMI

- O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que a economia mundial voltará ao crescimento no primeiro trimestre de 2010, mas adverte que as conseqüências sociais ainda serão sentidas por mais tempo.
- O diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, disse nesta sexta-feira, em um simpósio em Marrakech, no sul do Marrocos, que o ponto mais baixo da recessão será em setembro ou outubro, para, a partir daí, começar a recuperação até voltar ao crescimento positivo em 2010.
No entanto, lembrou a "defasagem" entre o retorno do crescimento e o pico máximo do desemprego, por isso previu que "esperam muitos meses pela frente até chegar à situação anterior à crise".
"O retorno ao crescimento é uma coisa e o final completo da crise é outra", sentenciou, dentro de um simpósio sobre as lições deixadas pela crise convocada por ocasião do 50º aniversário do Bank al-Maghrib - banco central marroquino.
- Strauss-Kahn defendeu o papel do FMI e dos bancos centrais diante da crise mundial dos mercados e, entre os desafios pendentes, destacou "as políticas de limpeza dos ativos bancários, que ainda são difíceis".
- Em sua conferência, o diretor-gerente do FMI também se deteve sobre alguns dos principais erros cometidos pelos organismos reguladores multilaterais.
"Talvez tenhamos subestimado a interdependência entre as economias, não medimos bem a dimensão real da globalização. Talvez tenhamos nos concentrado muito nos riscos dos emergentes e não nos riscos e fraquezas das economias desenvolvidas", reconheceu, diante de um grande grupo de representantes de países árabes, africanos e europeus.
- Para evitar que volte a ocorrer um fenômeno semelhante, Strauss-Kahn propôs que os responsáveis pelas políticas econômicas dos principais países e organismos mundiais se reúnam "regularmente a cada três meses", de modo que possa haver "ações coletivas".
- Segundo ele, foi essa cooperação internacional que permitiu evitar o desabamento do sistema financeiro, exemplificada no trabalho comum dos bancos centrais.
- Além disso, o diretor-gerente do FMI se referiu à inflação anualizada na zona do euro, que segundo foi divulgado hoje, chegou a zero, mas diminuiu a importância do fato, já que, "com o retorno do crescimento, voltará a inflação"
- Sobre este mesmo assunto, o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Jean-Claude Trichet, que também participou da conferência, disse que sua instituição trabalha com expectativas de inflação a longo prazo "que continuarão consistentes com a estabilidade dos preços".
O BCE define como estabilidade de preços uma taxa de inflação próxima e inferior a 2% a médio prazo.
"As expectativas de inflação foram excepcionalmente resistentes a altas repentinas a curto prazo, e nos asseguramos de que isso seja assim também com uma inflação em queda rápida", disse Trichet, que insistiu em que suas palavras não implicam em que o BCE vá alterar a taxa de juros, apesar do dado divulgado nesta sexta-feira. Sobre o objetivo do simpósio, retirar lições sobre a atual crise, Trichet deu duas "receitas".
"Sobre o apoio direto dos Governos ao setor financeiro, a prioridade hoje dia é a rapidez da execução", disse.
- Por outro lado, "em relação à governança global, insisto na absoluta necessidade de reforçar a supervisão de políticas macroeconômicas de países e economias importantes".
- Os discursos de Strauss-Kahn e Trichet foram acompanhadas pelos dos presidentes dos bancos centrais de países como França, Bélgica, Jordânia e Emirados Árabes Unidos, todos eles sob a égide do Bank al-Maghrib, que este ano completa 50 anos de fundação pelo rei Muhammad VI.
- Efeitos da Crise Financeira Globalizada!
Fonte:- EFE - Invertia/Terra.
Ctba, 31/mai/09

sexta-feira, 29 de maio de 2009

"INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS"

INVESTIMENTOS EM EMPRESAS DE CAPITAL ABERTO – S/As.

- Os investimentos estrangeiros entram no país novamente pela especulação financeira! O dólar cai na cotação, devido a grande quantia que está entrando no país!
- Tivemos a maior marca do ano no IBOV, contrariando as análises, o índice da bolsa paulista subiu 2,41%, aos 53.040 pontos, a máxima do dia e o nível mais alto do ano. O giro financeiro foi de R$ 4,868 bilhões. O índice acumula alta de 12,16% no mês e 41,25% no ano.
- Entre os ativos de maior peso na carteira, Petrobras PN subiu 2,69%, para R$ 34,65; Vale PNA avançou 1,66%, a R$ 32,90; Itaú Unibanco PN ganhou 0,97%, para R$ 32,00; BM & FBovespa ON aumentou 5,33%, cotada a R$ 11,05; e Bradesco PN se valorizou 2,66%, a R$ 30,39.Bolsas de NY
- Em Wall Street, os agentes assimilaram uma série de indicadores econômicos e mais um leilão de títulos do Tesouro, que dessa vez não trouxe surpresa negativa, mostrando demanda robusta pela dívida americana. Ao final do pregão, o Dow Jones apontava alta de 1,25%, para 8.403 pontos. O S & P 500 subiu 1,54%, para 906 pontos, e o Nasdaq avançou 1,20%, a 1.751 pontos.
- O tom positivo do dia ficou por conta das encomendas de bens duráveis, que subiram 1,9% em abril, bem acima do esperado, e a maior alta desde dezembro de 2007. O contraponto é que o resultado de março foi revisto de baixa de 0,8% para queda de 2,1%.
- Os investidores também receberam sinalização positiva pelo lado do emprego. O número de americanos que foi em busca de seguro-desemprego caiu em 13 mil na semana passada, para 623 mil.
Bolsas da Europa
- Por outro lado, as bolsas de valores da Europa terminaram em queda nesta quinta-feira, em sessão marcada por volatilidade, conduzidas por ações do setor financeiro, como as do ING e do Deutsche Bank. O índice FTSEurofirst 300, referência das principais bolsas europeias, recuou 1,2%, para 860 pontos.
Dólar
- O dólar manteve a trajetória de queda, mas ainda permanece acima dos R$ 2. Nesta quinta-feira (28), a moeda norte-americana fechou em baixa de 0,35%, cotada a R$ 2,009 para venda, o menor valor desde outubro do ano passado.
Valor Online, Reuters e Agência Estado)
Ctba, 29/mai/09
Maria M. Prybicz

quinta-feira, 28 de maio de 2009

"RECESSÃO MUNDIAL"

