prybiczmaria@gmail.comFollow by Email tyle>.ig-b- { display: inline-block; } .ig-b- img { visibilit

domingo, 31 de outubro de 2010

"ECONOMIA NACIONAL "

EM DÓLAR, SALÁRIO DA INDÚSTRIA SOBE 154% DESDE O REAL

- O real forte e o mercado de trabalho aquecido elevaram a remuneração dos trabalhadores em moeda forte para o maior nível
Os salários pagos pela indústria paulista, em dólares, estão 154% acima dos de junho de 1994, quando começou o Plano Real e a economia se estabilizou. O real forte e o mercado de trabalho aquecido elevaram a remuneração dos trabalhadores em moeda forte para o maior nível em 16 anos. O cálculo da relação entre câmbio e salário foi feito pela consultoria Rosemberg & Associados, com base na série de câmbio do Banco Central (BC) e de emprego da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP). Em relação a setembro de 2002, quando o real se desvalorizou antes da eleição de Lula, a alta dos salários em dólares chega a 286%, quase três vezes mais.
O fenômeno provocou dois efeitos: aumentou o poder de compra da população, mas elevou os custos das indústrias. “Os salários subiram de maneira espantosa em dólares. É claro que tem efeito na competitividade das empresas”, diz José Pastore, professor da Universidade de São Paulo (USP).
Graças ao câmbio forte, os brasileiros têm acesso a mais produtos importados, como carros e celulares de última geração. As importações de bens de consumo cresceram 50% de janeiro a setembro, absorvidas por uma população que tem mais dinheiro no bolso. Os economistas preveem expansão de 7% da massa de salários este ano.
“Com o desemprego em seu nível mais baixo, o poder de barganha dos trabalhadores aumentou”, ressalta Fábio Romão, economista da LCA Consultores. Conforme o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), 2010 será o ano com recorde de reajustes salariais de mais de 5% acima da inflação.
Fonte: GP On Line
Ctba, 31/10/2010
Maria M. Prybicz


Vantagem de Dilma em MG beira 20 pontos e desanima tucanos

Vantagem de Dilma em MG beira 20 pontos e desanima tucanos

Dilma Rousseff e José Serra no debate Rede Globo 2º Turno 29/10/2010 (1/7)

13 motivos para o RS votar Dilma

13 motivos para o RS votar Dilma

Dilma vota em Porto Alegre

Dilma vota em Porto Alegre

sábado, 30 de outubro de 2010

MEGAPOÇO TEM RESERVAS DE ATÉ 15 BILHÕES DE BARRIS DE PETRÓLEO, DIZ ANP

- Confirma-se total sustentabilidade na Economia Petrolífera, do nosso novo Governo! Aja investimentos!

No caso de se confirmar a faixa mais alta da estimativa, Libra pode se configurar como a maior descoberta de petróleo no mundo desde 2000
O prospecto Libra, no pré-sal da bacia de Santos, tem reservas recuperáveis de 3,7 a 15 bilhões de barris de óleo equivalente, informou nesta sexta-feira a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).
No caso de se confirmar a faixa mais alta da estimativa, Libra pode se configurar como a maior descoberta de petróleo no mundo desde 2000, quando o Cazaquistão identificou 17,2 bilhões de barris na área de Kashagan.
A reserva também superaria a área de Tupi, a principal no Brasil já descoberta, com reservas recuperáveis estimadas entre 5 e 8 bilhões de barris de óleo equivalente.
"É importante destacar que somente este prospecto de Libra pode vir a ter um volume de óleo recuperável superior às atuais reservas provadas brasileiras, próximas de 14 bilhões de barris de petróleo", afirmou a agência, em comunicado.
Mas o volume recuperável mais provável em Libra deve somar 7,9 bilhões de barris, disse a ANP, citando a avaliação da certificadora Gaffney, Cline & Associates.
Libra é uma área da União não-licitada e deverá integrar o primeiro leilão de reservas do pré-sal a ser realizado pelo governo, talvez em 2011, dentro do novo marco regulatório, que ainda precisa ser aprovado pelo Congresso.
A área não está incluída na cessão onerosa, como foi chamado o repasse pela União de reservas de petróleo à Petrobras em uma troca indireta por ações da companhia.
No entanto, a Petrobras, segundo o modelo no novo marco regulatório, seria a operadora única do pré-sal e teria participação mínima de 30 por cento em todas as áreas que vierem a ser licitadas no futuro.
"Esta descoberta, situada no 'gigantesco prospecto Libra' conforme expresso no relatório da certificadora valoriza enormemente o patrimônio da União", afirmou a ANP.
Libra está situado próximo de Franco, com reservas estimadas pela ANP em cerca de 4,5 bilhões de barris. O poço situa-se a 183 km da costa do Rio de Janeiro, em lâmina d água de 1964 metros.
"Até o momento, a profundidade atingida no poço em Libra é de 5.410 m, com 22 metros perfurados no pré-sal. A profundidade final prevista, de cerca de 6.500 metros, é estimada para ser alcançada no início de dezembro próximo", completou a ANP.
Fonte: GP On Line
Ctba, 30/out/10
Maria M. Prybicz


