prybiczmaria@gmail.comFollow by Email tyle>.ig-b- { display: inline-block; } .ig-b- img { visibilit

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

"ECONOMIA POPULAR"

IFC AVALIA PARCERIA COM BROOKFIELD PARA "MINHA CASA, MINHA VIDA"

- O International Finance Corporation (IFC), braço do Banco Mundial, vai analisar a formação de uma joint-venture com a Brookfield Incorporações para moradias voltadas à população de baixa renda, no âmbito do programa do governo "Minha Casa Minha Vida".

   Segundo fato relevante da Brookfield, a participação do IFC, se confirmada, será feita por meio da subscrição de novas ações no valor de até 10 milhões de dólares em uma nova empresa a ser constituída dedicada a habitações populares.

   Além disso, o IFC fará uma concessão de empréstimo em reais do equivalente a 20 milhões de reais, com prazo de sete anos, e ajudará na busca de outros bancos dispostos a fornecer outros 30 milhões de dólares em financiamento.

  O governo lançou em março o programa "Minha Casa, Minha Vida", que prevê a construção de 1 milhão de moradias com subsídios.

  A Brookfield Incorporações é a unidade brasileira para o setor imobiliário da canadense Brookfield Asset Management. A empresa tem em curso uma oferta primária e secundária de ações com a qual pretende captar entre 500 milhões e 700 milhões de reais.
 - Sem análises e comentários por enquanto!
Ctba, 30 set/09
Economista e Prof.ª Mª M.Prybicz

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

"ECONOMIA BRASILEIRA EM FOCO"

“ECONOMIA DOMÉSTICA”

- Hoje eu quero me dirigir especialmente às mulheres e/ou homens que cuidam do consumo doméstico, principalmente as “donas de casa”, por assim dizer, que são as responsáveis pelas compras e abastecimentos dos lares!

Notamos que existem determinadas marcas famosas - que está há anos no mercado! Muito bem! Nada contra as marcas, aliás, muito pelo contrário! Adoro boas marcas (ou grifes)! - Mas, como estamos percebendo o mercado está recebendo inúmeras outras que tem qualidades e preços, as quais, muitas de nós não sabemos que oferecem de vantagens, nem experimentamos e/ou não queremos mudar!

- E em tempos de controlar custos poderemos obter aí uma boa “Economia Doméstica”, (estendendo-se para as pequenas e médias empresas num sentido amplo da atividade que operam).

- Consequentemente as “melhores e famosas marcas” tenderão a verificar custos e preços também no sentido de arrumar-se – equilibrando o mercado para o consumidor, colocando desempenho e/ou performance como “foco” das empresas produtoras das marcas (as quais não cito, pela determinação da ética profissional).

- Mas, que a nossa “Economia Brasileira” já sabe - também percebeu que está havendo uma grande enxurrada de concorrentes, determinados a abrir espaços – e conseguirão tenho certeza – o que é perfeitamente natural e legítimo, quando este tipo de concorrência é sadia e benéfica para os “trabalhadores assalariados” ou para a população em geral do nosso país, principalmente no pós-crise que o incentivo a consumir será mais acentuado!
-  Percebe-se que a “ECONOMIA” está com severas mudanças e que o consumidor está reavaliando seus conceitos, graças a Deus! Demorou!

Fonte: Pesquisa Pessoal “in loco”
Ctba, 28/set/09
Economista e Professora Mª M. Prybicz

domingo, 27 de setembro de 2009

“ACORDOS E/OU TRATADOS ECONÔMICOS”

GOVERNOS ASSINAM (NA VENEZUELA) NESTE SÁBADO ATO DE CONSTITUIÇÃO DO BANCO DO SUL
- Os sete países que aderiram à proposta de criação do Banco do Sul estarão assinando neste sábado (26), na 2ª Cimeira de Chefes de Estado da América do Sul e África, na Venezuela, o ato de constituição do banco de fomento que vai servir de instrumento para a integração e o desenvolvimento do Continente Sul-Americano.
- Já estão definidos, no documento a ser assinado, o aporte de recursos que caberá a cada um dos sete signatários, bem como os dos cinco países que ainda não aderiram à iniciativa e que terão cerca de seis meses para fazê-lo.
- O capital inicial do Banco do Sul deverá ser da ordem de US$ 20 bilhões, e será um importante passo no fortalecimento da Unasul, além de um instrumento na integração regional e de agente facilitador das operações comerciais entre os países da região.
- Já assinaram o acordo de adesão ao Banco do Sul, além do Brasil e da Venezuela, o Equador, a Bolívia, Argentina, o Paraguai e Uruguai.
- Importantes acordos e/ou tratados de cooperação econômica entre os países da América Latina, são cada vez mais frequentes no hemisfério sul americano! União e força fazem sempre muita diferença!