CAI O NÚMERO DE MILIONÁRIOS BRITÂNICOS
- O clube de milionários britânicos encolheu pela metade, devido à queda dos preços dos imóveis, das ações e dos bônus, disse o Centro de Pesquisa Econômica e Empresarial (CEBR, iniciais em inglês).
Existem atualmente 242 mil pessoas vivendo no Reino Unido com ativos de pelo menos 1 milhão de libras esterlinas (US$ 1,6 milhão), em comparação com as 489 mil estimadas no relatório anterior do CEBR, em 2007, informou ontem o centro de pesquisa em Londres.
A crise financeira custou às famílias britânicas 1,9 trilhão de libras esterlinas de seu patrimônio desde julho de 2007, segundo um relatório divulgado em março pela PricewaterhouseCoopers . Com o prolongamento da crise do mercado de imóveis e a previsão oficial de que a recessão econômica será a pior desde a II Guerra Mundial, o número de milionários britânicos deverá continuar a cair este ano.
Essa queda "reflete o colapso do mercado imobiliário, a queda dos valores das ações e o declínio, de 70%, dos bônus da City", o setor financeiro de Londres, disse o principal executivo do CEBR, Douglas McWilliams.
"Com os preços dos imóveis se aproximando do ponto mais baixo (a partir do qual começa a recuperação), nossa previsão é que o número de milionários comece a crescer novamente em 2011", afirmou McWilliams.
Outros analistas são mais pessimistas. A Savills disse em 1 de maio que o mercado imobiliário poderá não se recuperar antes de 2012, um ano depois do projetado anteriormente, com o aumento do desemprego e a contenção do consumo resultante da atual crise.
- Na minha visão a recuperação da Economia Mundial e Inglesa poderá retornar ao seu patamar inicial somente em 2020!
A10(Gazeta Mercantil/1ª Página - Pág. 1)(Svenja O’Donnell Bloomberg News)
Ctba, 28/mai/09
Maria M.Prybicz

"RECESSÃO NO PAÍS"

COMITÊ AFIRMA QUE PAÍS ENTROU EM RECESSÃO EM 2008

- O Comitê de Datação de Ciclos Econômicos (Codace), criado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), afirmou que o Brasil interrompeu um ciclo de expansão que durou 21 trimestres ao entrar em recessão no quarto trimestre de 2008. Este foi o mais longo ciclo de expansão desde a década de 80. A economista e relatora do estudo, Marcelle Chauvet, explica que a conclusão de recessão pelo Comitê não utiliza o padrão do mercado, onde após duas retrações consecutivas do PIB, configura-se uma recessão no país. O Comitê utiliza como parâmetro uma série de fatores, incluindo níveis de produção e dados do mercado de trabalho.
- A recessão no país já era sentida no início de 2007, e em 2008 teve seu ápice, com o anúncio da Crise Financeira Internacional!
SINDICATO QUER LEVAR USIMINAS À JUSTIÇA

- Após ter um resultado aquém das expectativas com o seu Programa de Demissões Voluntárias (PDV), a Usiminas começou a realizar uma nova carga de demissões que cortará diretamente 810 postos de trabalho. Além de gerar uma greve por parte dos trabalhadores com tempo indeterminado para acabar, o Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgicos de Ipatinga (Sindipa) apresentará um recurso no Tribunal Regional do Trabalho de Belo Horizonte na próxima segunda-feira (01/06) exigindo a recontratação dos funcionários demitidos.
- Resultado da Crise Financeira Global!

Fonte: ADVFN Newsletter
Ctba, 28/05/09
Maria M.Prybicz

quarta-feira, 27 de maio de 2009

"IMPOSTOS"

"Em matéria de impostos, é função de um bom pastor tosar suas ovelhas, mas não tirar o seu couro."

Tibério

Ctba, 27/mai/09
Maria M. Prybicz

"ECONOMIA NOS EUA" E NO BRASIL.

FIM DA RECESSÃO AMERICANA JÁ NO TERCEIRO TRIMESTRE

- É o que confirma a pesquisa realizada na Associação Nacional de Economistas de Empresas dos Estados Unidos (NABE). O resultado parece muito otimista, levando em conta que dos 45 profissionais entrevistados, 74% mantiveram a opinião de que a recessão que assola a economia dos Estados Unidos terminará já no terceiro trimestre deste ano. Do restante, 19% aposta no término no quarto trimestre de 2009 e 7% aposta no primeiro trimestre de 2010.

USIMINAS REALIZA DEMISSÕES E PODE SOFRER PARALISAÇÃO

- Após ter um resultado aquém das expectativas com o seu Programa de Demissões Voluntárias (PDV), a Usiminas irá realizar uma nova carga de demissões, onde desta vez, irá cortar diretamente 810 postos de trabalho. Trabalhando atualmente com apenas metade de sua capacidade instalada devido à recessão mundial, a companhia pretende reduzir em até 10% as despesas com pessoal. Contra a decisão tomada pela Usiminas, o Sindicato dos Metalúrgicos da Baixada Santista irá realizar hoje uma paralisação em protesto às demissões. Os funcionários irão estacionar um ônibus na porta da Usiminas em Cubatão (SP) e paralisar a produção até que a empresa venha negociar.
- Pode demorar, mas vai acabar bem a Economia Norte Americana e a do Brasil!
Fonte: ADVFN Newsletter
Ctba, 27/mai/09
Maria M. Prybicz

terça-feira, 26 de maio de 2009

"ECONOMIA CUBANA"

CUBA ADOTA LEMA "ECONOMIA OU MORTE" PARA SUPERAR A CRISE

- Cuba adotou o lema "economia ou morte" para sobreviver à crise financeira global, informou nesta sexta-feira a imprensa oficial, no mais recente sinal de alarme no país com problemas de liquidez e grande dependência das importações.
As autoridades cubanas disseram na semana passada que poderiam recorrer a apagões programados para economizar energia, ressuscitando um dos fantasmas da grave crise econômica sobrevinda após o colapso da União Soviética em 1991.
- "A gravidade do problema é de tal natureza que se politicamente dizemos 'Pátria ou morte', sem exagero podemos dizer no âmbito econômico 'economia ou morte'", disse o jornal Granma, do Partido Comunista, em um editorial escrito por seu diretor, Lázaro Barredo.
O novo lema foi atribuído pelo Granma ao presidente do Banco Central, Francisco Soberón.
- "As complicações financeiras nos obrigam a realizar reajustes econômicos sob circunstâncias extraordinárias", disse o jornal.
O Granma também criticou o desperdício e a baixa produtividade das empresas estatais.
- "O país não necessita de burocratas nem de tecnocratas, necessita de administradores que sejam zelosos guardiões do Estado socialista", afirmou.
Empresários estrangeiros vêm se queixando há algum tempo sobre o descumprimento de pagamentos e problemas para repatriar os lucros. Alguns diplomatas estrangeiros temem que Cuba esteja à beira da insolvência.
Os bancos cubanos têm advertido aos seus clientes de que não dispõem de dinheiro vivo.
A crise de liquidez representa um sério desafio para Cuba, que depende fortemente das importações.
Cuba também foi castigada no ano passado por três furacões que causaram danos de 10 bilhões de dólares. Além disso, viu despencar os preços do níquel, que era sua principal fonte de ingresso de divisas.
O presidente Raúl Castro advertiu há um ano que os cubanos deveriam estar preparados para receber más notícias.
"É preciso que se apertem os cintos e não é possível enfrentar esta batalha com passividade", disse o Granma na sexta-feira.

