prybiczmaria@gmail.comFollow by Email tyle>.ig-b- { display: inline-block; } .ig-b- img { visibilit

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

  Por Rodrigo Rocha Loures
Inovação, Eleições e Governo

A tecnologia e a industrialização tem proporcionado uma melhoria contínua na qualidade de vida de toda a humanidade. Hoje é possível dizer que superamos todas as civilizações anteriores. Porém, o nosso avanço também gerou desequilíbrios sociais e ambientais e nos trouxe um novo desafio: como tornar toda essa modernidade sustentável?

Estou seguro em dizer que as soluções para o mundo atual, assim como para o desenvolvimento empresarial e para o crescimento do Brasil, passam, necessariamente, pela inovação. Em todas as áreas – econômica, empresarial, política, educacional, tecnológica e ambiental. A inovação é o mais potente meio para tornarmos a sociedade atual e o planeta, sustentáveis.

Independente dos mandatos políticos e de seus governantes, o Brasil tem sido um país de cópias. A indústria brasileira se desenvolveu, historicamente, enclausurada dentro das fábricas, focada em produtividade e na geração de resultados financeiros. Agora é o momento de dar um passo maior e de usar a criatividade, tão marcante no povo brasileiro, para transformar nossa economia em um exemplo internacional de inovação sustentável.

Há muito para melhorarmos na cadeia logística, no planejamento e na gestão de nossas empresas. O mundo está se modificando, nós precisamos inovar. Pode – e deve - haver inovação em uma indústria, em um estabelecimento comercial, nas escolas, no sistema político e nas grandes estratégias nacionais.
Agora, toda inovação implica em mudanças e isso também é uma transformação cultural. Com a proximidade das eleições, cabe a nós essa importante reflexão já que a inovação deve ser exercida em todas as esferas da sociedade, a começar pelos Poderes Executivos e Legislativos.

A inovação pode ser uma força estimulante e mobilizadora para reinventar o Brasil como país sustentável. Mas para isso é preciso ousadia e participação social. A nossa parte é um exercício de cidadania: uma criteriosa escolha de nossos representantes políticos agora em outubro.

                                                    RODRIGO DA ROCHA LOURES
Presidente do Conselho Deliberativo do Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade – IBQP
Ex-Presidente da Federação das Indústrias do Estado do Paraná – FIEP (2003/2011)
http://www.rodrigodarochaloures.com.br

Economia, Direito, Política, Sociedade, Educadores, Empreendedores, Inovadores,  Inventores, Legisladores e principalmente cidadania e eleições com a escolha certa de nossos governantes, isso tudo refletindo-se no dia-a-dia do nosso País! Portanto, para ter o Brasil mais justo que queremos, temos a responsabilidade de ver bem em quem  vamos votar, por que serão mais ou menos quatro anos administrados por aquela pessoa que colocaremos no poder! (Maria Prybicz) 

Fonte: Via e-mail.
Ctba, 10/set/14
Maria Prybicz

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
Economista/Professora/Escritora de Blog e outros; Disciplina: Gestão de Negócios; - Autonomia em Consultorias em Geral.