LULA ARRASTA 100 MIL PESSOAS - POPULARIDADE EM ALTA...

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Comício com Lula, depoimento de um trabalhador

Lula bate recorde mundial de aprovação

Lula bate recorde mundial de aprovação

"ECONOMIA PETROLÍFERA"

Petrobras em alta: Analistas avaliam continuação da tendência.
-  Num dia sem muitas oscilações nos mercados mundiais ontem, a bolsa brasileira foi destaque de alta. Fechando em 70.740 pontos, alta de 1,67%, os investidores devem agradecer em grande parte a uma empresa: Petrobras. As ações preferenciais e ordinárias da petrolífera subiram 5,37% e 4,36% respectivamente. Como seu peso no índice Ibovespa é grande, um movimento desses ajuda a ofuscar as quedas de outros papéis que compõem o índice. 
-   A alta teve início logo nos primeiros minutos de pregão e perdurou com força até o fechamento. Entretanto os analistas atentam para a composição geral do papel, que ainda apresenta tendência de queda. O investidor deve ficar atento a mais próxima resistência de preços aos R$ 26,65 nas ações preferências, as de mais liquidez da empresa.
Fonte: ADVFN Newsletter
Ctba, 27/out/10
Maria M. Prybicz

terça-feira, 26 de outubro de 2010

"ECONOMIA PETROLIFERA"

“MOMENTO ECONÔMICO - PETROBRAS”

Governo central tem superávit recorde com Petrobras

O saldo primário foi positivo em 26, 057 bilhões de reais, ante déficit de 7, 814 bilhões de reais em setembro do ano passado
O governo central registrou superávit primário recorde em setembro, com o ingresso de receitas atípicas resultantes da operação de capitalização da Petrobras. Descontando o impacto desses recursos, o resultado fiscal seria o pior em um ano.
O saldo primário foi positivo em 26, 057 bilhões de reais, ante déficit de 7, 814 bilhões de reais em setembro do ano passado, informaram o Tesouro Nacional nesta terça-feira.
Em setembro, as contas são tradicionalmente pressionadas pelo pagamento de parcela do 13.º salário de pensionistas do INSS.
As receitas no mês passado, contudo, foram engordadas com "o ingresso de 74,8 bilhões de reais relativos à cessão onerosa para exploração de petróleo", por meio da qual a União vendeu reservas da commodity à Petrobras, recebendo em troca novas ações.
A capitalização da estatal promovida paralelamente à cessão onerosa também gerou uma despesa para a União, no valor de 42,9 bilhões de reais. O impacto positivo líquido da operação sobre as contas do governo, portanto, foi de 31,9 bilhões de reais.
As despesas primárias do governo com a capitalização seriam maiores se o Tesouro não tivesse optado por fazer parte do aumento de capital por intermédio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Em setembro, a União emprestou 24,8 bilhões de reais ao banco para viabilizar sua participação, via BNDESPAR, na capitalização e esse empréstimo não é computado como despesa primária.
O secretário do Tesouro, Arno Augustin, negou que a operação triangulada tenha sido promovida para engordar o superávit primário, e afirmou que o objetivo foi aperfeiçoar a participação do governo na capitalização.
"Só com a União, teríamos uma participação bem menor", afirmou a jornalistas, destacando que o aumento de capital permitido, por acionista, era proporcional à participação já detida na estatal.
CUSTEIO X INVESTIMENTO
O superávit acumulado no ano somou 55, 707 bilhões de reais, o equivalente a 2,14 por cento do Produto Interno Bruto (PIB). Entre janeiro e setembro de 2009, o superávit havia sido de 15, 618 bilhões de reais, ou 0,68 por cento do PIB.
Excluindo o efeito da Petrobras, as despesas de custeio subiram 21,6 por cento no período, enquanto as despesas de capital, que compreendem os investimentos, aumentaram 56,6 por cento.
Augustin considerou que os gastos com custeio, direcionados à manutenção da máquina pública, ainda crescem a ritmo "um pouco alto", mas defendeu o desempenho das despesas com investimentos, argumentando que tem sido essencial para sustentar o crescimento da economia.
"Acho que é absolutamente sustentável a equação (fiscal) que temos hoje", afirmou Augustin.
Fonte: GP On Line
Ctba, 26/out/10
Maria M. Prybicz