Fonte: Agência Reuters

Ctba, 24/mai/09
Maria M. prybicz

"ECONOMIA BRASILEIRA EM FOCO"

ECONOMIA BRASILEIRA

- AS MAIORES EMPRESAS DO mundo sempre olharam para o Brasil com uma certa desconfiança. Turbulência política, instabilidade econômica, renda desigual, tudo isso contribuía para que elas mantivessem durante décadas um volume baixo de investimentos no País. Aquelas que arriscavam colocar seu dinheiro em território brasileiro não esperavam muito da operação regional. O Brasil tinha uma posição secundária e servia apenas como uma espécie de complemento para o portfólio global da empresa. Remessa de lucros e dividendos, que afinal é a razão de qualquer investimento direto realizado no Exterior, não era algo com o qual se podia contar. Nos últimos 10 anos, esse cenário começou a mudar. O desenvolvimento econômico do País e o advento de uma nova massa de consumidores - que subiu de patamar graças ao aumento médio da renda da nação -, finalmente levaram as multinacionais a ganharem uma boa soma de dinheiro por aqui. Mas o País ainda tinha mais a oferecer. Desde que a crise financeira global derrubou as maiores economias do mundo, o que se deu a partir de setembro do ano passado, as multinacionais nunca lucraram tanto no Brasil. Se na Europa, nos Estados Unidos e até na Ásia o cenário é desolador, de crescimento pífio ou prejuízo, as maiores empresas do mundo descobriram no Brasil um jeito de driblar a crise e retirar da operação brasileira os lucros que não conseguem em nenhum outro lugar.
Fonte: Invertia Brasil
Ctba, 26/mai/09
Maria M. Prybicz

"MERCADO DE AÇÕES"

BEAR E BULL MARKETS (MERCADOS BAIXISTAS E ALTISTAS)
Por pctedesco em 25 de Maio, 2009.
- Bear e Bull Markets, mercado do urso e mercado do touro, termos utilizados há mais de 300 anos, vocabulário corriqueiro aos noticiários econômicos e aos investidores, mas qual a origem destes termos tão famosos?
O touro é o símbolo maior de Wall Street, forte, imponente e destemido…..
Sempre ouvi dizer que os termos vinham do estilo de ataque de cada animal, o touro (bull) sempre chifrando de baixo para cima, elevando os mercados, o urso por sua vez dando suas patadas ferozes de cima para baixo, levando os mercados para baixo.
- A eterna luta entre comprados e vendidos, nos que acreditam que o mercado irá subir versus os que acreditam na derrocada dos mercados.
Mas lendo um artigo no Infomoney me deparei com dados inusitados que seguem a seguir.Bear Market (mercado do urso, mercado baixista): A expressão é utilizada para descrever uma situação em que o mercado recua progressivamente ao longo do tempo e os investidores são motivados a vender suas posições, a fim de evitar prejuízos ainda maiores. Este movimento por vezes desencadeia um ciclo descendente difícil de superar, como foi o caso da Grande Depressão na década de 1930.
- Algumas correntes no mercado acreditam que o termo tenha sido criado baseado em uma analogia aos antigos comerciantes de peles de urso. Como conta a história, tais mercadores, que esperavam por uma trajetória declinante de preços no futuro, vendiam peles de usos mesmo antes de os capturarem. Eventualmente, a expressão se tornou sinônimo de ações vendidas com base em especulações.
- É incerto se essa é a verdadeira origem do termo, mas especula-se que ele já era usado antes de 1720. O ano foi marcado pela South Sea Bubble, uma bolha econômica que se deu por meio de especulações sobre o balanço da South Sea Company, e que desencadeou um considerável movimento de venda de ações. Com esse escândalo, o termo ganhou proeminência.
-
Bull Market (mercado dos touros, mercado altista): Por sua vez, o bull market é utilizado para descrever um mercado em que os preços dos ativos aumentam mais rapidamente do que é típico. Esta situação normalmente envolve um grande volume de investidores otimistas e dispostos a comprar ativos.
- A origem mais comum para o termo, porém, parece ser em resposta ao seu oposto. Especula-se no mercado que o primeiro uso ocorreu em meados do século XVIII. Em 1720, o papa Alexander teria escrito: “Os deuses devem cuidar de nossas ações (…) A Europa receberá o touro com prazer e Javé irá, com alegria, colocar urso pra fora.”
- Maior bull da históriaLevando em conta a bolsa brasileira, o maior “bull” da história ocorreu durante o boom da BM&F Bovespa entre agosto de 1968 até julho de 1971, quando o mercado subiu nada menos que 900%.
- Efeito psicológico: É muito evidente que o bull market é muito mais atraente que o bear market: Ele inspira crescimento, progresso, movimento ascendente (positivo), a completa oposição ao bear market que sugere crise, retração, movimento descendente (negativo).
- Muitos se esquecem que é possível ganhar dinheiro com bear market (mercado baixista), a venda à descoberto é um exemplo clássico, apesar de ser uma operação lucrativa envolve às vezes mais trabalho e custos maiores, pois se não for fechada no próprio dia (daytrade) requer aluguel de ações, em geral é uma operação que necessita ser realizada através da mesa de operações (um pouco mais dispendiosa).
- Toda forma de ganância é prejudicial ao investidor!
Fonte: ADVFN Newsletter

Ctba, 26/mai/09
Prof.ª Maria M. Prybicz

segunda-feira, 25 de maio de 2009

"INVESTIMENTOS, AÇÕES E COTAÇÕES"

AGENDA DO INVESTIDOR PARA ESTA SEGUNDA-FEIRA

- Um dia mais morno é esperado pelos investidores nesta segunda-feira (25/05), pois devido ao feriado nos Estados Unidos, não há indicadores programados na agenda externa. No Brasil, contaremos com a divulgação dos indicadores padrões do início da semana, com o adicional da Sondagem do Consumidor, pesquisa realizada pela FGV com intuito de medir a confiança do consumidor brasileiro.
Últimos resultados corporativos

- A British Airways, companhia aérea, registrou em seu último ano fiscal um prejuízo líquido de 420 milhões de euros, contra os quase 800 milhões de euros em lucros alcançados no ano fiscal anterior. A Acer, uma das maiores fabricantes de notebooks, já está lançando opiniões a respeito do segundo trimestre deste ano e prevê maiores lucros, principalmente após o lançamento do modelo Aspire Timeline, um notebook ultrafino que utiliza processadores Consumer Ultra Low Voltage e funcionam durante oito horas seguidas com uma única carga.

