prybiczmaria@gmail.comFollow by Email tyle>.ig-b- { display: inline-block; } .ig-b- img { visibilit

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

ECONOMIA SUSTENTÁVEL"

BRASIL PODE PRATICAMENTE SUPERAR POBREZA EXTREMA ATÉ 2016, APONTA IPEA

- Com a Filosofia da Miséria não se chega ao “desenvolvimento sustentável”, fundamental para que o nosso país adquira o “status” de primeiro mundo. (Mª M. Prybicz).

SÃO PAULO - Se o Brasil mantiver o mesmo ritmo de diminuição da pobreza e da desigualdade de renda observado nos último cinco anos, o País poderá alcançar o ano de 2016 com indicadores sociais próximos aos dos países desenvolvidos, segundo estudo divulgado nesta terça-feira pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA).
• Expansão da China impulsionou redução da pobreza mundial
• Brasil está entre países que reduziram desigualdade de 1995 a 2005
- De acordo com a pesquisa, o Brasil pode praticamente superar o problema de pobreza extrema (até 25% de salário mínimo per capita), assim como alcançar uma taxa nacional de pobreza absoluta (até meio salário mínimo per capita) de 4%, o que significa quase sua erradicação.
- Entre 1995 e 2008, a queda média anual na taxa nacional de pobreza absoluta foi de -0,9%, enquanto na taxa nacional de pobreza extrema foi de -0,8% ao ano.
- Para o período mais recente, entre 2003 e 2008, a queda média anual na taxa nacional de pobreza absoluta foi de –3,1%, enquanto na taxa nacional de pobreza extrema foi de -2,1% ao ano.
Fatores
- Segundo o IPEA, a combinação entre a continuidade da estabilidade monetária, a maior expansão econômica e o reforço das políticas públicas - como a elevação real do salário mínimo, a ampliação do crédito popular, a reformulação e o alargamento dos programas de transferências de renda para os estratos de menor rendimento, entre outras ações - se mostrou decisiva para a generalizada melhoria do quadro social no Brasil.
- Apesar do avanço, três condicionantes das políticas públicas podem, contudo, limitar as perspectivas socioeconômicas brasileiras, segundo o IPEA: a sustentabilidade de uma taxa elevada de crescimento econômico e de baixa inflação, a redistribuição tributária e a eficácia na utilização dos recursos públicos.
- Nos países desenvolvidos, o problema da pobreza absoluta encontra-se praticamente resolvido, embora persistam indicadores importantes de medida de pobreza relativa (o quanto se é pobre relativamente à riqueza existente
Fonte/referência: Último Segundo On Line, IPEA.
Ctba, 12/jan/09
Prof.ª Mª M. Prybicz

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
Economista/Professora/Escritora de Blog e outros; Disciplina: Gestão de Negócios; - Autonomia em Consultorias em Geral.