prybiczmaria@gmail.comFollow by Email tyle>.ig-b- { display: inline-block; } .ig-b- img { visibilit

sábado, 31 de janeiro de 2009

"REGRA RANK SIZE" Descreve progressão harmônica de cidades dentro da hierarquia urbana. - Algumas dificuldades óbvias existem para testar a hipótese.

"LOCALIZAÇÃO INDUSTRIAL E CRESCIMENTO URBANO"

A ênfase na cidade como centro de localização industrial pode levar a uma visão unilateral do crescimento urbano, especialmente quando se afirma que as cidades que apresentam uma combinação industrial mais favorável, crescem rapidamente. – Afirmação que acentua o aspecto de demanda do crescimento urbano. E os fatores de oferta são também contribuições importantes. Afirmamos que o potencial de crescimento de uma cidade depende de sua capacidade de criar e atrair recursos produtivos a mesma forma que para produzir bens e serviços necessários para satisfazer a demanda de mercados regional e nacional. A capacidade de cada cidade para expandir seu estoque de recursos internamente é limitada pela taxa de aumento natural da população, pela acumulação de capital das empresas locais e pela propensão dos dirigentes e inovadores locais (verificação “in loco”) para aumentar a produtividade. Para que as cidades experimentem altas taxas, precisam atrair fatores produtivos de fora; funcionando como pólo de atração em relação a migrantes e imigrantes, capital externo, capacidade empresarial e inovação que não sejam locais (inovações não-locais). Neste sentido, as grandes cidades estão em melhores condições do que as unidades urbanas menores. – Seu mercado de trabalho maior e oportunidades maiores de emprego atraem mais migrantes e imigrantes oriundos de diversas partes do mundo! Especialmente os que se situam a grandes distâncias; grandes cidades são centros mais atraentes para os investidores de fora, particularmente no que se refere às indústrias de bens de consumo e serviços, para os quais o acesso a um grande mercado potencial reduz os riscos; grandes comunidades freqüentemente apresentam variedades diversas com suas amenidades, facilidades culturais e de lazer mais necessárias para atrair executivos de outras cidades ou regiões mais distantes; finalmente, as grandes metrópoles tendem a serem centros principais de inovação. – Concluindo, é que o crescimento nas grandes cidades tende a ser auto-sustentados, em razão de essas cidades possuírem potencial maior para conseguir insumos necessários ao seu devido crescimento.

– Além da influência do tamanho, - fator preponderante para determinar em uma cidade individualizada, o tamanho é também importante para explicação do padrão de crescimento urbano na economia amplamente falando! Determinadas zonas de influência (medidas pelas áreas de serviços, zonas de deslocamentos, etc.) no entorno de uma cidade tende estar diretamente relacionada ao seu tamanho. E as comunidades urbanas, dentro e fora dessa zona de influência, mais próximas de seus limites, somente serão viáveis se não concorrerem com a própria cidade metropolitana. – Portanto, tamanho menor e funções de especialização econômica diferentes. Noutros termos gerais, quanto maiores às cidades, tanto maior será a distância entre elas. Mas, todas as cidades de uma determinada economia fazem parte de um sistema no sentido de que existe bastante interdependência entre elas para que uma mudança na cidade provoque mudanças em outras. Sistematicamente terá dimensão vertical que se manifesta como a ordenação das áreas urbanas de acordo com o tamanho da população, os tipos de função desempenhada e o tamanho das áreas dos serviços ofertados. – Essas ordens sucessivas formam uma hierarquia urbana, que têm um aspecto espacial e um aspecto de tamanho.

- Então, a questão essencial persiste que existe uma hierarquia do tamanho urbano, com uma regularidade na ordenação? Supondo-se a ordenação regular, ela é suficientemente geral para que possa ser aplicada a todas as sociedades o só se refere às sociedades que atingiram determinado nível de desenvolvimento econômico? – Mais importante, a hierarquia do tamanho urbano permanece a mesma no decorrer do tempo e, se é possível determinar uma teoria ou Lei que descreva a hierarquia, elas são capazes de prever o curso geral do crescimento urbano o sistema conjuntural? Das tentativas realizadas para responder essas perguntas, a mais conhecida é a REGRA DO “rank size” – associada à obra de H.W.Singer e G.K. Zipf.

- Em sua forma mais simples, essa regra afirma que a população de uma cidade aleatoriamente falando, tende a ser igual à população da cidade maior dividida pelo rank que ela ocupa dentro da hierarquia urbana em termos de seu tamanho (ou seja, faz-se comparação com o tamanho da maior cidade com relação à menor). Essa fórmula básica praticamente modificada por uma constante com objetivo de obter adaptação melhor à distribuição.
- Ver: M.F. Dacey, 1966, “Population of Places in a Central Place Hierarchy”, Journal of Regional Science, nº 6, pp.27-33.

- Portanto, a explicação da REGRA “rank size” com um texto onde está a fórmula completa, logo mais abaixo no meu Blog!

Referência: Richardson, Harry W. (Economia Regional)

Ctba, 31/jan/09
Maria M. Prybicz.

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
Economista/Professora/Escritora de Blog e outros; Disciplina: Gestão de Negócios; - Autonomia em Consultorias em Geral.