- Veja o que Dr. Apocalipse falou sobre o Brasil

Em um seminário ocorrido nesta última sexta-feira (22/05) em São Paulo, o economista Nouriel Roubini falou a respeito de suas projeções sobre a economia brasileira e o seu desenvolvimento ao longo da crise mundial. Roubini, mais conhecido pelo apelido Dr. Apocalipse, por ter previsto há quatro anos que o setor imobiliário norte-americano iria desencadear a atual crise, falou a respeito do PIB brasileiro e que este poderia crescer entre 7% e 8% nos últimos anos se tivesse um governo mais enxuto, de menor tamanho, com um maior investimento na infraestrutura e uma mão de obra mais qualificada. Roubini destaca que há ainda chances do país se recuperar rapidamente, principalmente caso se fortaleça internamente, sem depender dos Estados Unidos. Caso dependa, a recuperação não será tão rápida.

- Blog ADVFN em destaque
Garoto Magoado
Escrito por Henrique Arake:

"As regras antitruste têm que ser iguais para todos. Ou o Brasil é um país sério, ou não é" ... Tal declaração se deu em razão da atuação do CADE com relação à fusão Sadia/Perdigão - que será chamada de Brasil Foods.

Escrito por pctedesco

Última semana de Maio !!!! Seguem as análises de Petro e Vale bem como uma dica, CEMIG. Lembrem-se que é feriado nos EUA, Memorial Day,portanto deverá ser um pregão esvaziado (baixo volume).
Notas gerais
- Lula se demonstrou "surpreso" com o anúncio da redução de investimentos pela Vale e diz não entender, uma vez que a mineradora possui dinheiro em caixa.

Guido Mantega, ministro da Economia, disse que o Governo está seriamente preocupado com a valorização do real frente ao dólar e que isto poderá prejudicar a atividade produtiva do país.

Telemar Norte Leste irá lançar OPA (Oferta Pública de Aquisição) das ações ordinárias dos minoritários da Brasil Telecom e da Brasil Telecom Participações.
- Masaaki Shirakawa, presidente do Banco Central do Japão, confirmou o fim da queda livre do país na pior recessão desde a Segunda Guerra Mundial.
- Barack Obama, presidente dos Estados Unidos, afirmou que a General Motors e Chrysler sairão mais fortes da atual crise de crédito...
Coreia do Norte informou hoje (25/05) que realizou seu segundo teste nuclear.
-Robert Zoellick, presidente do Banco Mundial, acredita que a falta de financiamento ameaça o Brasil. Além disto, demonstrou-se preocupado com uma possível "crise humana e social".
- Empresas de TV paga tentam driblar veto de cobrança de mensalidade do ponto extra aumentando em cerca de 500% a taxa de instalação.
- Segundo projeções da Standard & Poor's, endividamento dos países desenvolvidos poderá quase dobrar após desencadeamento da crise mundial.
O Tesouro dos Estados Unidos liberou mais 4 bilhões de dólares para a General Motors.

- Mercados - Abertura e Fechamento
Ind. Futuros na América
Bovespa-0.41%
Dólar Futuro-0.30%
Dow Jones-0.08%
S&P 500-0.06%
Nasdaq 100-0.35%
Asiáticas
China - Xangai+0.48%
China - Hong Kong+0.35%
Japão - Tóquio+1.31%
Européias
Inglaterra - Londres0.00%
Alemanha - Frankfurt-0.70%
França - Paris-0.32%
Espanha - Madri-0.21%

RAIO-X BOVESPA
Código / EmpresaFechamentoVariaçãoRentabilidade 30 DiasVolume negociadoInf. Empresa
IBOV50.568,00+0.96 +8.12 R$ 2.972.898.560Acessar
Petrobras PN32,87+1.14 +13.80 R$ 483.126.368Acessar
Vale PN32,45+0.43 +8.14 R$ 400.143.840Acessar
Bradesco PN28,61+1.13 +10.25 R$ 119.838.280Acessar

- A Maior Aposta Para 2009 !!!
Tectoy - Toyb3 E Toyb4 By Tectoy

- Estudo De Ondas De Elliott E Análise Técnica
Surfando Nos Indices Mundiais

- Balanços e Relatórios (Pesquisar):
GOL LINHAS AEREAS INTELIGENTES S.A.
CIA SIDERURGICA NACIONAL
ARACRUZ CELULOSE S.A.
BRASKEM S.A.
GERDAU S.A.

FINANCEIRO
“A área de Finanças exige que seus profissionais se atualizem constantemente, para que não sejam ultrapassados pelas sucessivas alterações do cenário financeiro nacional e internacional. Capacidade técnica em Finanças com uma visão integrada aos negócios.
Especialistas levaram anos para conhecer com profundidade as ameaças e as grandes oportunidades da Bolsa de Valores. De forma simples e acessível você aprende a fazer a leitura do cenário e tomar decisões, tanto em perfil agressivo como conservador. Ele é um roteiro consistente sobre estratégias de investimentos na Bolsa. Nas mãos de quem quer muito chegar lá, pode ser o mapa da mina.
- Frase do dia
"DINHEIRO É COMO O ADUBO: SÓ SERVE QUANDO ESPALHADO."
TRUMAN CAPOTE.
Fonte: ADVFN Newsletter

Ctba, 25/mai/09
Profª. Maria Madalena Prybicz

domingo, 24 de maio de 2009

"ESTRANGULAMENTO ECONÔMICO"

CAUSAS DO COLAPSO ECONÔMICO LEVANTAM DÚVIDAS SOBRE O CUMPRIMENTO DAS FUNÇÕES SOCIAIS DAS EMPRESAS
Por Guido Orgis
- As vozes mais críticas na análise sobre a origem da crise econômica apontam para uma falha moral nas corporações. A tese é a de que muitas empresas, em especial os bancos dos Estados Unidos e da Inglaterra, deixaram de cumprir suas funções sociais básicas para se concentrar apenas nos resultados de curto prazo que influenciavam o comportamento de suas ações.
- A acusação não vale só para bancos. Outras companhias teriam deixado seus departamentos financeiros ganharem força por apresentarem ganhos que tonificavam balanços e, por consequência, o bônus pago aos executivos. Os casos mais conhecidos pelos brasileiros foram os da Sadia e da Aracruz, companhias abertas que registraram prejuízos bilionários porque fizeram contratos de derivativos cambiais cujas perdas podiam ser virtualmente infinitas.
·Estabilidade econômica em xequeRisco alto espalhado pelo globo

CVM quer publicar bônus de executivos.
- A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) trabalha a proposta de tornar obrigatória a publicação da remuneração dos principais executivos das companhias abertas. A medida tem como objetivo aumentar a transparência das empresas e segue uma tendência internacional. Nos Estados Unidos, os salários e bônus são publicados – tanto que, no mês passado, o jornal The New York Times fez um ranking dos executivos mais bem pagos do país.