“SIGNIFICADO ECONÔMICO”

DISTRIBUIÇÃO DE RENDA E PROPENSÃO A POUPAR
 - A governabilidade argumenta que a deterioração na distribuição de renda pessoal é funcional ao processo de crescimento capitalista, supõem-se que uma distribuição mais desigual produz uma propensão média a poupar mais alta, combinada com as mudanças institucionais designadas a elevar a poupança pessoal e das empresas, ficaram co-responsáveis pelo fato da economia ter financiado uma elevação na razão investimento, aumentou-se a proporção interna da poupança no Produto Nacional Bruto – P.N.B. Testadas e afirmadas de que um crescente coeficiente investimento-renda vem sendo financiado por poupanças internas – mas a contra-argumentação ficou explícita de que o investimento crescente vem sendo feito por empresas estrangeiras em nosso país, singularmente sendo, obtidos investimento, através de empréstimos estrangeiros.
   Portanto, temos que ter em mente que poupança pessoal, objeto em foco da hipótese referente à distribuição de renda – e que é apenas um componente da poupança interna, juntamente com as poupanças do setor de empresas privadas e as do setor público, ou seja, as empresas municipais, estaduais e/ou federais também deverão contar com suas poupanças para futuros investimento no intuito da geração de investimentos-rendas, valores estes quase impossíveis de determinar precisamente a contribuição do setor público (tanto governamental como empresarial) à poupança interna total.
Fonte: Tolipan, Ricardo – Tinelli, Arthur Carlos; A Controvérsia sobre distribuição de Renda e Desenvolvimento.
Ctba, 26/out/10
Maria M. Prybicz 

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Curitibanas declaram apoio à Dilma

Curitibanas declaram apoio à Dilma

“ECONOMIA DA REVOLUÇÃO MARGINALISTA”

“ECONOMIA CLÁSSICA?"
 - Subverte os alicerces da Economia Política clássica, substituindo a idéia de contradição pelo paradigma da harmonia.
    Não se trata mais de esclarecer as leis de movimento nascidas da oposição das classes sociais no âmbito da produção, sim de postular as condições de equilíbrio no processo de troca. A marginalidade incide, sobretudo na Teoria do Valor-Trabalho, que privilegia e privilegiava as condições de produção, fixando no conceito de utilidade, que é enfatizado na órbita do intercâmbio de valores de uso. Não fica difícil compreender as conseqüências dessas violentas transposições de níveis para a Teoria da Distribuição.
   A idéia de troca supõe-se de imediato, igualdade de condições entre os agentes envolvidos (administrados). O problema principal que se coloca é o de como efetuar essa redução à igualdade, de forma que capitalistas e trabalhadores apareçam nas mesmas condições no momento do intercâmbio (troca).
   A chave-conceito dessa delicada operação redutiva é o de fator de produção. Capitalistas e Trabalhadores, ambos estão no mercado enquanto proprietários de fatores de produção cujos serviços se dispõem a vender em troca de uma contrapartida (remuneração condizente).
    Do ponto de vista da Economia Clássica, semelhante redução teórica, ao mesmo tempo e condições, expulsa as classes sociais como categorias relevantes da Economia Política empregada no momento e falsifica o conceito de capital, transformados em seus aspectos puramente físicos (espécies).
    Então, a Teoria da Distribuição poderá ser aplicada e ser tratada como uma aplicação especial da teoria dos preços. Ou seja, a remuneração paga ao proprietário de um fator de produção depende do preço que consiga obter pela venda de seus serviços – o que seria determinada pela oferta e demanda dos serviços, relativa ao mercado que hora se apresenta. Mas os serviços dos fatores de produção não são desejados em si mesmos, senão pelo valor dos bens finais que são capazes de produzir – derivação dos preços dos bens finais. Cada fator receberá de acordo com a sua “contribuição” ao processo produtivo. Essa contribuição está rigidamente limitada pelas condições técnicas de produção: de conformidade com a lei dos rendimentos decrescentes, e/ou a produtividade marginal de cada fator, ceteris paribus varia inversamente à quantidade empregada.
-  Na Teoria do Valor-Trabalho: o trabalho não é mais o único a criar valor, o capital é igualmente capacitado de produzi-lo. Isto é, o trabalhador faz jus a seu salário, bem como o capitalista merece seu lucro pelo capital dispendido.
Fonte: Tolipan, Ricardo – Tinelli, Arthur Carlos “A Controvérsia sobre Distribuição de Renda e Desenvolvimento.
Ctba, 25/out/10
Maria M. Prybicz (continua...próximos textos, em novas postagens)

