prybiczmaria@gmail.comFollow by Email tyle>.ig-b- { display: inline-block; } .ig-b- img { visibilit

segunda-feira, 23 de abril de 2012

"ECONOMIA AMBIENTAL NACIONAL"


ECONOMIA AMBIENTAL X ENERGIA SOLAR X ENERGIA DE HIDRELÉTRICAS – INOVAR 
É PRECISO, NUM PAÍS COM A MAIOR COBERTURA SOLAR!
- “A economia seria enorme, se fosse investido o montante que hoje é gasto em (construção de hidrelétrica) na energia solar e também evitaríamos tantos desastres e alterações ao meio ambiente” (Mª Prybicz)
O episódio é simbólico dos percalços enfrentados pela energia solar para ganhar relevância em um dos países mais ensolarados do mundo. Em termos de preço e praticidade, ela ainda não é competitiva. Mesmo em locais no Brasil onde o megawatt (MW) solar custa menos que o megawatt “tradicional”, o custo mínimo de um sistema de painéis solares (no mínimo, R$ 10 mil) torna o investimento caro.
“Ainda estamos defasados”, diz Osvaldo Soliano, engenheiro e diretor do Centro Brasileiro de Energia e Mudanças Climáticas. “Não podemos assistir a outros países dominarem a técnica e ficarmos como meros usuários.”
Defasagem em energia solar pode ser mais sério do que parece. Entre as fontes alternativas (vento, biomassa, etc.), a solar é considerada a melhor opção. “Uma hora de energia solar atingindo nosso planeta contém mais energia que toda a humanidade usa em um ano”, escreveu o geógrafo e professor da Universidade da Califórnia Laurence C. Smith em seu livro de previsões O Mundo em 2050 (Ed. Campus, 2011). “O sol nos oferece, em princípio, mais energia limpa e inesgotável do que jamais poderemos usar.”
“Quem acompanha de perto esse mercado está super otimista”, garante Délcio Rodrigues, diretor-executivo do Instituto Ekos Brasil, ONG que promove o desenvolvimento sustentável. “O preço do watt solar cai sistematicamente há quinze anos. Em alguns pontos do Brasil, como Belo Horizonte e Campo Grande, ela já é economicamente competitiva quando comparada à tarifa residencial. Em menos de cinco anos, o custo caiu pela metade.”
Recentemente, a Petrobras anunciou sua primeira usina solar, em Alto do Rodrigues, no Rio Grande do Norte. A empreitada faz parte de um conjunto de 18 projetos que aproveitaram incentivos da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para projetos deste tipo. Quando prontos, em no máximo dois anos, poderão gerar 24,5 MW de energia. A capacidade brasileira hoje é de 2 MW.
Outra iniciativa da Aneel foi à aprovação da “micro-geração” de energia. É a energia que uma família comum pode produzir através de painéis solares instalados no telhado de casa. Muitas vezes, há excedentes. Nesses casos, será possível trocar essa energia por desconto na conta de luz ou crédito no mês seguinte.
Todos esses estímulos colocam o Brasil num caminho trilhado por outros há muito tempo. A legislação alemã que recompensa a geração doméstica de energia data do ano 2000. A China nada de braçada no mercado mundial, graças a grandes incentivos governamentais. Os fabricantes chineses de painéis solares são parcialmente responsáveis por quebrar o setor solar norte-americano, que correu para Washington atrás de medidas protecionistas. Graças a eles, o preço mundial da célula fotovoltaica (unidade de um painel solar) caiu 62% em 2011. Até a Foxconn, fabricante do iPhone e iPad, está nessa. Anunciou investimento de US$ 30 milhões para produção em grande escala.
A sensação de modismo sem utilidade real ainda ronda boa parte dos produtos eletrônicos “solares”. Na Consumer Electronic Show deste ano, maior feira de eletrônicos do mundo, havia de docks de som a tablet solares. Muitos de eficiência discutível.
Para Rodrigues, tudo isso tem um propósito maior: “criar familiaridade”. “É muito relevante para as pessoas sacarem que funciona. Vale à pena mostrar que existe que é possível. Estamos todos em fase de aprendizado.”
Fonte: por Camilo Rocha – O Estadão
Ctba, 23/abr/12
Maria Prybicz 

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
Economista/Professora/Escritora de Blog e outros; Disciplina: Gestão de Negócios; - Autonomia em Consultorias em Geral.