Fonte: Gazeta do Povo
Ctba, 27/set/09
Economista e Prof.ª Mª M. Prybicz



sábado, 26 de setembro de 2009

"MICROECONOMIA"

“NA GESTÃO DE NEGÓCIOS”

DICAS: Você pode melhorar suas decisões?
   O melhor caminho para você tomar decisões (aquelas que poderão conduzi-lo aos seus (objetivos) é adotar uma série de cuidados como:
- Ouça as pessoas ao redor. Se possível, crie um grupo ou equipe para ajudá-lo nas diversas etapas do processo decisorial. Mais: se puder, delegue-se a esse grupo ou equipe a incumbência de apresentar alternativas. Mais ainda: se puder, peça ao grupo ou equipe que se apresente uma alternativa já escolhida. Se você conseguir esse intento, verá como as pessoas aceitarão plenamente as decisões e lutarão para que elas funcionem.
- Não tome decisões sozinho. Não seja autocrata. Se possível, tome decisões consensuais. Isto significa que você deve discutir as alternativas e chegar a um consenso – uma decisão que satisfaça gregos e troianos – com as pessoas envolvidas na decisão. Se você conseguir esse intento, as pessoas carregarão o fardo das suas decisões com mais satisfação, como se fossem decisões delas.
- Mire os objetivos que deseja alcançar. Todo processo decisorial é um caminho para chegar a algum fim: resolver um problema ou aproveitar alguma oportunidade. As decisões são boas ou más na medida em que alcançam ou não os objetivos pretendidos. Na hora da decisão, veja primeiro aonde você quer chegar para depois começar conjeturar como deverá fazê-lo.
- Não pense em definitivo. Poucas são as decisões irreversíveis ou definitivas se você souber monitorá-las e avaliá-las constante e continuamente. Tomada uma decisão, ela faz parte de um processo que deve continuar na sua monitoração e terminar na sua avaliação em termos de alcance dos objetivos pretendidos. Isso significa que toda decisão pode ser ajustada e reajustada continuamente, à medida que as ações correspondentes sejam implementadas na prática. O follow-up sistemático da decisão permite melhorá-la e ajustá-la continuamente aos fatos reais para a obtenção de melhores resultados. A correção e os ajustes seqüências ajudam muito.
- Use também a sua intuição. O sexto sentido é algo formidável quando se lida com eventos futuros ou com a realidade externa que não podemos compreender na sua totalidade e complexidade. Muito do sucesso dos grandes empreendedores foi resultado de sua intuição, quando todos os fatos demonstravam justamente o contrário. De vez em quando, é bom tomar decisões singulares e totalmente não programadas, principalmente quando as circunstâncias as solicitarem.
- Tenha boa sorte. O apelo ao sobrenatural pode ser bem-vindo. Uma boa oração não faz mal a ninguém!

Referência: “NOVA ERA” Gestão de Emp. e Negócios.
Ctba, 27/out/2009
Prof.ª Mª. M. Prybicz

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

PREVISÕES ECONÔMICAS

BC: projeção de inflação em 2009 sobe para 4,2%
- O BC informou também que a projeção oficial para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2009 foi mantida em 0,8%
- O Banco Central (BC) elevou ligeiramente a projeção para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2009 no cenário de referência. De acordo com o relatório trimestral de inflação referente ao terceiro trimestre de 2009, divulgado nesta sexta-feira (25), a expectativa de alta para o índice oficial do regime de metas neste ano subiu de 4,1% para 4,2%. Segundo o relatório, a estimativa da inflação acumulada nos 12 meses encerrados neste terceiro trimestre de 2009, por sua vez, caiu ligeiramente, de 4,4% para 4,3%, entre os dois relatórios. O relatório trimestral de inflação anterior foi divulgado em junho.
- Para 2010, a expectativa para o IPCA subiu de 3,9% para 4,4%. Por trimestre, a estimativa do BC para a alta acumulada em 12 meses até o fim do primeiro trimestre do ano que vem subiu de 4% para 4,1%. Já a projeção para o IPCA até o segundo trimestre de 2010 foi mantida em 3,6%. Para o terceiro trimestre do próximo ano, a estimativa de IPCA acumulado em 12 meses subiu de 3,6% para 4%.
Crescimento
- O BC informou também que a projeção oficial para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2009 foi mantida em 0,8%, segundo o relatório de inflação do terceiro trimestre. O patamar projetado é o mesmo do relatório de inflação divulgado em julho. Essa estimativa foi construída no chamado cenário de referência, que pressupõe a manutenção da taxa de câmbio constante no horizonte da previsão em R$ 1,85 e a manutenção do juro básico da economia (Selic) em 8,75%. O relatório observa que a estimativa para o PIB usa duas variáveis que "não são diretamente observáveis": o Produto Interno Bruto potencial e o hiato do PIB.

- Isto quer dizer que a “Economia Brasileira” tem uma extrema capacidade produtiva, mas não consegue desenvolver a contento no prazo mais acelerado. Consiste então em refazer as estimativas com relação aos investimentos em infra-estruturas e créditos mais baratos, ou seja, taxa de juros elevadas ainda num patamar que amarra, engessa, engarrafa e estrangula a capacidade produtiva nacional - em particular nos “Pólos de Competitividade”, etc.
Fonte: Gazeta do Povo
Prof.ª Mª M.Prybicz


quinta-feira, 24 de setembro de 2009

"ECONOMIA PETROLEIRA"

PLANO FINANCEIRO”