- Governança corporativa passa por reflexão.
- Apontada até recentemente como uma estrela da internacionalização de empresas brasileiras, a Sadia acumulou uma dívida tão alta que precisou ser incorporada pela rival Perdigão, operação que foi anunciada na semana passada. Nos bastidores, acionistas e executivos travam uma queda de braço para apontar os culpados pela aposta atrapalhada em derivativos cambiais que levou a companhia a um prejuízo de quase R$ 2,5 bilhões em 2008. Coisa parecida acontece com a Aracruz e outras empresas ao redor do mundo que perderam fortunas no mercado financeiro. Em todos os casos, uma coisa é certa: o sistema de governança corporativa falhou ao não evitar que a companhia assumisse riscos elevados.
- Assim como os bancos de investimentos dos EUA elevaram suas posições em derivativos de hipotecas, as empresas brasileiras descobriram de uma hora para a outra que o risco havia sido mal avaliado a ponto de levar seus negócios à beira de um precipício. Para alguns analistas, esse seria o sinal de que o modelo de gestão voltado apenas para os acionistas é insustentável por não colocar em primeiro plano as responsabilidades que as corporações têm dentro da sociedade.
“Não há dúvida de que a área financeira ganhou poder dentro das empresas à medida que a intermediação ficou mais complexa do que as próprias companhias”, diz Francisco Gomide, consultor com passagem pela presidência da Copel e pela diretoria de outras empresas do setor elétrico.
“Os instrumentos financeiros viraram uma maneira rápida de dar valor para as ações, já que as cotações são muito influenciadas no curto prazo pela relação entre o preço do papel e o lucro da empresa.”
- O problema por trás dessa estratégia de gestão é que as companhias assumem todas as distorções que existem no cálculo de riscos financeiros – sujeitos a viradas inesperadas. “A crise mostrou que existem falhas sistêmicas de administração. O gestor age sob pressão para criar valor ao acionista e acaba assumindo riscos, ao mesmo tempo em que o sistema de governança das companhias não acompanha o processo de maneira adequada”, resume Cláudio Antônio Pinheiro Machado Filho, professor de Administração da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo (FEA/USP).
Ideologias:
- Por trás das falhas sistêmicas escancaradas pela crise, há uma discussão ideológica. Uma corrente diz que existe um problema fundamental no modelo de gestão voltada para o acionista e que ele precisa ser substituído por outro, que atenda a todos os interessados no negócio – funcionários, fornecedores, governo, etc. O pano de fundo da disputa não é se uma empresa deve ou não dar lucro, mas sim a lista de prioridades na busca de retorno.
O professor de Administração da Fundação Getulio Vargas (FGV) Joaquim Rubens Fontes Filho pondera que a crítica ao modelo que privilegia o acionista não leva em conta que as companhias cumprem as suas obrigações sociais antes de apresentar resultados. “Elas pagam impostos, os funcionários, cumprem a legislação e depois remuneram o acionista. É uma obrigação óbvia não gerar prejuízo para a sociedade ao buscar o próprio lucro.”
Para Fontes, porém, a crise deve levar a uma reflexão sobre como o risco faz parte da responsabilidade social das corporações. “Mesmo que os acionistas concordem em correr riscos elevados, é preciso levar em conta que a companhia existe dentro da sociedade”, diz.
Márcio Kaiser, coordenador da seção paranaense do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), prefere separar a administração de risco da responsabilidade corporativa. “A responsabilidade está mais ligada a ações da companhia nas áreas social e ambiental e que contribuem para sustentabilidade do negócio no longo prazo.”
- Na prática, as companhias muitas vezes precisam encontrar um equilíbrio entre os dois modelos, explica Pedro Luiz Fernandes, presidente no Brasil da dinamarquesa Novozymes: “É normal a cobrança dos acionistas, ao mesmo tempo em que estamos inseridos em uma cadeia de relações de confiança”, comenta. Transferir a pressão para clientes, por exemplo, ou assumir riscos elevados no setor financeiro, pode quebrar essa corrente.
- Realmente necessitamos de mudanças nas Leis das S/A's de (Capital Aberto)!
Fonte: Gazeta do Povo
Ctba, 24/mai/09
Prof.ª. Maria Madalena Prybicz

"CRISE FINANCEIRA INTERNACIONAL"

A “CRISE FINANCEIRA INTERNACIONAL” (OUTROS PAÍSES)

BVL cierra con ganancia de 1.99%, Nuevo sol acumula segundo descenso sucesivo, Santander vende a Chávez el Banco de Venezuela por US$1.050 millones, Cuba adopta consigna de "ahorro o muerte" para capear crisis – Perú.

* Santander vende a Chávez el Banco de Venezuela por US$1.050 millones
- El Banco Santander ha alcanzado un principio de acuerdo para la venta de su participación mayoritaria en el Banco de Venezuela al Gobierno de Hugo Chávez por 1.050 millones de dólares.

- Grupo Santander "extremadamente satisfecho" con acuerdo para vender filial.

* Cuba adopta consigna de "ahorro o muerte" para capear crisis.
- En tiempos de crisis mundial, Cuba tiene una nueva consigna: "ahorro o muerte", expresaron funcionarios, preocupados por el gasto energético irracional y la falta de eficiencia en la isla.
- Fica aqui o meu registro parcial, dos países da América Latina e Caribe, atingidos também pela Crise Financeira Internacional!

Fonte:Terra/Invertia.

Ctba, 24/mai/09
Profª. Maria M. Prybicz

sexta-feira, 22 de maio de 2009

"CRISE FINANCEIRA INTERNACIONAL"

MICHAEL MOORE LANÇARÁ DOCUMENTÁRIO SOBRE CRISE ECONÔMICA

- Ganhador do Oscar em 2003 com "Tiros em Columbine", o cineasta Michael Moore está preparando mais um de seus polêmicos documentários, onde desta vez, o tema será a crise econômica mundial. O filme, ainda sem nome, será lançado nos Estados Unidos em outubro deste ano e trará um olhar cômico sobre as corporações e as políticas desonestas responsáveis por transferir grandes quantias de dinheiro dos contribuintes norte-americanos para as instituições financeiras: "Os ricos, por um momento, decidiram que não tinham riqueza suficiente."
- Necessitamos de mais livros e filmes com relação à Crise Financeira Internacional, teremos que registrar para história e também para que se evite novo Ciclo Negativo como esse! Temos que contabilizar o que a ganância faz com o homem em todos os sentidos!
Profª Maria M. Prybicz.

Fonte: ADVFN Newsletter

Ctba, 22/mai/09
Profª Maria M. Prybicz

quinta-feira, 21 de maio de 2009

"PIB - PRODUTO INTERNO BRUTO"

PIB A UM PONTO DE VIRAR NEGATIVO EM 2009 NA NOVA PREVISÃO

- Confirmando aproximadamente a informação divulgada por Paulo Bernardo, ministro do Planejamento, do baixo número para a próxima previsão do PIB, o governo divulgou oficialmente o que espera do Produto Interno Bruto até o final de 2009. Segundo governo federal, o Brasil irá terminar este ano com um crescimento de apenas 1 ponto percentual. Segundo pesquisa realizada pelo Banco Central, o mercado aposta em uma retração de 0,49%. Lembrando que no início do ano, a previsão pelo governo era de um crescimento de 4%.