domingo, 24 de outubro de 2010

A UMA SEMANA DA ELEIÇÃO...
A uma semana do segundo turno da eleição, os candidatos à Presidência da República intensificam a campanha em busca dos votos dos 56 milhões de eleitores dos maiores colégios eleitoral do país: São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Nesses estados, o tucano José Serra venceu apenas em São Paulo, com 40,66% dos votos. A petista Dilma Rousseff venceu em Minas Gerais, com 46,98%, e no Rio de Janeiro, com 43,76%.
Enquanto José Serra e Dilma Rousseff trabalham no Sudeste, atos de campanha deverão ser feitos no Norte e no Nordeste para garantir votos dos eleitores dessas regiões. Para isso, vão contar com os governadores eleitos dos dois partidos e com a estrutura já montada nos estados.
O esforço nesses três estados tem um objetivo: reverter o quadro do primeiro turno. Na Região Nordeste, José Serra foi derrotado por Dilma com uma diferença de mais de 40 pontos. No Norte, a candidata petista obteve quase 18 pontos de vantagem em relação ao tucano. No Centro-Oeste, a disputa foi mais acirrada: Serra ficou quase 2 pontos atrás de Dilma.
A partir de agora, os candidatos têm mais quatro dias para participar de comícios e reuniões públicas. A legislação eleitoral estabelece que a propaganda política deva ser encerrada quinta-feira (28), três dias antes do pleito. Na sexta-feira (29), será exibida a última propaganda eleitoral no rádio e na televisão e também as últimas propagandas pagas nos jornais impressos e aquelas feitas na internet. A data também é o prazo final para a realização de debates entre os candidatos.
No sábado (30), um dia antes da eleição, os candidatos ainda poderão participar de carreatas e usar alto-falantes ou amplificadores de som, mas só até as 22h.
O segundo turno das eleições será realizado no próximo domingo (31). As seções eleitorais estarão abertas das 8h às 17h. O comércio poderá funcionar normalmente, desde que os donos estabeleçam tempo para que os funcionários possam votar. Durante o pleito, o eleitor poderá se manifestar silenciosamente e individualmente.
Fonte: GP On Line
Ctba, 24/out/10
Maria M. Prybicz

Graças a ajuda de Dilma, dinheiro do pré-sal tem destino certo

Pesquise antes de votar 2 - Campanha Voto Consciente

sábado, 23 de outubro de 2010

“ECONOMIA PETROLÍFERA VERSUS ECONOMIA BANCÁRIA”
 A Caixa Econômica Federal anunciou que pretende ser um dos três maiores bancos inseridos no mercado de petróleo e gás do país nos próximos três anos. "Estamos em uma fase de estabelecer o primeiro relacionamento com essa cadeia. É também uma fase de aprendizado para a Caixa", disse a presidente da Caixa, Maria Fernanda Ramos Coelho, durante visita a Santos Offshore Oil & Gas Expo 2010.
Segundo ela, o objetivo é que, no futuro, a imagem do banco estatal seja tão forte no mercado de petróleo e gás como hoje é na habitação. Para isso, a Caixa pretende lançar diferentes linhas de crédito para atender ao mercado, principalmente aos fornecedores da Petrobras.
Além disso, Maria Fernanda afirmou que o banco assinou a participação de um fundo com a Marinha Mercante que permitirá investimentos na indústria naval nacional. "A ideia é que a cada dia, a cada semana, surjam novos produtos absolutamente adequados a esse segmento", completou o superintendente regional da Caixa na Baixada Santista, José Paulo Gomes de Amorim.
Lançada há cerca de um mês, uma linha de crédito criada para atender a fornecedores da Petrobras está operando de maneira piloto em 18 superintendências da CEF, entre elas a Baixada Santista, devendo ser estendida para todo o País em dezembro. "Os juros podem variar de 1,75% a 2,5% ao mês dependendo da análise de risco", afirma o gerente regional da Caixa, Daniel Monte Rodrigues, explicando que a linha atende pequenas e médias empresas que sejam fornecedores da Petrobras até o quinto nível, não apenas os diretos. O banco pode financiar até 50% do valor desse contrato.
Segundo o executivo, somente neste mês, cerca de 20 clientes da Baixada Santista procuraram a Caixa e estão negociando o novo crédito. "São clientes no processo entre visita, avaliação de risco e precificação da operação de crédito", completando que o valor mais alto que está sendo negociado na região é de R$ 12 milhões.
Fonte: GP On Line     
Ctba, 23/out/10
Maria M.Prybicz

