prybiczmaria@gmail.comFollow by Email tyle>.ig-b- { display: inline-block; } .ig-b- img { visibilit

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

PLENO EMPREGO - CLÁSSICO ECONÔMICO

PLENO EMPREGO BRASILEIRO 

RIO - Apesar de 2012 ter sido o ano do PIB menor, com uma projeção de crescimento da economia de apenas 1%, a taxa média de desemprego do país no ano passado atingiu o menor patamar histórico registrado pelo IBGE, divulgou o órgão nesta quinta-feira. O resultado de 5,5% é inferior em 0,5 ponto percentual à taxa observada em 2011, que foi de 6,0%, e 6,9 pontos percentuais abaixo da média de 2003, que foi de 12,04%. Em dezembro, a taxa foi de 4,6%, também a menor da série histórica da Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, iniciada em 2002.
Em novembro, a taxa de desemprego estava em 4,9% e, em dezembro de 2011, em 4,7%. Já o rendimento médio do brasileiro ficou em R$ 1805,00, valor 0,9% inferior ao de novembro de 2012 e 3,2% acima do registrado em dezembro de 2011. A média anual do rendimento médio foi estimada em R$ 1793,96, o que correspondeu a um crescimento de 4,1%, em relação a 2011.

— Não houve, de maneira alguma, deterioração do mercado de trabalho no ano passado. O que vimos, no máximo, foi um ritmo menor no crescimento do emprego formal, do salário e do nível de ocupação — disse.
O IBGE também divulgou nesta quinta-feira um estudo comparativos dos primeiros 10 anos completos de dados da pesquisa mensal de Emprego (PME), que começou a ser feita em março de 2012 em seis regiões metropolitanas: São Paulo, Rio, Belo Horizonte, Salvador, Recife e Porto Alegre. Esta análise indica que o total de desempregados nestas seis regiões caiu de 2,608 milhões de pessoas em 2003 para 1,338 milhões em 2012. A média de horas trabalhadas por semana passou de 41,3 horas em 2003 para 40,3 horas. O estudo indica ainda que aumentou o percentual de trabalhadores que contribuem para a previdência social: passou de 61,2% do total em 2003 para 72,8% em 2012.
Na última década, o setor de serviços foi o que mais ganhou peso no total da ocupação destas seis regiões metropolitanas: passou de 13,4% do total de pessoas trabalhando em 2003 para 16,2% em 2012, destacou o IBGE. O setor de comércio, contudo, ainda lidera na ocupação total, com 18,7% dos trabalhadores.
A renda média real do trabalhador no período cresceu 27,2% no período, já descontada a inflação. O IBGE indicou também que caiu um pouco a desigualdade de rendimento do trabalhador em razão da raça: em 2003, os negros ou pardos ganhavam 48,4% da média de rendimento de pessoas brancas. No ano passado, esse percentual ficou em 53,1%. O mesmo aconteceu em relação ao gênero: em 2003 as mulheres ganhavam, em média, 70,8% do valor do rendimento do homem, enquanto que no ano passado essa relação chegou a 72,7%. A taxa de desocupação das mulheres (6,8%) também é superior à taxa de desemprego dos homens (4,4%) no fim do ano passado. O desemprego é ainda pior para mulheres negras ou pardas, ficando em 8,1% em 2012.
Azevedo afirmou que apenas com os dados de janeiro será possível saber se o mercado de trabalho continua evoluindo ou se haverá uma certa acomodação. Ele lembra, contudo, que é cedo para falar em pleno emprego no país:
— Temos que lembrar que a pesquisa trata apenas de seis regiões metropolitanas e que, mesmo entre elas, há muitas diferenças. E temos ainda um contingente muito grande de trabalhadores sem carteira assinada, sem proteção previdenciária, com baixa escolaridade e renda, ou seja, não acho correto falar de pleno emprego com estes dados.
Fonte: O Globo
Ctba, 31/jan/13
Maria Prybicz


Le

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
Economista/Professora/Escritora de Blog e outros; Disciplina: Gestão de Negócios; - Autonomia em Consultorias em Geral.