- PIB (1%), isto significa que temos o achatamento da renda “per capita” pelos próximos meses, também que aumentará a pobreza das classes B e C. As quais sem outra opção se estiverem no interior, é vir para as cidades maiores à procura de empregos! E enquanto não obtiverem esse emprego vão apelar para os programas sociais do governo – assistencialismo e consequentemente mais despesas e custos para o setor público, onde todos pagarão as contas!

Fonte: ADVFN Newsletter

Ctba, 21/05/09
Maria M. prybicz

quarta-feira, 20 de maio de 2009

"A QUESTÃO DA PETROBRÁS"

"PETROBRÁS"

Tecnicamente é bom fazer uma auditoria na Petrobrás! A Empresa ao longo dos anos nunca passou por uma verificação mais detalhada! É justo que agora oposição ou não o façam, mesmo porque, é até muito bom para o Governo ter a certeza de como está a sua administração para verificar investimentos futuros e melhores resultados a serem obtidos na modernização da mesma! E também como se trata de soberania nacional relativo ao petróleo, exige-se mais controle, competitividade, inovação e sustentabilidade.
Ctba, 20/mai/09
Maria M. prybicz

segunda-feira, 18 de maio de 2009

RESULTADOS CORPORATIVOS EM DESTAQUE

A Votorantim Celulose e Papel (VCP) divulgou um prejuízo de R$ 6 milhões neste primeiro trimestre contra um lucro líquido de R$ 110 milhões registrados no mesmo trimestre de 2008. A Brascan Residential Properties registrou um lucro líquido de R$ 15,2 milhões no primeiro trimestre do ano, o que representou uma significativa queda de 65,3% em comparação ao mesmo trimestre de 2008. A JBS Friboi teve um prejuízo líquido de R$ 322,7 milhões neste primeiro trimestre. O lucro líquido da construtora Tecnisa sofreu uma queda de 28,7% ficando em R$ 21,5 milhões. A japonesa Panasonic registrou um prejuízo anual de aproximadamente US$ 3,9 bilhões.
-Será que essas empresas não tinham gordura para queimar?

Fonte: ADVFN Newsletter

Ctba, 18/mai/09
Maria Madalena Prybicz

sexta-feira, 15 de maio de 2009

AS DETERMINAÇÕES DA “CRISE FINANCEIRA”.

FUSÃO ENTRE PERDIGÃO E SADIA CRIARÁ A BRASIL FOODS

- Agora se tornou oficial: em comunicado que deverá ser registrado sob fato relevante na CVM ainda nesta sexta-feira (15/05), a Perdigão e Sadia informam que irão fundir suas atividades numa nova empresa denominada Brasil Foods. Esta nova companhia irá desbancar a Bunge Alimentos da primeira posição da maior empresa do setor. A CVM já enviou um comunicado informado que está analisando com cautela as estranhas movimentações realizadas pelas ações da Perdigão e Sadia nos últimos dias.
ATRAVÉS DA “CRISE FINANCEIRA” - RESULTADOS CORPORATIVOS

- O UOL registrou neste primeiro trimestre um lucro líquido de R$ 36,8 milhões, o que significou uma alta de 50% em relação aos resultados do primeiro trimestre de 2008. A Positivo Informática divulgou um tombo de 81,9% em seus resultados ao somar R$ 8,6 milhões em lucros líquidos. A Sadia divulgou um prejuízo de R$ 239,2 milhões neste primeiro trimestre, contra um lucro líquido de R$ 248,3 milhões no mesmo período do ano anterior. A Perdigão, no mesmo caminho, registrou prejuízos de R$ro líquido da operadora Oi despencou 98,1%, ficando em R$ 10,8 milhões. A Cemig reportou um lucro líquido 31,4% menor ao somar R$ 336,2 milhões neste primeiro trimestre. A CSN registrou um lucro líquido R$ 369 milhões, o que significou uma queda de 52% em relação ao mesmo período de 2008. A Usiminas reportou um prejuízo de R$ 111,8 milhões, contra um lucro líquido de R$ 712,9 milhões registrados ano passado. O lucro do Banco do Brasil sofreu uma queda de 29,1% ao somar R$ 1,665 bilhões neste último trimestre.
- A recuperação da economia global e nacional está com tendência de normalização no decorrer dos próximos anos!

Fonte: ADVFN Newsletter

Ctba, 15/mai/09
Maria M. Prybicz

quinta-feira, 14 de maio de 2009

RESULTADOS CORPORATIVOS EM BAIXA!

- A Usiminas divulgo um prejuízo líquido de R$ 112 milhões nestes três primeiros meses de 2009, contra um lucro líquido de R$ 712 milhões no mesmo período do ano passado. A América Latina Logística divulgou um prejuízo de R$ 22,6 milhões. A CESP reportou uma alta de 146% nos resultados ao somar um lucro líquido de R$ 139 milhões. A CPFL Energia registrou neste último trimestre um lucro líquido de R$ 283 milhões, o que representa uma alta de 6,5% em relação ao mesmo período de 2008. A Marfrig reportou um prejuízo de R$ 38,1 milhões, contra um lucro líquido de R$ 25 milhões no ano passado. A Sony anunciou o seu primeiro prejuízo em 14 anos, onde com o pé na lama, afundou cerca de 761 milhões de euros.
- Eis aí, o resultado do efeito dominó, ainda causando transtorno na Economia Nacional e Mundial! Cuja duração vai aproximadamente dez anos.
Fonte: ADVFN Newsletter
Ctba, 14/mai/09
Maria M. Prybicz

domingo, 10 de maio de 2009

"LUZ ECONÔMICA NO FIM DO TÚNEL"