Lula: votar na Dilma é continuar mudando o Brasil

Dilma e Lula falam para os internautas - OndaVermelha - #dilmanarede

Dilma e Lula falam para os internautas - OndaVermelha - #dilmanarede

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

"ECONOMIA PETROLÍFERA"

POÇO CONFIRMA POTENCIAL DE TUPI, SEGUNDO A PETROBRAS

- Estimativas na “Economia Petrolífera” – reforçam o desenvolvimento sustentável dos projetos desafiadores do Brasil, com relação aos poços de Petróleo!(Mª M.Prybicz) 
Estatal estima até 8 bilhões de barris de óleo equivalente. Perfuração reduz incertezas das estimativas de volumes de óleo na área
A Petrobras informou nesta sexta-feira (22) que concluiu a perfuração do nono poço na área de Tupi, no pré-sal da Bacia de Santos. A perfuração confirma o potencial de petróleo leve e gás natural recuperável daquela jazida, estimado entre 5 e 8 bilhões de barris de óleo equivalente.
"Esse poço, além de comprovar que a acumulação de petróleo se estende até o extremo sul da área do Plano de Avaliação de Tupi, confirmou que a espessura do reservatório com petróleo e gás chega a cerca de 128 metros, o que reduz as incertezas das estimativas de volume de hidrocarbonetos da área", diz a estatal em nota.
Segundo a Petrobras, o petróleo de Tupi tem "excelente valor comercial". A declaração de comercialidade da jazida está prevista para 31 de dezembro deste ano. Até lá, serão perfurados, ainda, outros dois poços de delimitação.
O poço de Tupi está localizado a cerca de 290 quilômetros da costa do Rio de Janeiro, em profundidade de água de 2.152 metros. A Petrobras é operadora do poço, com 65% de participação. O BG Group tem outros 25% e a Galp Energia, 10%.
Fonte: GP On Line
Ctba, 22/out/10
Maria M. Prybicz

terça-feira, 19 de outubro de 2010

“ECONOMIA E LOGÍSTICA”

Goiás vai se transformar em grande entroncamento logístico do País

O desenvolvimento do setor energético – com a construção de usinas hidrelétricas e linhas de transmissão –, a rodovia Norte-Sul e grandes investimentos na área de habitação, saneamento básico, saúde e projetos públicos de irrigação farão do estado de Goiás um grande entroncamento logístico, com imensas vantagens competitivas no mercado interno e no comércio exterior. Foi o que garantiu o presidente Lula nesta terça-feira (19/10), em Catalão (GO), em cerimônia de inauguração simultânea de seis usinas hidrelétricas.
Não é todo dia que temos a feliz oportunidade de inaugurar empreendimentos do porte destas seis usinas hidrelétricas. Afinal, estamos falando de obras do PAC que receberam, juntas, investimentos de R$ 2,9 bilhões e que vão suprir a demanda de energia de mais de um milhão de pessoas. Essas obras estão sendo inauguradas em um momento em que o Brasil voltou a investir pesadamente em geração e transmissão de energia elétrica. Com isso, Goiás se tornará um grande entroncamento logístico.
O presidente afirmou que após um profundo levantamento do potencial hidrelétrico, o Brasil modernizou o marco regulatório para o setor e devolveu ao Estado a capacidade de planejar a longo prazo, além de criar uma grande carteira de projetos na área de energia. Os investimentos estatais e privados em geração e transmissão de energia elétrica em todo o País chegaram, afirmou Lula, a R$ 48,6 bilhões entre 2007 e 2010.
A segunda etapa do PAC prevê investimentos totais de R$ 136,6 bilhões. Apenas em usinas hidrelétricas serão investidos R$ 116 bilhões de reais, na construção de dez usinas de modelo plataforma e mais 44 hidrelétricas convencionais – 12 delas no estado de Goiás.
Fonte: Blog do Planalto
Ctba, 19/out/10
Maria M. Prybicz

QUERO DILMA 2

NOVAS TAXAS DE JUROS?