UNIÃO PODE TER MAIS DE 50% DA PETROBRAS
- Capitalizar a Petrobras - o governo define um mecanismo em que autoriza a empresa a explorar uma área de 5 bilhões de barris na área do pré-sal, em troca de ações da companhia
AGÊNCIA ESTADO
O diretor geral da Agência Nacional do Petróleo (ANP), Haroldo Lima, afirmou que a capitalização da Petrobras pode ser um meio de elevar a participação da União no capital da empresa dos atuais 32% para cerca de "50% a 55%". Lima explicou que, para capitalizar a Petrobras, o governo definiu um mecanismo em que autoriza a empresa a explorar uma área de 5 bilhões de barris na área do pré-sal, em troca de ações da companhia. "Com isso, talvez, se consiga ampliar a participação da União no capital da Petrobras", disse. Lima lembrou, por exemplo, que na Noruega o governo tem mais de 50% da Statoil, a companhia petrolífera do país.
- O diretor também explicou que, pelo fato de a Petrobras ter hoje mais de 60% de capital privado, o governo considerou que não seria apropriado que a empresa fosse a representante da União nos consórcios de exploração do pré-sal. Por isso, os integrantes do grupo que trabalhou na elaboração do marco regulatório do pré-sal definiram a criação da Petro-Sal, a nova empresa com capital 100% estatal. Segundo ele, a estatal será o "olho" do governo nos consórcios.
- Lima voltou a dizer que o papel da Petro-Sal é, entre outras coisas, verificar se os custos de produção informados pelos consórcios são adequados, de modo a garantir que a União receba corretamente a sua parte na renda do petróleo. O presidente da ANP esclareceu ainda que a participação de 30%, garantida para a Petrobras na exploração do petróleo nas novas áreas, refere-se à parcela que fica com os consórcios - e não a todo o pré-sal. Numa licitação que um consórcio vença oferecendo 60% do petróleo para a União, por exemplo, os 30% cabíveis à Petrobras seriam aplicados sobre a fatia de 40% que fica com o consórcio. Assim, a Petrobras precisa participar com investimentos de 30% nessa exploração, ressaltou Lima.
- Deveremos acompanhar bem de perto todos os procedimentos relativos ao pré-sal, uma vez que são muitos recursos investidos em jogo, digamos assim – que a equipe governamental terá que fazer a tarefa de casa – regulamentar rigoroso controle na “Demonstração do Fluxo de Caixa” da Petrobras versus Petro-Sal, mantendo a sabedoria do legislador no controle de tais projetos que envolvem toda cidadania patriótica nacional.
Fonte: Gazeta do Povo
Ctba, 24/set/09
Economista e Profª Mª M.Prybicz

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

"ECONOMIA NAS EMPRESAS"

RETORNO DE CAPITAL

- A avaliação do Retorno de Capital investido em estoques (RC) é baseada no lucro das vendas anuais sobre o capital investido em estoques. Como parâmetro de validade de uma boa administração de estoques, o retorno de capital deve situar-se acima de um coeficiente 1, e quanto maior for o coeficiente melhor será o resultado da gestão de estoques.
Fórmula: RC = Lucro : Capital em Estoque
RC = L : C
- A avaliação da Gestão de Estoques por meio da Rotatividade é útil e rápida, facilitando a análise da situação operacional da empresa, é um padrão mundial de comparação. Quanto maior for o número de rotatividade, melhor será administração logística da empresa, menores serão seus custos e maior será sua competitividade.
Atualmente no Brasil, a média de rotatividade de nossas empresas é em torno de 14 giros ao ano, muito baixo comparado aos padrões dos (EUA, Europa e Ásia) com 80 giros e Japão com 160 giros por ano. Enquanto os estoques no Japão são equivalentes a um dia, nos demais países desenvolvidos (EUA, Europa e Ásia) equivalem a três dias, no Brasil são 17 dias para cada giro - isso em média.
Façamos uma comparação quanto à gestão de estoques, três empresas, com as mesmas características e localizadas nos países (Brasil, EUA e Japão).
Exemplo:
Custo das vendas = US$ 50.000.000 (operando com as mesmas condições no Brasil, num país médio e no Japão).
Rotatividade = 14 no Brasil, 80 no país médio e 160 no Japão.
- Cálculo do Capital investido (parado) em estoques:
R= CV : E → E= CV:R
Brasil: E= CV : R
E= US$ 50.000.000 : 14
E= US$ 3.571.428,57 (valor imobilizado em estoques)
Mundo: E= CV : R
E = US$ 50.000.000 : 80
E= US$ 625.000 (valor imobilizado em estoques)
Japão: E= CV : R
E= US$ 50.000.000 : 160
E= US$ 312.000 (valor imobilizado em estoques)
- Portanto, comparando as três empresas, verifica-se que a necessidade de Capital de Giro para cada empresa, para os compromissos de pagamento de seus fornecedores, existe uma grande diferença (com relação ao Brasil, caso de estudo), sabendo como é difícil conseguir Capital de Giro. Podemos perceber que uma boa gestão de estoques com elevado giro, reduz os custos na prática, melhorando a maleabilidade para atender a demanda do mercado exigente e satisfazer aos clientes com melhores produtos e/ou serviços, otimizando os recursos financeiros em tecnologia e P & D, para não incorrer na imobilização excessiva em estoques.
Fonte: ADM. Recursos Materiais e Patrimoniais – Abordagem Logística – Pozo, Hamilton. Editoa Atlas.
Ctba, 23/out/09
Prof.ª M ª. M. Prybicz

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

"ECONOMIA BRASILEIRA"