BOLSA FECHA SEXTA-FEIRA EM ALTA DE 2,67%

SÃO PAULO, 8 de maio de 2009 - O mercado acionário brasileiro deu sinais mais consistentes de recuperação nesta semana. Hoje a BM&FBovespa encerrou mais uma sessão em alta, se não fosse a realização de lucros vista ontem, este seria o oitavo pregão consecutivo de valorização. O Ibovespa subiu 2,67%, aos 51.395 pontos. O volume financeiro foi de R$ 4,98 bilhões. A euforia se deve em parte a sinalização de que a economia brasileira já começa a se estabilizar depois da retração sofrida nos últimos dois trimestres devido a crise financeira internacional e a confirmação dos resultados dos testes de estresse dos bancos norte-americanos - uma vez que os dados vazaram no decorrer da semana - aliado a um dado econômico dos Estados Unidos, melhor do que o esperado, puxaram para cima as principais bolsas mundiais na primeira etapa dos negócios. No hemisfério norte, os investidores receberam bem o relatório Nonfarm Payroll, que apontou a demissão de 539 mil trabalhadores em abril. "Esse dado animou o mercado financeiro. Como a expectativa era de 600 mil a menos, os agentes se animaram e saíram às compras", disse André Perfeito, economista da Gradual Investimentos. Desde janeiro de 2008 foram cortadas 5,73 milhões vagas de trabalho por lá, o que eleva a taxa de desemprego para 8,9%. Por aqui, depois de uma semana recheada de declarações de otimismo, mas pautadas em cautela, com as informações sobre a produção indústria que apesar de ter registrado queda de 14,7% no primeiro trimestre e da indicação do Comitê de Política Monetária (Copom) de que os juros devem continuar caindo, a sexta-feira trouxe novidades no plano da inflação. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu 0,48% em abril, ficando 0,28 ponto percentual acima da variação de março. A inflação foi puxado no mês passado pelo reajuste de preços administrados (energia, água e esgoto, gás e medicamentos) e pelo aumento do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) nos cigarros. André Perfeito avalia que ainda há muito o que se fazer e que a cautela deve ser grande nesse momento de euforia. "Ainda falta, e muito, para melhorar. Nem que seja na margem", disse. Diante desse cenário, os agentes aproveitaram o dia para sair às compras. liderando os ganhos. Registram alta as ações da Aracruz (8,70%), BMFBOVESPA (7,79%) e Eletropaulo (7,54%). Na outa ponta, tiveram queda B2W (-3,59), Perdigão (-1,78) e Cemig (-0,54). A bolsa brasileira acumula alta de 8,68% na primeira semana de maio. (Vanessa Stecanella - InvestNews)
- Realmente é uma luz econômica no fim do túnel!
Ctba, 10/mai/09
Maria M. Prybicz

sábado, 9 de maio de 2009

TRABALAHANDO EM REDE EM RAZÃO DA GLOBALIZAÇÃO

- Um certo número de vantagens decorre do fato de que a globalização pressupõe uma economia sem fronteiras, ou seja, todos interconectados em rede pressupõem benefícios nas comunicações. Os trabalhadores podem assim, legitimamente, ter expectativas, ter a esperança de beneficiar-se de uma participação nesses fluxos internacionais de capitais, de pessoas, de bens e de serviços. Segundo os economistas, um desenvolvimento nas exportações pode trazer em seu bojo uma grande demanda de mão-de-obra. Isto, entretanto, tem suas limitações. Com efeito, crises regionais podem comprometer os movimentos de capitais dos países industrializados em direção ao terceiro mundo — partindo-se do pressuposto, mais uma vez, que esses fluxos de capitais sejam repartidos desigualmente entre os países.
A globalização interagindo em rede acarreta também uma maior transparência no conhecimento sobre os modos de governo e sobre o controle social (sabe-se imediatamente onde a democracia está ameaçada, e onde os direitos humanos não estão sendo respeitados).

A formação do Direito moderno carrega em si a conquista do direito de se autodenominar e autogovernar, ao mesmo tempo em que se possibilita o emprego de se autodestruir, quando produz, na pretensão de universalidade, um sofisticado véu que acoberta o sobrepujo do homem pelo homem.

Direito Cooperativo, a Economia Solidária, o Cooperativismo Popular, as novas formas de acesso à cidadania dos trabalhadores.

E a Modernidade reflete diretamente sobre eles, uma vez que foi responsável pelo modelo de civilização que libertou e escravizou, que emancipou e submeteu.

A pretensão será desincumbir-se da tarefa de entender, tão somente, por que é tão difícil a afirmação do cooperativismo popular enquanto acesso a cidadania!

Situado o Estado e o Direito Modernos, a ética do trabalho na Modernidade e a conformação do monismo jurídico, a preocupação será de entender o surgimento do paradigma trabalho moderno, central no modo de produção capitalista e original deste momento histórico

As bases teóricas do capitalismo, especialmente através dos fundadores da denominada Economia Política, Adam Smith e David Ricardo, e suas influências sobre a teoria de Karl Marx.

Também, no capitalismo, a organização dos trabalhadores nas fábricas, que se por um lado, deu origem ao movimento operário, sob sua influência e justificativa para sua contenção, que origina a regulação dos direitos dos trabalhadores através do Direito do Trabalho, olhando a passagem da subordinação econômica à subordinação jurídica.

Com entendimento diverso, no discurso sobre a origem e fundamentos da desigualdade entre os homens, Jean Jaques Rousseau apresentará outra fundamentação para a denominada soberania popular.
Ao autor classifica traz características de três espécies de homens no decurso do tempo: o homem físico, homem psicológico e o homem moral.
O homem nasceria bom e forte para viver na natureza. O fato de ter de sobreviver ao lado dos demais animais traria medo somente do desconhecido, mas o faria forte, inclusive fisicamente para enfrentas as adversidades. Eis o homem físico.

O homem psicológico é aquele que modifica a natureza e conhece a diferença que tem em relação aos outros animais, desde a capacidade de organização até a possibilidade de escapar das adversidades utilizando sua inteligência.

O homem moral é aquele que, segundo “Rousseau” cercou o primeiro espaço de terra e disse: “isso é meu” e encontrou meia dúzia de pessoas que acreditou e respeitou o desatino. Se naquele momento alguém tivesse dito, a terra é de todos e ninguém poderá cercá-la. Talvez a desigualdade não tivesse ocorrido. Portanto, era preciso um pacto de submissão ao que chamou de formação de vontade geral, diversa da vontade de todos – que não seria mais do que a soma de interesses privados – nas mãos de um soberano, para o retorno a igualdade, depois de aberta a desigualdade com o advento da propriedade.
- A evolução futurística nos espera!

Ctba, 09/mai/09
Maria M. Prybicz


sexta-feira, 8 de maio de 2009

"CRISE FINANCEIRA GLOBALIZADA"

“EFEITOS DA CRISE” - RESULTADOS CORPORATIVOS EM DESTAQUE

- A Companhia de Concessões Rodoviárias (CCR) obteve um lucro líquido de R$ 155,9 milhões no primeiro trimestre de 2009, o que significou uma queda de 3,9%. O lucro líquido do Paraná Banco caiu 14,1% para R$ 20,3 milhões. A TAM conseguiu registrar um lucro líquido de R$ 54,4 milhões, contra um lucro de R$ 43,1 milhões registrados no primeiro trimestre de 2008, o que representou uma alta de 26,2%. A Gerdau sofreu uma expressiva queda de 96,8% nos seus resultados ao divulgar um lucro líquido de R$ 35 milhões. A General Motors (GM) divulgou um prejuízo líquido de US$ 6 bilhões, quase o dobro dos valores registrados ano passado. O prejuízo líquido deste último trimestre da AIG reduziu 44% em comparação ao mesmo período do ano passado, ficando em US$ 4,353 bilhões. A Repsol YPF anunciou um lucro de 516 milhões de euros neste trimestre, o que representou uma alta de 57,4%. O segundo maior banco da Alemanha, o Commerzbank , reportou um prejuízo líquido de aproximadamente 1,15 bilhão de dólares neste primeiro trimestre. O Royal Bank of Scotland divulgou um prejuízo de 960 milhões de euros. A montadora Toyota Motor anunciou o seu primeiro prejuízo anual no exercício fiscal de 2008-2009 ao registrar cerca de 4,4 bilhões de dólares em perdas líquidas.
- Efeitos da crise financeira globalizada!
Fonte: ADVFN Newsletter
Ctba, 08/mai/09
Maria M. Prybicz

quinta-feira, 7 de maio de 2009

"AINDA OS EFEITOS DA CRISE"