NOVAS TAXAS? EM ALTA  - ATRAI INVESTIDORES E ESPECULADORES!
- No Brasil iniciam as reuniões do Banco Central que definem o rumo da taxa básica de juros da economia. Hoje a Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) divulga o IPC (Índice de Preços ao Consumidor), índice que mede a variação de preços para o consumidor na cidade de São Paulo com base nos gastos de quem ganha de um a vinte salários mínimos. 
- Nos Estados Unidos o Departamento do Comércio divulga os indicadores sobre o mercado imobiliário, Alvarás para Construção e Construções Iniciadas de Imóveis, que ajudam a medir o nível de atividade econômica dos EUA.
Pegos de surpresa (nem tanto) : Qual o impacto do novo aumento do IOF
- Ontem o Ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que o mercado deveria aguardar um balanceamento natural da taxa de câmbio do Real com o Dólar. 
- Mas o governo tinha uma carta na manga: hoje aumenta novamente o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) de 4% para 6% para investimentos estrangeiros em renda fixa e sobre as margens de garantia nos mercados futuros. O Ministro afirmou que o objetivo é desestimular eventuais excessos de especuladores com a valorização do Real.  - Mantega acredita que a única forma efetiva de resolver a guerra cambial velada em curso no mundo seria um acordo e coordenação mundial em relação às moedas. Ele mostrou-se bastante pragmático: disse que as medidas para segurar a alta do Real devem ser cautelosas para não se usar mais remédio do que necessário.
- A solução é:
 deixar o câmbio livre!
Fonte: ADVFN Newsletter
Ctba, 19/out/10
Maria M. Prybicz

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

“ECONOMIA E ECOLOGIA”

ONU COBRA AÇÃO URGENTE PELA BIODIVERSIDADE

- O objetivo é fazer governos e empresas adotarem medidas abrangentes para proteger e restaurar ecossistemas como florestas, rios, recifes de corais e oceanos. O mundo não pode abrir mão das suas riquezas naturais, mas enfrentam o maior ritmo de extinção de espécies desde a época da desaparição dos dinossauros, 65 milhões de anos atrás, disse a ONU nesta segunda-feira, na abertura de uma importante conferência de duas semanas sobre o assunto.
O objetivo é fazer governos e empresas adotarem medidas abrangentes para proteger e restaurar ecossistemas como florestas, rios, recifes de corais e oceanos, que são vitais para a subsistência humana por causa dos benefícios que oferecem - ar limpo, água potável, alimentos, remédios. Ecossistemas mais resistentes também são capazes de reduzir os impactos da mudança climática, e contribuem para o combate à pobreza, segundo a ONU.
"Esta reunião é parte dos esforços mundiais para tratar de um fato muito simples: estamos destruindo a vida na Terra", disse Achim Steiner, diretor do Programa Ambiental da ONU, ao abrir a conferência em Nagoia, no Japão.
Delegados de quase 200 países discutem novas metas de preservação da biodiversidade para serem cumpridas até 2020. As metas para 2010 em geral não foram alcançadas.
Um estudo divulgado neste mês pela ONU afirma que o dano ambiental causado pela atividade humana em 2008 chegou a 6,6 trilhões de dólares, equivalente a 11 por cento do PIB global.
"O que o mundo mais deseja de Nagoia são acordos que interrompam a dramática perda na riqueza viva do mundo e a continuada erosão dos nossos sistemas de apoio à vida", disse Jim Leape, diretor-geral da ONG WWF Internacional.
O WWF e o Greenpeace pediram que os países criem corredores de preservação terrestre e marítima.
Os países em desenvolvimento dizem que precisam de mais ajuda financeira dos desenvolvidos para salvarem a natureza. A maior parte da biodiversidade restante no mundo está em nações em desenvolvimento, como o Brasil, a Indonésia e países da África Central.
"Especialmente para países com sua economia em transição, precisamos ter certeza de onde estão os recursos (financeiros)", disse à Reuters B.T. Baya, diretor-geral do Conselho Nacional de Gestão Ambiental da Tanzânia,
"Não nos ajuda nada estabelecer um monte de metas estratégicas sem a capacidade ou os recursos para implementá-las."
- Os países mais pobres querem que as verbas para a proteção de espécies e ecossistemas sejam ampliadas em cem vezes, a partir dos cerca de 3 bilhões de dólares atuais.
Fonte: GP On Line                 
Ctba, 18/out/10
Maria M. Prybicz


domingo, 17 de outubro de 2010

MARINA! APRENDA CUSTOS ECONÔMICOS DE UM PAÍS COMO O BRASIL!

A Marina Silva - só veio p/ Melar o 1º TURNO - ela não pensou no CUSTO QUE O BRASIL TEM PARA FAZER UMA NOVA ELEIÇÃO - DEUS QUE COISA NÃO?
Ctba, 17/out/10
Maria M. Prybicz

sábado, 16 de outubro de 2010

"ECONOMIA NACIONAL E INTERNACIONAL" - MERCOSUL!