MERCADO MELHORA PROJEÇÃO PARA O PIB EM 2009

A estimativa para o desempenho da economia brasileira em 2009 apresentou melhora na pesquisa semanal Focus divulgada pelo Banco Central (BC). No levantamento realizado junto a instituições financeiras, a previsão para o Produto Interno Bruto (PIB) neste ano passou de um recuo de 0,15% para a estabilidade. Para 2010, a previsão para o PIB também melhorou, passando de um crescimento de 4% projetado na pesquisa anterior para uma expansão de 4,2% no relatório desta segunda-feira (21). No mesmo levantamento, a estimativa para a produção industrial em 2009 segue negativa, mas teve discreta melhora, passando de uma queda de 7,28% para uma baixa de 7,25%. Para 2010, a projeção para o desempenho da indústria manteve-se em alta de 6%.
Juros e inflação
A pesquisa Focus manteve a previsão de que a taxa básica de juros (Selic) deve terminar o ano nos atuais 8,75% ao ano. Para o fim de 2010, a projeção também continuou a mesma, de 9,25% ao ano.
- O mercado financeiro aumentou a expectativa para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2009, de 4,30% para 4,31%. Há um mês, a projeção para o índice de inflação estava em 4,32%. Mesmo com o aumento, a previsão dos analistas ficou dentro da meta de inflação para este ano, que é de 4,50%. Na mesma pesquisa, a estimativa para o IPCA em 2010 caiu de 4,35% para 4 30%, abaixo do centro da meta, que também é de 4,50% no ano que vem
- A estimativa para a inflação de curto prazo subiu. Para setembro a previsão para o IPCA foi reduzida de 0,24% para 0,25%. Para outubro, a estimativa de IPCA manteve-se em 0,30%
Câmbio e contas externas
Analistas reduziram a previsão para o patamar do dólar no fim do ano. O nível da moeda norte-americana no fim de 2009 caiu de R$ 1,81 para R$ 1,80. A previsão para o fim de 2010 passou de R$ 1 85 para R$ 1,80. A previsão de câmbio médio no decorrer de 2009 manteve-se em R$ 2,01.
- O mercado financeiro também manteve as previsões para o déficit nas contas externas em 2009. A previsão para o déficit em conta corrente neste ano permaneceu em US$ 15 bilhões. Para 2010, a previsão de déficit em conta corrente do balanço de pagamentos manteve-se em US$ 22,8 bilhões.
- A previsão de superávit comercial em 2009 permaneceu em US$ 25 bilhões. Para 2010, a estimativa para o saldo da balança comercial manteve-se em US$ 18 bilhões.
- Analistas também mantiveram a estimativa de ingresso de Investimento Estrangeiro Direto (IED) em 2009, de US$ 25 bilhões. Para 2010, a estimativa de IED permaneceu em US$ 30 bilhões.
- As consequências da "Grande Crise", ainda perduram e vão continuar por mais algum tempo! 
Fonte: Gazeta do Povo
Ctba, 21/set/09
Prof.ª Mª M.Prybicz

"INVESTIMENTOS"

ORÇAMENTO DE CAPITAL E DECISÕES DE INVESTIMENTOS

ORÇAMENTO DE CAPITAL
Os dispêndios de capital (investimentos) podem ser temporários ou permanentes. O orçamento de capital é um conjunto de procedimentos, compostos de métodos e técnicas que permitem avaliar e selecionar investimentos de longo prazo (permanentes):
Investimentos temporários:
São valores aplicados com a intenção de resgate dentro de algum tempo. São aplicações de liquidez imediata e Títulos e valores mobiliários de curto ou longo prazo e não fazem parte do orçamento de capital.
a) Aplicações de liquidez imediata: aplicações que podem ser resgatadas ou vendidas imediatamente ou em poucos dias;
b) Títulos e valores mobiliários de curto prazo: aplicações em títulos com prazo de resgata de até um ano, ou dentro do ciclo operacional seguinte, e esse for superior a um ano;
c) Títulos de valores mobiliários de longo prazo: são aplicações em títulos com prazo de resgate superior a um ano ou além do ciclo operacional seguinte, se esse for superior a um ano.
EXEMPLOS:
• Títulos públicos federais, estaduais e municipais
• Fundos de investimentos
• Certificados de depósitos bancários
• Recibo de depósito bancário
• Ações, com intenção de venda
• Aplicações financeiras em ouro etc.
Investimentos permanentes:
São ativos que produzem resultados a longo prazo. Os investimentos permanentes são valores aplicados para manutenção de atividades operacionais e com fins estratégicos. Mas, podem ser vendidos a qualquer tempo, se for necessário e conveniente para a empresa ou (pessoa física).
EXEMPLOS:
• Participações em empresas controladas ou coligadas
• Obras de arte
• Terrenos e edificações
• Gastos com pesquisas e desenvolvimento de novos produtos e processos
• Marcas e patentes
• Máquinas e equipamentos

Fonte: Hoji, Masakazu – Administração Financeira 5ª Edição – Editora Atlas.
Ctba, 21/set/09
Prof.ª Mª. M. Prybicz.

sábado, 19 de setembro de 2009

"AUTONOMIA"

AUTONOMIA COMPORTAMENTAL
- Ver pragmaticamente as situações relativos às empresas, delegar responsabilidades, exigir e determinar aquilo que deve ser feito com - autonomia para tomada de decisão - e, acima de tudo, não se deixar enganar por astucia comportamentais, vai muito além de negar a existência de problemas e fazer o jogo do satisfeito abobado, mas são caminhos para evitar a criação de uma cultura que privilegie os hábeis incompetentes! Lembrando sempre: “Para nossas empresas não existem problemas que não se possam ser resolvidos” – “positivismo no DNA”.
Ctba, 19/set/09
Prof.ª Mª M.Prybicz