ÚLTIMOS RESULTADOS CORPORATIVOS EM DESTAQUE

Destaque máximo para o resultado da Vale divulgado na noite e ontem (06/05). A mineradora reportou um lucro líquido de R$ 3,15 bilhões neste primeiro trimestre, ficando 1% abaixo dos números registrados no primeiro trimestre de 2008. Ao longo do pregão, as ações da Vale registravam uma leve alta, porém após a divulgação dos resultados, viraram a mão e operaram no campo negativo durante o After Market. Iochpe-Maxion registrou um prejuízo líquido de R$ 3,1 milhões no trimestre. A Tractebel sofreu uma queda e 40% em seus resultados, com a divulgação de um lucro líquido de R$ 234 milhões. A Braskem divulgou um lucro 88% menor, ao somar R$ 10 milhões neste primeiro trimestre. A Nintendo reportou números recordes ao alcançar um lucro líquido de 2,127 bilhões de euros no ano fiscal de 2008, valor 8,5% maior do que registrado no exercício anterior. A Cisco Systems divulgou um lucro líquido 16,31% menor, ao somar US$ 5,053 bilhões nos nove primeiros meses do ano fiscal. O banco britânico Barclays registrou um lucro líquido de 941 milhões de euros, o que significa uma alta de 12% em comparação ao mesmo período do ano passado. O banco francês Société Générale registrou um prejuízo de 278 mi de euros no trimestre.
- Ainda os efeitos da CRISE financeira internacional.
- A Economia está com a demanda de bens e serviços totalmente contraída, e a tendência é continuar por mais algum tempo!

Fonte ADVFN Newsletter

07/mai/09
Profª Mª Madalena Prybicz

quarta-feira, 6 de maio de 2009

"TAXA SELIC"

TAXA SELIC: O QUE É? COMO ELA AFETA SEU BOLSO?

- A sigla significa: Serviço Especial de Liquidação e Custódia. A taxa Selic é a taxa de financiamento no mercado interbancário para operações de um dia (overnight), que possuem lastro em títulos públicos federais, títulos estes que são listados e negociados no Sistema Especial de Liquidação e Custódia.
- Esta taxa é usada para operações de curtíssimo prazo entre bancos, que, quando querem tomar recursos emprestados de outros bancos por um dia, oferecem títulos públicos como lastro, visando reduzir o risco, e consequentemente, a remuneração da transação (menor risco, menor ganho).
Muitos crêem que Selic é uma taxa fixa, mas ela na verdade é uma referência, a mesma varia todos os dias (muito pouco é verdade), tendendo a alcançar o valor estabelecido pelo Copom (Conselho de Política Monetária, órgão do Banco Central, o BACEN, o COPOM foi criado em 20 de Junho de 1996).
O Banco Central é conhecido como o “Banco dos Bancos”, devido às suas características regulatórias e fiscalizadoras das atividades das denominadas instituições financeiras captadoras de depósitos à vista, entre elas os bancos comerciais, as caixas econômicas, os bancos múltiplos com carteiras comerciais e as cooperativas de crédito.
A cada 45 dias o COPOM se reúne para decidir a taxa SELIC, o mercado fica em polvorosa para o anúncio, pois a taxa afeta diretamente a remuneração das operações em renda fixa, a Selic acaba servindo de referência para todas as demais taxas econômicas. Em situações normais a taxa Selic é mais baixa, o que, porém, nem sempre ocorre. De forma geral, quanto maior o prazo maior o ri coe, portanto, maior a taxa.
O efeito das mudanças da taxa Selic no dia-a-dia das pessoas pode ser direto ou indireto, dependendo do perfil financeiro de cada indivíduo. Um dos efeitos diretos é sobre quem investe em fundos DI, pois boa parte da carteira destes fundos é investida em papéis pós-fixados, ou seja, seguem a rentabilidade da Selic.
Assim um corte na Selic afetará diretamente a rentabilidade de um fundo DI ou de investimentos similares.
Já o efeito sobre quem tomou dinheiro emprestado é indireto e geralmente mais lento. Uma redução na Selic, em geral, leva a uma queda nas taxas de captação dos bancos e demais instituições financeiras, que, assim, teriam condições de cobrar menos pelos seus empréstimos
Não podemos deixar de lado outras variáveis nas taxas de empréstimo, tais quais: inadimplência, margem de lucro dos bancos, carga tributária, fatores estes que terão uma percepção no médio e longo prazo.
Bibliografia:
- Artigo no portal Infomoney de 18/07/2007 ( Entenda o que é e como a Selic afeta a economia brasileira e seu bolso).

Ctba, 06/mai/09
Maria M.Prybicz

sexta-feira, 1 de maio de 2009

"DIREITO MODERNO"

Segundo Max Weber, para o espírito do capitalismo, qual seja, a ética protestante.
São elas:
Tempo é dinheiro. Não ficar ocioso ou vadio no resto do dia, pois se joga fora dinheiro desta forma; crédito é dinheiro. Não deixar dinheiro parado. Perceber a questão do investimento e circulação; dinheiro é prolífico e gerador de mais dinheiro; ser bom pagador e ser dono da bolsa alheia; ações que correspondam ao crédito e não esbanjamento (martelo e bilhar); consciência do que se tem, honestidade e cuidado; não acreditar que se tem tudo que possui, mencione os detalhes na contabilidade pessoal e poupar; ser prudente e honesto; não desperdiçar a possibilidade de ganhar mais; bem como dobrar o patrimônio; não perder de tempo se não investir o seu dinheiro e lembrar as vantagens de investimentos.
E esta intersecção na Modernidade, capitalismo e Direito Moderno, não foram tão bem destacados, conduzindo com tanta maestria os passos para uma análise das categorias referidas, do que a teoria weberiana acerca desta nova ética do trabalho.
- Nada mais existe de tão atualíssimo!
Ctba, 01/mai/09
Maria M.Prybicz

Quem sou eu

Minha foto
Economista/Professora/Escritora de Blog e outros; Disciplina: Gestão de Negócios; - Autonomia em Consultorias em Geral.