MERCOSUL E UE PODEM FECHAR ACORDO EM 2011

As negociações entre o MERCOSUL e a União Europeia (UE) para a criação da maior área de livre comércio do mundo podem ser concluídas até julho do ano que vem. Não foi estabelecida uma meta formal, mas os diplomatas fixaram um cronograma para o processo, que terminaria no fim do primeiro semestre de 2011.
- Estão marcadas mais quatro rodadas de discussões: no fim de novembro em Brasília, em março em Bruxelas, em abril e maio em Assunção e, finalmente, em junho e julho em Bruxelas. É a primeira vez que os diplomatas fecham esse tipo de compromisso desde a retomada do processo.
“É um sinal claro de que os dois lados querem avançar”, disse o principal negociador brasileiro, embaixador Evandro Didonet. Ele participou de uma maratona de cinco dias de reuniões com os europeus, que terminou ontem em Bruxelas. Nessa etapa, os diplomatas definem as bases do acordo, que incluem temas como regras de origem dos produtos, salvaguardas para proteger os mercados e prazos em que as tarifas de importação serão eliminadas. A barganha, com troca de ofertas, só deve começar no ano que vem.
- As negociações entre MERCOSUL e UE foram lançadas em 1999, mas interrompidas em 2004, quando os blocos estiveram perto de um acordo. A resistência de europeus e argentinos em abrir seus mercados agrícolas e industriais, respectivamente, levou a um impasse. Com as negociações da Rodada Doha, da Organização Mundial de Comércio (OMC), paralisadas e a maior necessidade europeia de exportar para sair da crise, as negociações foram retomadas em maio deste ano.
- Finalmente este acordo deve efetivar-se!
Fonte: GP On Line
Ctba, 16/out/10
Maria M. Prybicz

Serra é criticado por padre durante missa em Canindé e Tasso toma as dores

Serra é criticado por padre durante missa em Canindé e Tasso toma as dores

"ECONOMIA POLÍTICA" - COM A PRESIDENCIÁVEL! CARTA DE DILMA.