"ECONOMIA BRASILEIRA EM FOCO"

DISCURSO DO PRESIDENTE "LULA" SOBRE O PRE-SAL
"Daqui a 15 ou 10 anos, esse País deverá ser a quarta economia (do mundo), a terceira economia, ou, se a gente não der sorte, pode ser a quinta economia. Mas, ele não será apenas a quinta economia se o PIB (Produto Interno Bruto) estiver maior. Ele será mais fortemente a quinta economia se a gente tiver mais pobres na classe média, se tivermos melhorado definitivamente a qualidade de ensino nesse País", afirmou o presidente em um discurso de 25 minutos.
- Considerando todas as condições brasileiras em termos de mão-de-obra especializada neste setor petroleiro, e avançando ainda mais nas qualificações profissionais dos nossos universitários ou não, poderemos ter uma resposta mais positiva nos próximos dez anos para efetivação do “Projeto Pré-sal” – extremamente abrangente em toda a rede industrial atualmente existente em nosso país!

Fonte: Último Segundo (IG)
Ctba, 19/set/09
Prof.ª Mª M.Prybicz



sexta-feira, 18 de setembro de 2009

"ECONOMIA"

“PIRÂMIDE DA POPULAÇÃO BRASILEIRA ALARGA-SE NA SUA BASE”
- Dados do IBGE apontam que as pessoas com mais de 65 anos já representam 7,5% dos paranaenses. Para cada mil mulheres existem 941 homens
      A população do estado do Paraná está ficando mais idosa. De acordo com números da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgados nesta sexta-feira (18) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o porcentual de pessoas com mais de 65 anos passou de 5,5% da população paranaense para 7,5%, em dez anos (1998 a 2008). A pesquisa também mostra que existem mais mulheres que homens no estado.
       De 1998 para 2008 a diferença foi acentuada. Há 10 anos, para cada grupo de mil mulheres havia 985 homens. No ano passado, últimos dados coletados pela Pnad, a relação caiu para 941 homens a cada mil mulheres que residem no Paraná. Outra mudança apontada em 10 anos foi a distribuição dos paranaenses por cor ou raça.
       Em 1998 a pesquisa apontou que 75,8% dos moradores eram brancos. A população de cor preta ou parda, segundo critérios do IBGE, representava 22,9% dos paranaenses. No ano passado a população de cor branca ficou em 71,7% e a de cor preta ou parda 26,9%.
Educação
      Em dez anos avançou o número de pessoas alfabetizadas. Em 1998, a taxa de analfabetismo das pessoas de 15 anos ou mais era de 10,4%. No ano passado esse número caiu para 6,6%. Separando por gêneros, o índice fica em 5,8% para os homens e 7,3% para as mulheres.
      Em idades mais avançadas o índice de analfabetismo é maior, segundo a pesquisa de 2008. Para o grupo com idade acima de 40 anos, o índice de analfabetismo é de 11,8%, sendo de 10,4% para os homens e de 13,1% para as mulheres. O porcentual de crianças de 7 a 14 anos frequentando escola passou de 76,8% em 1998 para 97,9% em 2008, no estado inteiro.
Renda
      A renda média dos paranaenses teve um aumento de 57%, entre 1998 a 2008, descontada a inflação. O rendimento médio mensal passou de R$ 321 para R$ 814. As mulheres tiveram o maior aumento real em dez anos, o rendimento médio passou de R$ 178 para R$ 577 um aumento real de 127%. Em 1998, o rendimento médio dos homens era 2,63 vezes o das mulheres; em 2008 essa proporção caiu para 1,85.
Trabalho infantil
      Em 1998, a Pnad mostrava que 14,5% das crianças paranaenses na idade de 10 a 14 anos exerciam algum tipo de trabalho. Esse percentual reduziu-se para 7,2% em 2008.
Tecnologia
      Há 10 anos, um terço (33,3%) das casas paranaenses tinham telefone e, em 2008, 87,2% dos domicílios tinham esse equipamento. O telefone celular, o microcomputador e o acesso à internet são itens cada vez mais presentes nos domicílios. Em 2003, 13,4% dos domicílios paranaenses tinham microcomputador com acesso à internet; em 2008 esse porcentual foi de 29,8%. O microcomputador estava presente em 18% dos domicílios em 2003 e em 2008 aumentou para 39,6%. O telefone celular, sozinho ou em conjunto com telefone fixo está presente em 79,3% dos domicílios; em 2003 eram 38,1% dos domicílios que tinham o aparelho.
Brasil
      A pesquisa em nível nacional apontou que a desigualdade de renda caiu 9% em dez anos. Houve redução em todas as regiões. O índice de Gini do rendimento mensal dos domicílios brasileiros passou de 0,521, em 2007, para 0,515, em 2008 – em 1998, quando começou a série histórica, o número era de 0,567.
     O índice de Gini varia de 0 a 1 e mede a distribuição da renda na população: quando mais próximo de 0, maior a igualdade; quanto mais próximo de 1, maior a desigualdade entre o que as pessoas ganham. A evolução entre 1998 e 2008 mostra, portanto, uma queda de 9,17%.
- As empresas especializadas em itens para essa faixa etária maior (a melhor idade) - deverão aproveitar e desenvolver inovações em produtos para atendê-los, ou seja, com sua renda aumentada irá consumir um pouco mais, que é realmente a lógica do pós-crise!
Fonte: IBGE e Gazeta do Povo.
Ctba, 18/set/09
Prof.ª Mª M. Prybicz




quarta-feira, 16 de setembro de 2009

"ECONOMIA"

