prybiczmaria@gmail.comFollow by Email tyle>.ig-b- { display: inline-block; } .ig-b- img { visibilit

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

“ECONOMIA DOS INVESTIDORES”

DEZEMBRO TRAZ ALÍVIO: ENTENDA O ÂNIMO DOS INVESTIDORES
 - Dezembro historicamente é um mês bom para os investidores. Desde o lançamento do plano Real, em 1994, o índice Ibovespa registrou alta no último mês do ano em mais de 80% das vezes. Entretanto nas vezes que registrou ganhos eles não foram substanciais, ou seja, não acabaram por recuperar perdas de capital ocorridas durante o ano e a bolsa registrou um volume de operações menor.
  E como terminará este ano? O maior problema no cenário econômico continua a ser a Europa e como o continente irá resolver seus problemas internos e manter o Euro como moeda forte. É possível que a União Européia crie um mecanismo automático de socorro aos países endividados para eliminar de vez a sombra que a incerteza projeta no mercado.
 - Acredito que a sociedade brasileira está consciente de que o desenvolvimento robusto que experimentamos nesses últimos anos foi muito ajudado pelo crescimento da economia mundial. Desde o início do século, e até 2007/2008, quando veio a crise financeira mundial, o Brasil soube aproveitar as oportunidades que a rápida expansão do comércio e dos negócios proporcionava, resolvendo o seu problema externo e acumulando reservas de quase 300 bilhões de dólares. Hoje somos um país com uma situação absolutamente tranquila em relação ao exterior.
- É certo que estamos com um câmbio supervalorizado por conta do diferencial de taxas de juros internas e externas, um problema que naturalmente vai exigir atenção especial da nova administração a partir de janeiro.
- A própria presidente Dilma Rousseff já indicou que pretende coordenar as políticas fiscais e monetárias para ir reduzindo de maneira inteligente a taxa de juro real, até encontrar o nível compatível com o que é praticado no resto do mundo, algo como 2% ou 3%.
- Com se vê, é imprescindível que se estabeleça um mínimo aceitável de taxa de juro, evitando assim a especulação exagerada, bem como, a dívida pública que cada dia torna-se insustentável pela administração atual com a elevada taxa estratosférica, em relação aos demais países do “Sistema Econômico Global”. (Mª M.Prybicz) 
Fonte: ADVFN Newsletter
Ctba, 01/dez/2010
Maria M.Prybicz

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
Economista/Professora/Escritora de Blog e outros; Disciplina: Gestão de Negócios; - Autonomia em Consultorias em Geral.