CARTA DE DILMA ROUSSEFF à MARINA SILVA

 SOA BRASIL
Brasília, 14 de outubro de 2010.
Senadora Marina Silva
Prezada Marina,
Quero, por seu intermédio, fazer chegar à direção do Partido Verde meus comentários sobre a Agenda por um Brasil Justo e Sustentável, que foi entregue à coordenação de minha campanha.
Antes de tudo, saúdo a iniciativa de condicionar o posicionamento de seu partido a uma discussão de caráter programático. Ela é necessária e oportuna, sobretudo quando se verifica uma lamentável tentativa de mudar o foco do debate eleitoral para questões que, tendo sua relevância como temas de sociedade, não estão, no entanto, no centro da reflexão que o país necessita realizar para definir seu futuro.
Reiterando meus cumprimentos pelo expressivo resultado que sua candidatura obteve no primeiro turno das eleições, quero dar às observações que seguem um sentido que transcende em muito uma dimensão estritamente eleitoral. Nosso diálogo tem um significado futuro. Envolve as condições de governabilidade do país.
As observações que seguem refletem nossa primeira percepção da Agenda. Elas deverão ser objeto de novos aprofundamentos.
Transparência e ética
O Governo atual tem-se empenhado em garantir a mais absoluta liberdade de imprensa no país, posição com a qual me encontro pessoal e partidariamente comprometida.
Por outro lado, as avançadas medidas de transparência de informações sobre a execução orçamentária e de contratos deverão ser aprofundadas com rapidez nos próximos anos.
Reforma Eleitoral
Tenho dito que este tema é fundamental para o amadurecimento da democracia no país. Sendo questão a ser tratada no âmbito do Congresso Nacional, considero que a Presidência da República não deve estar alheia ao tema. Penso que, sobre a maior parte das questões, estamos de acordo e que a forma definitiva que deve assumir a reforma política tem de ser resultado de amplo acordo envolvendo o bloco de sustentação do Governo, partidos que nele não estejam incluídos e, igualmente, as oposições.
Educação para a sociedade do conhecimento
Manifestamos nosso acordo com todos os pontos deste item.
Segurança Pública
Em sintonia com o sentimento da sociedade brasileira, temos dado especial atenção aos temas da segurança. Temos insistido – na contramão de outras propostas – que a segurança pública não se esgota nas ações repressivas, mas deve ser complementada por políticas públicas em regiões onde o Estado esteve e ainda está ausente. No plano puramente repressivo, defendemos o fortalecimento de ações de inteligência e o emprego de modernas tecnologias. O Governo Lula instituiu, no âmbito do Pronasci, a Bolsa PROTEJO, que beneficia jovens em processo de formação. Concordamos em que uma melhor remuneração dos policiais é fundamental para garantir a dedicação exclusiva a suas funções. Um primeiro passo foi dado a partir de 2008, com a instituição da Bolsa Formação, que beneficiou desde sua criação mais de 350 mil policiais. A necessidade indiscutível de um piso nacional de remuneração para policiais tem de ser objeto de um pacto entre a União, os Estados e os Municípios. Essas e outras questões deverão ser objeto de uma PEC a ser enviada no menor prazo possível, consultados os entes federativos. Meu programa prevê a revisão do modelo atual de segurança pública e a institucionalização de um Sistema Único de Segurança Pública.
Mudanças climáticas, energia e infraestrutura
Expressando nossa concordância com a maior parte dos pontos contidos neste item, considero que há questões que devem ser objeto de aprofundamento e/ou negociação.
 É o caso da criação de uma Agência Reguladora para a Política Nacional de Mudanças Climáticas. Mas temos acordo quanto à necessidade de um arcabouço institucional capaz de coordenar, implementar e monitorar iniciativas nesse setor.
A supressão do IPI sobre a fabricação de veículos elétricos e híbridos deve ser compatibilizada com nossa produção de etanol e nossa capacidade de geração elétrica. Pode-se propor política tributária diferenciada para veículos e outros bens que emitam menos GEE.
A proposta de moratória sobre a criação de novas centrais nucleares exige aprofundamento à luz das necessidades estratégicas de expansão de nossa matriz energética.
Seguridade Social: saúde, assistência social e previdência
Há concordância com todos os itens, com ressalva quanto à redução, no curto prazo, da população de referência para o PSF, pois implicaria aumentar as necessidades de profissionais além de uma capacidade imediata de resposta do sistema.
Proteção dos biomas brasileiros
Nosso Programa dá ênfase à proteção dos biomas nacionais. Por essa razão, estamos de acordo com a meta de incluir 10% dos biomas brasileiros em unidades de conservação A proposta de desmatamento de vegetação nativa primária e secundária em estado avançado de regeneração merece precisão.
Estamos de acordo sobre a prioridade de proteção da Amazônia, Pantanal, Cerrado e Mata Atlântica, dentro de uma estratégia ambientalmente sustentável de ocupação e uso do solo e inclusão social.
Da mesma forma, é nossa prioridade a ação consistente na recuperação de áreas degradadas, a exemplo do Programa Palma de Óleo, na Amazônia.
Consideramos excelente a proposta de um Plano Nacional para a Agricultura Sustentável.
Sobre o Código Florestal, expresso meu acordo com o veto a propostas que reduzam áreas de reserva legal e preservação permanente, embora seja necessário inovar em relação à legislação
em vigor. Somos totalmente favoráveis ao veto à anistia para desmatadores.
Gasto público de custeio e Reforma Tributária
Estamos de acordo com todos os itens.
Consideramos necessário afastar-nos de um conceito conservador de custeio que traz embutida a noção de Estado mínimo. A eficiência do Estado está ligada à qualificação dos servidores públicos. Daremos prioridade ao provimento de cargos com funcionários concursados.
Política Externa
Há acordo total com o expresso no documento.
Enfatizamos a necessidade de garantir presença soberana do Brasil no mundo, de fortalecer os laços de solidariedade com os países do Sul, em especial os da América Latina, com os quais compartilhamos história e valores comuns e estamos ligados pela necessidade de defesa de um patrimônio ambiental comum. Defendemos, igualmente, a necessidade de lutar pela reforma e democratização dos organismos multilaterais.
Fortalecimento da diversidade socioambiental e cultural
Pretendo dar continuidade e profundidade às políticas que foram seguidas neste campo pelo Governo do Presidente Lula.
Com apreço,
Dilma Rousseff
Fonte: Blog Presidente DILMA.
Ctba, 16/out/10
Maria M. Prybicz
Observação: Eu jamais poderia perder esta oportunidade de colocar no meu Blog a carta da Presidenciável, Dilma Rousseff à Senadora Marina Silva! Imperdível. (Mª M. Prybicz).

Quem sou eu

Minha foto
Economista/Professora/Escritora de Blog e outros; Disciplina: Gestão de Negócios; - Autonomia em Consultorias em Geral.