BOVESPA SOBE E FECHA NA MÁXIMA DESDE JULHO DE 2008
REUTERS
SÃO PAULO - A continuada safra de notícias macroeconômicas e corporativas animadoras empurrou o principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) para a oitava alta em nove sessões, atingindo novo pico no ano. Com avanço de 1,94%, o Ibovespa alcançou os 60.410 pontos, nova máxima de fechamento desde julho de 2008.
Com isso, o índice já acumula ganho superior a 60% neste ano. O giro financeiro da sessão totalizou R$ 6,8 bilhões.
Dados econômicos e empresariais positivos, escalada nos preços das commodities e anúncios de fusões e aquisições, tanto no mercado doméstico como no internacional, foram o estopim para outra onda de compras de ações.
Em Wall Street, o índice Dow Jones subiu 1,12%, aproximando-se da barreira psicológica dos 10 mil pontos.
Fonte: Jornal do Brasil
Ctba, 16/set/09
Prof.ª Mª M.Prybicz

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

"ECONOMIA"

FLEXIBILIZAÇÃO DOS CONTRATOS DE TRABALHO
O desemprego, atualmente, não é apenas um problema de âmbito nacional, mas no mundo inteiro, ele vem aumentando, até nos países considerados de “primeiro mundo”.
Economistas, políticos, administradores, todos discutem como combater o desemprego, já que todos sabem que ela gera miséria, violência e outros males que assolam a sociedade.
Ta certo que, após o período da industrialização, com o advento da tecnologia e dos computadores, muitos trabalhadores perderam seu trabalho para os computadores, que hoje exercem com precisão trabalhos manuais, formais e de organização. Porém, esta não é a única causa do desemprego.
No Brasil, discute-se qual seria a principal causa do desemprego, para que ela possa ser combatida. Uns dizem que é a falta de incentivo fiscal para as pequenas empresas. Outros dizem que é a má vontade governamental. Mas todos concordam que o trabalhador custa muito caro para uma empresa.
Os encargos trabalhistas, e todos os direitos do trabalhador fora o salário, oneram demasiadamente a empresa, de modo que ela prefere enxugar seu quadro de funcionários, para aumentar o lucro, ou para simplesmente poder pagar as suas despesas.
Outro dia um exímio administrador me garantiu que um funcionário custa para uma empresa, em média, o equivalente a 2,1 vezes o seu salário. Ou seja, se o trabalhador ganha o salário mínimo, hoje de R$151,00 (cento e cinqüenta e um reais), a empresa tem que desembolsar, salvo engano, R$317,10 (trezentos e dezessete reais e dez centavos) para mantê-lo trabalhando. Isto porque, fora o salário, a empresa tem que recolher os impostos e encargos inerentes ao funcionário.
Eis que, diante da onerosidade de manter o trabalhador no emprego, vem surgindo, de uns tempos para cá, a chamada “flexibilização dos contratos de trabalho”. Formas alternativas de manter o trabalhador empregado, sem haver o chamado “registro em carteira”, vêm sendo buscadas.
- A “sustentabilidade” começa a fazer pressão no sentido de rever todos os parâmetros, relativos à CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) – uma vez que esta é de 1943, já faz 66 anos sem a modernidade que a atualidade exige!

Fonte: Diversas fontes e autores(Parte do Trabalho do Aluno, Agostinho Turin Netto 3º TAK do C.E.P.Lamenha Lins-EMP.
Ctba, 14/set/09
Profª Mª M.Prybicz

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

"ECONOMIA NACIONAL E INTERNACIONAL"

CHINA? OPORTUNIDADES DIVERSAS GLOBALIZADAS!
"É uma oportunidade de nossas indústrias se colocarem numa verdadeira vitrine para o mundo, sobretudo para o mundo asiático, um mercado que vem se expandindo em índices extremamente elevados", explicamos!
- Entre os participantes que já realizaram essa viagem, as opiniões sobre suas experiências na China se dividem. Mas todos se mostram perplexos com o tamanho da Feira.
"É muito mais complexo negociar com os chineses do que eu imaginava", afirma o empresário mineiro Antônio Colem. "A conversa vai fluindo tranquilamente quando, de repente, o chinês esfria; é uma estratégia de negociação", afirma Colem. Mesmo assim ele acredita que em 30 dias pode estar fechando os primeiros contratos de compra de componentes para sua indústria.
- Quem, por outro lado, já conhecia a China, destaca que o poder aquisitivo da população está crescendo. "A população está comprando produtos de marca e mais sofisticados".
- Espero que todos empresários industriais ou não vejam como boa oportunidade para vender, estimulando ainda mais as exportações brasilerias, assim como, os chineses o fazem na China com extrema habilidade!
Fonte: Google
Ctba, 10/set/09
Prof.ª Mª M. Prybicz


terça-feira, 8 de setembro de 2009

"EDUCATION HELP"

DISCRIMINAÇÃO E PRECONCEITOS
- A mesma discriminação sofrida pelos policiais é impingida aos professores, um dos poucos trunfos que uma nação tem contra a lavagem cerebral de imbecilidade a que a TV aberta submete as crianças diariamente. Os mestres que formam nossos filhos também mal ganham para o café. Recentemente, o governo estadual deu-lhes um abono de R$ 400, parcelados até 2015, se não me engano. Investimento em qualificação profissional, aparelhamento e conservação das escolas, reciclagem do corpo docente, salário digno, tudo isso anda a passos de tartaruga, enquanto o trem-bala vem aí a uma velocidade de 300 quilômetros por hora.
Se algum membro do Poder Executivo arranjasse um tempinho em sua agenda repleta de badalações, deveria plantar-se, incógnito, diante de uma escola pública na hora da saída dos alunos. Seria bom que visse como anda a cabeça dos pré-adolescentes e adolescentes. Meu conselho é para que conte quantas meninas de 15 anos escondem barrigões de seis, oito meses de gravidez debaixo dos seus uniformes escolares.
- E também como e porque o Estado do Paraná, vem pagado o dobro da hora normal, para um professor lecionar para presidiários, enquanto deveria prestigiar os que estão do lado de cá da situação dos presídios! Por que não dar mais incentivo aos que ainda não conhecem o lado ruim de nossa sociedade hipócrita e corrupta, cheia de preconceitos discriminativos exacerbados. E as escolas então! Com total abandono e/ou descuido - quanto a sua conservação e reformas necessárias.
Fonte:Jornal do Brasil / Coluna de Marcelo Migliaccio.
Ctba, 08/set/09
Profª Mª M. Prybicz

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

"ECONOMIA BRASILEIRA"

TRECHOS DA REPORTAGEM SOBRE A CRISE NO BRASIL
"O Brasil seria prejudicado no caso de a economia mundial não conseguir se recuperar. Mas suas opções também seriam restringidas em um cenário no qual as principais economias se recuperassem sem uma reforma séria. Em um cenário assim, as ortodoxias liberais de mercado se manteriam dominantes", escreve o professor. “Depois de uma corrente inicial de pedidos por regulamentações mais profundas e firmes, já há sinais de uma atitude de 'volta à normalidade' tanto nos Estados Unidos como na Grã-Bretanha.” Justine Thody, da EIU, também alerta para o fato de que mesmo tendo se fortalecido diante da crise em relação aos demais países, o Brasil ainda não é um "grande tigre". “O Brasil ainda tem problemas enormes em várias áreas, como terrível infra-estrutura, um enrolado sistema tributário que não é atraente para investidores, baixos níveis de educação dos trabalhadores em geral - apesar de alguns bolsões de excelência - e serviços públicos muito pobres".

- As análises dos estrangeiros sobre o nosso país é realmente condizente com a realidade, todos sabemos a quantas andam a educação, saúde, serviços públicos em geral! Taxa de juros ainda muito altos, tributação equivocada, sem equidade relativa, taxa de câmbio em relação ao dólar desfavorável.

Fonte: BBC Brasil
Ctba, 07/set/09
Professora Mª M.Prybicz

domingo, 6 de setembro de 2009

"ECONOMIA"

LULA REAFIRMARÁ QUE PRÉ-SAL É NOVA INDEPENDÊNCIA DO PAÍS
BRASÍLIA - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fará, no próximo domingo (6), pronunciamento em rede nacional de rádio e televisão, para falar sobre o Dia da Independência, comemorado no dia seguinte (7).
Aproveitando a data, Lula voltará a abordar o marco regulatório para exploração do petróleo da camada pré-sal, que ele considera uma nova independência do país. As regras foram anunciadas pelo governo no último dia 31. No mesmo dia, em seu programa semanal de rádio Café com o Presidente, Lula disse que o marco regulatório significa “um novo Dia da Independência para o Brasil”.
As regras foram encaminhadas ao Congresso Nacional em projetos de lei com regime de urgência constitucional. Uma das propostas prevê a criação de estatal, chamada Petro-Sal, para administrar a exploração no pré-sal.
O pronunciamento do presidente terá cerca de dez minutos de duração e será veiculado à noite. O presidente gravou o pronunciamento na manhã de hoje (4) no Palácio da Alvorada.
Fonte: Agência Brasil

Ctba, 06/set/09
Prof.ª Mª M. Prybicz

sábado, 5 de setembro de 2009

"ECONOMIA"

O PRÉ-SAL, OU SEJA, A "NOVA EMPRESA PETROLEIRA"

- O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, disse quarta-feira que o ritmo de licitação de novas áreas do pré-sal deve seguir o desenvolvimento da capacidade da indústria de equipamentos brasileira. – O ritmo dessas novas áreas vai ser determinado muito fortemente pela capacidade da indústria nacional em prover os equipamentos e serviços para esse gigantesco programa de investimentos.
- Portanto, a indústria nacional vai ter que agilizar-se no sentido de aproveitar esse melhor momento que passa a nossa Economia com o Pré-Sal – colocar a mão na massa e fazer por merecer um projeto de tal magnitude e com uma rede enorme de abrangência!

Fonte: Reuters

Ctba, 05/set/09

Prof.ª Maria M.Prybicz

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

"ECONOMIA"

DETALHES DA ENTREVISTA DO PRESIDENTE “LULA”
- Sobre a Opep, Lula repetiu à TV francesa o que já havia dito ao canal de TV norte-americano Bloom Berg, em junho do ano passado. “O Brasil não tem interesse de entrar na Opep. O Brasil não quer ser exportador de óleo cru. O que nós queremos é aproveitar o pré-sal para que façamos uma grande indústria petrolífera, uma grande indústria naval e um grande pólo petroquímico”, afirmou, em declaração reproduzida pela Agência Brasil.
Lula disse ainda que vai discutir questões de segurança com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, que chega ao Brasil segunda-feira (7). A França disputa o contrato para reequipamento da Força Aérea Brasileira (FAB), que pode chegar a R$ 5 bilhões, com a oferta de caças Dassault Rafale.
De acordo com Lula, ganha a concorrência quem repassar tecnologia ao Brasil. “Não podemos comprar um caça que a gente não detenha a tecnologia. Até porque sonhamos em produzir partes desse avião”, disse, numa clara referência à Embraer. A entrevista de Lula será transmitida pela TV5 no próximo domingo.
- “Are Baba” – Finalmente a Presidência da República aceitou o que os economistas estão falando há décadas neste país, que é preciso muito, muito, agregar valores às commodities agrícolas e minerais (produtos de base em estado bruto, ou seja - matérias-primas) ou com pequeno grau de industrialização.
- Devemos estimular empregos e conseguir também a tecnologia utilizada! Não podemos ficar eternamente na dependência – a sustentabilidade está intrinsecamente contida tanto na importação como nas exportações, os ganhos terão que ser de ambas as partes nacionais e/ou estrangeiras.

Fonte: Gazeta do Povo
Ctba, 03/set/09
Economista e Prof.ª Mª M.Prybicz


quarta-feira, 2 de setembro de 2009

"ECONOMIA"

“PLANO FINANCEIRO”
- Existe um “plano financeiro” do qual as igrejas fazem uso no intuito de arrecadar fundos (dinheiro) para sustentação e investimentos em novos templos e/ou igrejas, etc...
- Portanto - então será que as empresas (empresários) poderiam e deveriam usar deste particular “trunfo” angariativo e abrir o capital para captar recursos e investir criando mais empregos, fazendo ampliação na capacidade da produção de manufaturados (agregando valores aos produtos) e assim fazer a demanda de mão-de-obra aumentar consideravelmente. O que é que proíbe isso? Será a legislação da constituição jurídica para as pequenas e médias empresas (small caps)?
- As grandes companhias de sociedade anônimas (S/As.) fazem o que deveria ser estendido para todas as empresas (generalizadamente, independente do tamanho, produto, serviço e constituição jurídica do capital). Nas antigas ferrovias do meio oeste americano (Estados Unidos) já se fazia isso para construir as ferrovias antigas. É como descobrir a “galinha dos ovos de ouro” neste vasto campo de arrecadação e/ou ampliação e aplicação de numerários e naturalmente o retorno do capital coletado e reinvestido.
- É uma “festa financeira”! Em razão dos grandes montantes acumulados pelas igrejas - (independente da religião a que se segue).
- Observação: nada contra as religiões e igrejas, muito pelo contrário! Sou totalmente a favor deste “plano”.

Ctba, 02/set/09
Economista e Prof.ª Mª M.Prybicz

"AVANÇO ABRANGENTE"

ACESSO À INTERNET PELA REDE ELÉTRICA “DEMOROU!”
- A Diretoria Colegiada da ANEEL aprovou, no dia 25 de agosto, as regras para utilização da rede elétrica para transmissão de dados, voz e imagem e acesso à Internet em alta velocidade por meio da tecnologia Power Line Communications (PLC). A Resolução Normativa nº 375/2009 que estabelece as condições de compartilhamento da infraestrutura das distribuidoras vai permitir significativos avanços ao país, com importante estímulo à inclusão digital, pois 95% da população brasileira têm acesso à eletricidade por meio de 63 concessionárias e 24 cooperativas, que levam energia a 63,9 milhões de unidades consumidoras.
- Realmente demorou em tomarem essa decisão e conscientizarem-se de quanto é importante a Internet na atualidade!

Fonte: ANEEL
Ctba, 02/set/09
Prof.ª Mª M.Prybicz

terça-feira, 1 de setembro de 2009

"ECONOMIA"

A NOVA PETRO-SAL
- Ontem (31/08), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva apresentou o polêmico marco regulatório do pré-sal, que conta com diversos projetos de lei, incluindo a alteração do atual sistema de royalties para o regime de partilha, onde a matéria extraída será dividida entre a empresa privada e o governo, garantindo assim uma maior fatia à Nação. Caso estes projetos sejam aprovados, será criada uma nova estatal chamada Petro-Sal (Empresa Brasileira de Administração de Petróleo e Gás Natural S.A.), destinada unicamente à administração e exploração do pré-sal. Esta empresa deverá ser completamente otimizada em relação aos números de cargos (máximo de 130 funcionários), que serão contratados pela CLT (Consolidações das Leis Trabalhistas). A estatal será vinculada ao Ministério de Minas e Energia, com escritório central no Rio de Janeiro e foro em Brasília.
- Se tudo se efetivar no campo social, acharei o melhor projeto já realizado no Brasil, no que se refere a distribuir renda, melhorar a educação, saúde, meio ambiente - garantir a sustentabilidade e inovação!

Fonte: ADVFN Newsletter
Ctba, 01/set/09
Prof.ª Mª M. Prybicz

Quem sou eu

Minha foto
Economista/Professora/Escritora de Blog e outros; Disciplina: Gestão de Negócios; - Autonomia em Consultorias em Geral.